-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Category archive

ONU

ONU encontra mais de 200 valas com restos mortais de vítimas do Estado Islâmico no Iraque

em News & Trends/ONU por

Mais de 200 valas comuns contendo os restos mortais de milhares de vítimas foram descobertas em áreas anteriormente controladas pelo Estado Islâmico no Iraque, de acordo com um relatório das Nações Unidas divulgado na terça-feira (6). O documento mostra as consequências da implacável campanha de terror e violência da organização terrorista e destaca os pedidos das vítimas por verdade e justiça.

A Missão de Assistência das Nações Unidas para o Iraque (UNAMI) e o escritório de direitos humanos da ONU documentaram a existência de 202 valas comuns nas províncias de Ninewa, Kirkuk, Salah al-Din e Anbar, no norte e no oeste do país. Embora seja difícil determinar o número total de pessoas nestas valas, a menor delas, no oeste de Mosul, tinha oito corpos, enquanto a maior está em Khasfa, no sul de Mosul, e pode conter milhares de vítimas.

De acordo com o relatório, as valas podem conter materiais forenses essenciais para auxiliar na identificação das vítimas e construir um entendimento da escala dos crimes que ocorreram.

Continue lendo

Na América Latina, 3,6 milhões de pessoas se tornam obesas a cada ano

em Brasil/News & Trends/ONU/Saúde & Bem-estar por

Quando consideradas todas as faixas etárias, o número de indivíduos com sobrepeso chega aos 250 milhões — 60% da população regional.

Continue lendo

Estudantes de São Paulo criam projeto de apoio a refugiados

em Brasil/News & Trends/ONU/São Paulo/Saúde & Bem-estar por

Alunos do Anglo Vestibulares arrecadam doações e promovem debate sobre imigração

O Projeto SOU – RefugiAmar é formado por cerca de 50 alunos do Anglo Vestibulares e tem desenvolvido uma série de ações em prol dos refugiados. Com o auxílio do Serviço de Atendimento Psicológico (SAP), dos professores do curso e da Missão Paz, instituição filantrópica de apoio e acolhimento a imigrantes e refugiados, desde o começo do ano, esses jovens se reúnem e articulam ações sociais que possam incluir os outros alunos.

O grupo com o qual estão trabalhando é constituído por imigrantes e refugiados, de mais de 20 nacionalidades, recebidos e amparados pela Missão Paz. A instituição disponibiliza instalações (Casa do Migrante), alimentação completa, apoio legal, assistência social e aulas para essa população.

O trabalho dos alunos é dividido em alguns eixos de atuação. Além da arrecadação de dinheiro, que foi revertido para o projeto, eles também se dedicaram à arrecadação de roupas, brinquedos, livros infantis, itens de higiene pessoal e alimentos. A ideia surgiu de uma iniciativa da instituição chamada Jornada Sou, que incentiva os estudantes a se envolverem com projetos de cunho social.

A escolha do público alvo, do tema, das ações que seriam realizadas e da instituição parceira foram determinadas pelos estudantes. Juntos, traçaram toda a estratégia para colocar o projeto em prática. Como uma pequena empresa, dividiram-se em grupos com diversas funções (divulgação, captação de recursos, etc.) e tomaram as decisões necessárias para a iniciativa prosperar. Depois de conhecerem a entidade e entenderem um pouco mais desse universo, buscaram, junto com seus dirigentes, formas de contribuir.

Evento

Na última sexta-feira (21), ocorreu, na unidade Tamandaré, uma palestra com professores e membros da Missão Paz sobre a inclusão do imigrante e do refugiado no Brasil. A ideia do evento foi explorar esse tema com os alunos de uma forma mais aprofundada, indo além do que é mostrado em livros e noticiários.

Durante o evento, os jovens tiveram a oportunidade de aprender mais sobre o assunto e se sensibilizar com a causa, entrando em contato com uma realidade diferente, que tem ganhado notabilidade nos últimos tempos. A temática, inclusive, é bastante explorada nos vestibulares e conhecê-la de uma forma mais próxima e empática pode ser extremamente enriquecedor.

ONU condena ataque de coalizão liderada pela Arábia Saudita que matou dezenas de civis no Iêmen

em Brasil/News & Trends/ONU por

O chefe humanitário da ONU, Mark Lowcock, e a chefe do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore, condenaram o ataque aéreo na província de Hodeida, no oeste do Iêmen, que matou pelo menos 26 crianças e quatro mulheres na quinta-feira (23).

“Esta é a segunda vez em duas semanas que um ataque aéreo da coalizão liderada pelos sauditas resultou em dezenas de baixas civis”, disse Lowcock, observando que “um ataque aéreo adicional em Al Durayhimi na quinta-feira resultou na morte de quatro crianças”.

Continue lendo

Falta de serviços para atender venezuelanos em Roraima tem impacto ambiental

em Brasil/News & Trends/ONU por

Após viagem a Boa Vista, o oficial de assuntos humanitários da ONU Meio Ambiente, Daniel Stothart, alertou para as condições de vida precárias dos venezuelanos na capital. Muitos abrigos estão “superlotados, às vezes até quatro vezes mais do que sua capacidade segura”. “Eles não têm espaço ou banheiros suficientes nem estruturas de drenagem”, ressaltou o especialista em depoimento divulgado no início do mês (3).

Stothart conheceu uma venezuelana que disse se sentir “como um animal”. “Ela dormia numa tenda numa rotatória, com outras 900 pessoas. Não há serviços. O posto de gasolina mais perto cobra dois reais para usar o banheiro, um dinheiro que a maioria não pode gastar. Há uma pequena faixa de terra (na beira da estrada). Então, eles vão em duplas à noite”, conta o profissional do Programa da ONU para o Meio Ambiente.

O oficial de assuntos humanitários diz ainda que encontrou 79 pessoas morando debaixo de um coreto num parque. “As 14 famílias naquele lugar estavam ali por volta de nove a 18 meses. Eles não sabiam o que fazer ou aonde ir. Parecia que estavam aguardando. E esperando por uma mudança na Venezuela para poderem retornar.”

Continue lendo

Brasil analisa mais de 86 mil solicitações de refúgio; 10,1 mil foram concedidas

em Brasil/News & Trends/ONU por

O Brasil tem 86 mil solicitações de refúgio em trâmite atualmente, sendo que 10,1 mil já foram reconhecidas, segundo dados de 2017 divulgados na quarta-feira (11) em Brasília (DF) pelo Ministério da Justiça, na terceira edição do relatório “Refúgio em Números”.

No total, 33,8 mil pessoas solicitaram refúgio no Brasil no ano passado. Os venezuelanos responderam por mais da metade, com 17,8 mil solicitações, seguidos por cubanos (2,3 mil), haitianos (2.3 mil) e angolanos (2 mil). Os estados com mais pedidos são Roraima (15,9 mil), São Paulo (9,5 mil) e Amazonas (2,8 mil), segundo a Polícia Federal.

De acordo com o secretário nacional de Justiça e presidente do Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), Luiz Pontel de Souza, o governo trabalha com novas possibilidades para facilitar a regularização migratória dos venezuelanos.

Continue lendo

Comércio transatlântico de escravos nos alerta para perigos do racismo, diz chefe da ONU

em Mundo/News & Trends/ONU por

O comércio transatlântico de escravos “epicamente vergonhoso” foi o maior movimento forçado e legalmente sancionado de pessoas na história da humanidade. Mais de 15 milhões de homens, mulheres e crianças da África foram escravizados.

Continue lendo

Chefe da ONU pede apoio de países a agência humanitária para refugiados palestinos

em News & Trends/ONU por

O chefe da ONU, António Guterres, pediu apoio da comunidade internacional para arcar com o rombo de 446 milhões de dólares no orçamento da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA).

Crise financeira começou com a decisão do Estados Unidos em janeiro de suspender suas contribuições para o organismo, que atende a 5 milhões de palestinos na Cisjordânia, Síria, Jordânia, Líbano e Gaza.

Continue lendo

Guerra na Síria deixou 59 crianças mortas em janeiro, diz UNICEF

em News & Trends/ONU por

Em janeiro, 83 crianças e adolescentes foram mortos em meio aos confrontos armados em curso no Iraque, Líbia, Palestina, Síria e Iêmen. O conflito sírio foi o mais mortal de todos para meninos e meninas, deixando 59 menores mortos apenas no mês passado. Os números são do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), que criticou o cenário de insegurança enfrentado por jovens em países do Oriente Médio e Norte da África.

Continue lendo

Cerca de 21 milhões de pessoas vivendo com HIV estão em tratamento

em News & Trends/ONU/Saúde & Bem-estar por

O tratamento para o HIV tem registrado progressos notáveis. É o que mostra o novo relatório global divulgado pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) às vésperas do Dia Mundial contra a AIDS — 1º de dezembro.

Continue lendo

Uma em cada cinco refugiadas é vítima de violência sexual no mundo

em ONU por

No Dia Laranja Pelo Fim da Violência contra as Mulheres deste mês – 25 de junho –, a ONU alerta sobre a violência contra mulheres e meninas refugiadas. Estudos acadêmicos estimam que uma em cada cinco refugiadas – ou mulheres deslocadas em complexos contextos humanitários – tenha sofrido violência sexual, número ainda subnotificado (1).

A discriminação contra as mulheres e meninas é causa e consequência do deslocamento forçado e da apatridia. Muitas vezes, esta discriminação é agravada por outras circunstâncias, como origem étnica, deficiências físicas, religião, orientação sexual, identidade de gênero e origem social.

De acordo com os dados do relatório “Tendências Globais” do ACNUR – a Agência da ONU para Refugiados –, 49% das pessoas refugiadas eram mulheres em 2016. Aquelas que estão desacompanhadas, grávidas ou são idosas estão ainda mais vulneráveis.

Muitas dessas mulheres estão fugindo de conflitos em sua terra natal e sofreram violências extremas e violações dos direitos humanos, incluindo o assassinato e o desaparecimento de seus familiares, a violência sexual e de gênero e o acesso restrito a alimentos, água e eletricidade. Algumas foram repetidamente deslocadas ou foram exploradas ou abusadas em busca de segurança.

As mulheres refugiadas também são muitas vezes as principais cuidadoras das crianças e dos membros idosos da família, o que aprofunda ainda mais sua necessidade de proteção e apoio.

Com oportunidades econômicas limitadas, suas opções para construir meios de subsistência geralmente são limitadas ao trabalho informal de baixa remuneração, o que aumenta o risco de serem colocadas em situações precárias de trabalho.

Em todo o mundo, as mulheres refugiadas têm demonstrado uma enorme resiliência ao refazer suas vidas e a de seus familiares, levando desenvolvimento e progresso às comunidades de acolhida.

Segundo a representante do ACNUR no Brasil, Isabel Marquez, a história das mulheres e meninas refugiadas no Brasil demonstra um “grande poder de resiliência e uma imensa colaboração para o desenvolvimento de nossa sociedade”.

Para ela, o empoderamento das mulheres e meninas, assim como a igualdade de gênero e de oportunidades, são essenciais para prevenir o deslocamento forçado e promover o desenvolvimento humano sustentável.

“Precisamos garantir que as mulheres migrantes e refugiadas conheçam seus direitos, incluindo o direito a viver uma vida livre de violência. Que a Lei Maria da Penha seja cumprida para todas as mulheres, com atenção redobrada para aquelas em situação vulnerável como migrantes e refugiadas que estão chegando ao país ou que aqui já vivem há anos. As instituições têm que estar preparadas para providenciar serviços de qualidade”, destacou Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres no Brasil.

“É fundamental que haja orçamento suficiente e pessoal qualificado para a atenção das mulheres e que a saúde, a segurança pública, o Judiciário e a educação trabalhem em parceria para processar, julgar e punir casos de violência de gênero, mas também para prevenir e interromper ciclos tão recorrentes de violência dos quais as mulheres são as principais vítimas”, acrescentou Nadine.

No Brasil, de acordo com o último relatório do Comitê Nacional para Refugiados (CONARE), 32% das 10.038 solicitações de refúgio foram feitas por mulheres no ano passado.

Ao menos 10 das 169 metas da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030 incluem referências a questões diretamente relacionadas à migração internacional, aos migrantes e à mobilidade.

O ACNUR tem trabalhado intensamente na promoção da igualdade de gênero, no empoderamento das mulheres e meninas refugiadas e na prevenção da violência sexual e de gênero, desenvolvendo e implementando diversas cartilhas, políticas e estratégias.

A agência da ONU considera imprescindível garantir que todas as mulheres e meninas refugiadas tenham acesso à proteção jurídica e social, independentemente de sua nacionalidade, visões políticas, religião, raça, identidade sexual e de gênero, origem social, etnia ou qualquer outra característica intrínseca dignidade da pessoa.

Todos os Estados-membros da ONU são responsáveis por facilitar a migração segura, ordenada e regular e a mobilidade das pessoas, inclusive por meio da implementação de políticas de migração planejadas. Por fim, qualquer medida tomada para atingir o Objetivo 5 da Agenda 2030 – alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas – deve incluir mulheres e meninas refugiadas e migrantes.

Dia Laranja

Todo dia 25 do mês é um Dia Laranja pelo Fim da Violência contra as Mulheres. A data conclamada pelas Nações Unidas no marco da Campanha “UNA-SE” busca ampliar o calendário celebrado no dia 25 de novembro – Dia Internacional pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Trata-se de um dia para dar visibilidade ao tema, mobilizar o compromisso e exigir as condições para que mulheres e meninas possam viver uma vida livre de violência.

Image: ONU Mulheres

Image: ONU Mulheres

No Dia Laranja, as Nações Unidas convidam a sociedade civil, os governos e outras/os parceiros a se mobilizarem em apoio à causa.

Em 2017, o Dia Laranja adota o lema “Não deixe ninguém para trás: acabe com a violência contra as mulheres e as meninas”, que se soma aos desafios da Agenda 2030, compromisso assumido pelos Estados-membros das Nações Unidas pela promoção da igualdade e o desenvolvimento social em todos os níveis e para todas as pessoas.

Projetos e programas relevantes

A violência sexual e de gênero em conflito muitas vezes não é relatada e, portanto, não é atendida. A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) aborda o problema de forma antecipada com uma variedade de programas inovadores, escaláveis e baseados na comunidade que estão mudando a colaboração para diferentes serviços especificados.

A ONU Mulheres trabalha na Síria no campo de refugiados de Zaatat, onde realiza um programa que reúne serviços de referência e proteção para mulheres e o desenvolvimento de habilidades para a vida, como alfabetização nas línguas árabe e inglesa, aulas de informática e serviços de creche para pais que estão trabalhando.

O programa já levou a uma redução de 20% na violência doméstica entre os beneficiários e 76% afirmam uma mudança positiva nas relações intra-familiares. Conheça mais do trabalho da ONU Mulheres na Síria aqui.

O Fundo Fiduciário das Nações Unidas de Apoio a Ações pelo Fim da Violência contra as Mulheres apoia organizações dedicadas ao enfrentamento da violência contra mulheres e meninas refugiadas. Saiba mais aqui.

(1) Vu, Alexander, Atif Adam, Andrea Wirtz, Kiemanh Pham, Leonard Rubenstein, Nancy Glass, Chris Beyrer e Sonal Singh (2014) “The Prevalence of Sexual Violence among Female Refugees in Complex Humanitarian Emergencies: a Systematic Review and Meta-analysis” PLoS Currents. Public Library of Science.

1 2 3 13
Voltar p/ Capa