Estudos alertam que câncer infantil pode ser resposta genética a exposições durante vida intrauterina

em Brasil/News & Trends por

No próximo dia 16 de setembro, o médico e pesquisador australiano Terence Dwyer estará no Fórum Meio Ambiente e Câncer da Criança, que acontecerá no Centro Infantil Boldrini, em Campinas (SP), para falar sobre os resultados do estudo que lidera, globalmente, para identificar fatores de risco do câncer infantil,  intitulado Consórcio Internacional do Câncer da Criança.

O Consórcio Internacional do Câncer da Criança tem como objetivo compreender os fatores relacionados na origem do câncer da criança para, posteriormente, ter condições de trabalhar na prevenção da doença. “Apesar da incidência global de câncer em crianças e adolescentes ter aumentado de forma constante no mundo, os avanços sobre compreensão das causas envolvidas ainda são limitados, daí a necessidade de estudarmos os mecanismos molecurares que levam a essas neoplasias malignas”, explica o pesquisador Terence Dwyer.

Em sua apresentação no Fórum, o pesquisador abordará as descobertas recentes que evidenciam como as exposições ambientais ainda no útero, podem influenciar no surgimento e desenvolvimento de doenças na criança. Dados consistentes, obtidos via pesquisa prospectiva, sugerem a relação entre exposição dos pais a agentes infecciosos, químicos e pesticidas ao surgimento de diferentes tipos de câncer, principalmente leucemia e tumores cerebrais.

“Há uma janela de vulnerabilidade durante o desenvolvimento na vida intra uterina, no qual fatores e exposições maternas podem alterar o epigenoma fetal, aumentando a suscetibilidade a doenças na infância”, explica. “Trata-se de mudanças hereditárias no DNA, que não afetam sua sequência (genoma), mas podem influenciar na sua constituição, originando, inclusive, diversas doenças. Com as novas tecnologias disponíveis para pesquisa, nosso objetivo é analisar os padrões epigenéticos em tecidos com câncer e células normais, para poder identificar as alterações associadas à doença, gerando biomarcadores”, informa Dwyer.

De acordo com a Dra. Silvia Brandalise, médica e pesquisadora do Centro Infantil Boldrini, vale ressaltar que as células dos bebês são imaturas e embrionárias, altamente vulneráveis. “Então, para eles, a exposição aos fatores de risco é ainda mais prejudicial. Para se ter ideia, a exposição aos produtos químicos, como benzeno, por exemplo, pode estar ligada às malformações”.

Dwyer alerta ainda que a exposição constante dos pais em período pré-concepção, também influencia na saúde dos filhos. Um exemplo é a constante exposição dos profissionais que atuam em indústrias químicas, por exemplo, que estariam em contato frequente com substâncias que atuam como reguladores endócrinos, que interferem na atividade dos hormônios sexuais em seres humanos. Outros profissionais do sexo masculino, constantemente expostos a substâncias tóxicas, são aqueles que trabalham na área rural, em função do contato com os agrotóxicos.

“Devemos ter em mente que todos os seres vivos são constituídos por milhões de células. Dentro dessas células, se localizam os cromossomos, formados por milhares de genes. Assim sendo, o que é lesivo ao gene afeta também a função das células, podendo levar a uma série de doenças nas crianças, como deficiências imunológicas, câncer, malformações, distúrbios endócrinos, hematológicos e neurológicos. E isso desde a vida intrauterina.  O tempo e a intensidade da exposição a esses fatores de risco, e também a forma como eles são metabolizados no organismo, influenciam nesse processo. Sabe-se ainda, que a defesa do organismo é constituída pelo sistema imunológico e que o ambiente em que vivemos influencia na formação dos genes (epigenética), afetando-os. Somos aquilo que respiramos, comemos e bebemos ao longo da vida”, informa Dra. Silvia.

Em termos epidemiológicos, muito pouco se conhece sobre as neoplasias pediátricas no Brasil. No entanto, a formação de consórcios internacionais de pesquisas, como o realizado pelo Dr. Dwyer, possibilitou a geração de informações consistentes, entre as exposições ambientais e uso de medicamentos na gestação, nas diferentes etapas do desenvolvimento fetal nos níveis da biologia celular, da relação genômica-epigenética, e da evolução de clone tumoral, sendo possível estabelecer associações de riscos com potenciais agentes “associados ou relacionados” com as leucemias agudas e em alguns tumores pediátricos. A principal conquista, com isso, é que podemos ser otimistas quanto a possibilidade de estabelecer programas de redução da incidência da doença e, por que não, medidas de prevenção do câncer pediátrico.

Fórum Meio Ambiente e Câncer da Criança

No próximo dia 16 de setembro, acontece no Centro Infantil Boldrini, em Campinas (SP), o Fórum Meio Ambiente e Câncer da Criança. Na programação, quatro palestras abordarão questões relacionadas à contaminação de crianças por agrotóxicos:

8h30 – Consórcio Internacional do Câncer da Criança: um esforço mundial. Terence Dwyer (ICCC)

Para se inscrever, basta acessar https://bitt.com.br/evento/exibir/871

Sobre o Centro Infantil Boldrini

Centro Infantil Boldrini − maior hospital especializado na América Latina, localizado em Campinas, que há 41 anos atua no cuidado a crianças e adolescentes com câncer e doenças do sangue. Atualmente, o Boldrini trata cerca de 10 mil pacientes de diversas cidades brasileiras e alguns de países da América Latina, a maioria (80%) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Um dos centros mais avançados do país, o Boldrini reúne alta tecnologia em diagnóstico e tratamento clínico especializado, comparáveis ao Primeiro Mundo, disponibilidade de leitos e atendimento humanitário às crianças portadoras dessas doenças. www.boldrini.org.br

loading...

Comentários no Facebook