-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Category archive

Coluna

Preciso

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Preciso ir a São José. O tempo aqui é muito apressado. Se eu tivesse ido mais vezes, teria agora 42 anos, no máximo. Longe de São José a vida é atropelo.

Preciso ir porque o céu daqui quase não tem estrela e, quando a Lua cheia nasce, não acorda os galos que cantam, pensando estar nascendo o dia. Porque foi aniversário da madrinha Rosa e eu não pude ir. Porque preciso deixar flores para os meus pais e contar a eles como vão os netos e que aprendi a passar café.

Continue lendo

Sobre a ponte

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Oi, ponte. Olha eu aqui de volta.

Pronto. Agora o sujeito deu para falar com pontes. Não bastasse inventar conversa com passarinho, como se falasse com o pai, agora essa.

Deve ser a emoção de estar aqui de novo. Em 91, bati o recorde mundial de ficar olhando o mundo por esta ponte. Era de noite e fazia um frio do capeta, o que é uma péssima e inadequada imagem. Mesmo assim, encontrei um canto protegido do vento e fiquei horas espiando, pensando na vida.

Continue lendo

No céu não tem facebook

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Certo, é um pensamento besta. Se a gente for mais besta e se embrenhar no assunto, imagina que essas modernidades não devem impressionar muito o povo de lá. Para quem tem a eternidade pela frente, algo de novo é assunto por 300, 500 anos e todos ainda estão maravilhados com a descoberta do avião. E como será que o pessoal faz para aproveitar o tempo? Se para a gente alguns domingos de chuva demoram a passar, imagina ter todo o tempo do mundo. Se ficam a conversar, que tanto assunto eles têm? Há livros no céu? Baralho? Cinema, a obra completa de Victor Hugo, Programa Silvio Santos, War?

Continue lendo

Mas, pai…

em Monocotidiano/News & Trends por

O menino já estava pra dormir. Deitou na cama, tomou o leite quentinho, se cobriu com o cobertor e ficou assistindo a um desenho.

O pai alertou da porta.

– Fecha os olhos, fica ouvindo o desenho pra dormir.

Continue lendo

Bem que vocês tentaram

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Dó que eu tenho do ônibus que se esforça em ser desagradável. Faz o possível, se esmera no barulho, na cadeira quebrada, no solavanco em cada troca de marcha, até faz entrar um cidadão que vende aos berros umas capinhas para celular bem mixurucas . Passa no vermelho e quase atropela o cidadão ali que cometia (o sonso) a imprudência de atravessar na faixa de pedestre.

Continue lendo

No bar

em Monocotidiano/News & Trends por

Fazia tempo que não ia naquele bar.

Aproveitou a sexta-feira sem a mulher os filhos e parou.

A entrada estava diferente, era necessário pegar uma comanda, o tapete foi trocado, mas de resto era o mesmo bar de sempre.

Sentou no balcão, onde gostava e ficar pra beber alguma coisa e ouvir a conversa do lado.

Continue lendo

A Terra do Se

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Fica lá, logo depois de Patos de Minas, e agora estou na dúvida se segue pelo Estreito de Magalhães ou pelo Canal de Suez. Uns dizem ficar na Austrália, outros, na única praia de água quentinha na Islândia, mas há muita interferência e propaganda dos Ministérios de Turismo pelo mundo, o que dificulta a localização com exata latitude e longitude. Mas que existe, ô se existe:

A Terra do Se. O lugar onde todos os “ses” que ficaram na promessa se realizam.

Eta, se aquela bola na trave tivesse entrado. Aqui, neste mundo que insiste em ser ranzinza e econômico em realizar devaneios, não entrou: foi pra fora, nem escanteio o juiz marcou, e a torcida saiu do estádio muda, olhando para o chão e ruminando amendoim. Pois na Terra do Se não só a bola entrou como estufou a rede e a galera fez uma festa de doido, que teria durado uma semana se o pessoal tivesse saúde, mas como estava na Terra do Se e tinha saúde, pique e fígado à beça, a comemoração já entrou no segundo mês.

Continue lendo

O arroto

em Monocotidiano/News & Trends por

Ah, o filho tinha deixado ele assustado, ô se tinha. Não dava pra disfarçar. Desde a primeira vez que ouviu a notícia de que seria pai. E com o passar do tempo as coisas só tinham piorado. Eita moleque que ia dar trabalho. Mas se antes tinha medo do futuro, da criança ser mal educada, crescer mimada, não saber se comportar, ou outras culpas que os pais jogam sobre os pequenos, agora era um medo real e imediato.

Continue lendo

No escuro

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Estou numa casa no meio do mato e não há luz. Andaram caindo uns trovões brabos na redondeza e isso assustou a eletricidade. Escrevo à luz de velas como faziam Cervantes, Eça e Shakespeare, mas a iluminação dos gênios definitivamente não me alcança.

Li em algum lugar que uma das principais causas da recente descrença dos homens em Deus é a luz elétrica. Na claridade, somos racionais e céticos, temos certezas absolutas e parece não haver precisão do sagrado. No escuro, não: somos indefesos, temos pavores, vemos coisas terríveis, assombrações, fantasmas pela casa, e fica mais fácil e necessário contarmos com algum espírito superior.

Continue lendo

O que acontece quando você viaja

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Então o cidadão decide viajar. Está cansado do dia-a-dia, aborrecido com o trabalho e sem paciência para os colegas do trabalho, irritado com a demora do sinal em abrir, achando macaco, carro, jornal, tobogã, tudo isso um saco. Portanto, uma viagem cairia bem. Então ele decide para onde ir, compra a passagem, reserva o hotel, comunica a decisão a quem deve ser comunicada, manda uma banana para as obrigações.

Continue lendo

Fronteiras

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Foi algo do lado de lá que o chamou e você é curioso de dar dó. Vai até a fronteira, pleno de certezas erradas. Dá uma espiada no limite que julgava conhecido e leva um susto: aquele mundo que você achava que era, é muito maior. Atordoado, você volta, mas ficar não é mais possível. Só o tempo de arrumar a mochila para redescobrir onde aquilo vai dar.

Nove meias é o bastante? Para a água ou para o mato? É preciso olhar tanto o musgo como a onda, e que o vento decida. E ele sopra forte, você é carregado para longe, vê árvores douradas de folhas secas e águas que não molham, tão frias e impossíveis de entrar. Há coisas estranhas, como um sol que até aparece, mas não esquenta; ser noite às três da tarde; o silêncio sem passarinho e comprar banana não em cacho, mas por unidade. Sua cabeça roda, seus passos duvidam um pouco, mas caminham, sempre caminham, até chegar à próxima borda e ver que a coisas vão ainda além. As fronteiras não sossegam.

Continue lendo

Roupa nova

em Monocotidiano/News & Trends por

O telefone toca e ele atende já ouvindo o tom desesperado do outro lado.

– Beto?

– Fala Rafa, tudo bem?

– Não.. Vou me separar da Solange.

– O que? Mas como assim?

– Cara, não dá mais, eu não aguento mais viver isso. Preciso do telefone do seu advogado.

– Não vou te passar o telefone não.. calma lá…. A gente se viu no final de semana e tava tudo certo..

Continue lendo

1 2 3 129
Voltar p/ Capa