FAO lista cinco passos para uma alimentação segura

em Brasil/News & Trends/ONU/Saúde & Bem-estar por

Sem acesso universal a alimentos seguros, a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável não poderá ser cumprida. Estima-se que 600 milhões de pessoas adoeçam anualmente ao comer alimentos contaminados por bactérias, vírus, toxinas ou produtos químicos — dessas, 420 mil morrem.

No Dia Mundial da Segurança dos Alimentos, celebrado em 7 de junho, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) destacou o papel crucial da segurança alimentar na promoção da saúde e na erradicação da fome.

Sem acesso universal a alimentos seguros, a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável não poderá ser cumprida. Estima-se que 600 milhões de pessoas adoeçam anualmente ao comer alimentos contaminados por bactérias, vírus, toxinas ou produtos químicos — dessas, 420 mil morrem.

No Dia Mundial da Segurança dos Alimentos, celebrado em 7 de junho, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) destacou o papel crucial da segurança alimentar na promoção da saúde e na erradicação da fome.

O objetivo foi chamar a atenção e inspirar ações para ajudar a prevenir, detectar e gerenciar alimentos de risco, contribuindo assim para a segurança alimentar, a saúde humana, a prosperidade econômica, a agricultura, o acesso a mercados, o turismo e o desenvolvimento sustentável.

A FAO listou cinco maneiras de garantir a inocuidade alimentar:

1. Garantir que a comida é segura

Os governos nacionais são essenciais para garantir que a comida seja segura e nutritiva para todos. E eles têm boas razões para isso – segundo o Banco Mundial, os alimentos inseguros custam às economias de baixa e média renda cerca de 95 bilhões de dólares em produtividade perdida anualmente.

Para ajudar a diminuir esse número, os formuladores de políticas podem promover sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis, fomentando a colaboração entre saúde pública, saúde animal, agricultura e outros setores. Os países também podem cumprir os padrões internacionais estabelecidos pela Comissão do Codex Alimentarius.

2. Cultive a comida com segurança

Para garantir um suprimento suficiente de alimentos seguros em nível global e, ao mesmo tempo, minimizar seu impacto ambiental e adaptá-los às mudanças climáticas, os produtores de alimentos precisam adotar boas práticas.

À medida que os sistemas de produção de alimentos se transformam e se adaptam às mudanças de condições, os agricultores devem considerar, cuidadosamente, as formas ideais de abordar os riscos potenciais e garantir que os alimentos sejam seguros.

Integrar a saúde de plantas e animais, por exemplo, pode ajudar a desestimular a resistência antimicrobiana e reduzir o número de 700 mil pessoas em todo o mundo que morrem de infecções resistentes a antimicrobianos a cada ano.

3. Mantenha a comida segura

Para os operadores de negócios, os controles preventivos podem resolver a maioria dos problemas de inocuidade alimentar. Todos os envolvidos em operações de alimentos – do processamento ao varejo – devem garantir a conformidade com programas como o HACCP, um sistema que identifica, avalia e controla riscos significativos para a segurança dos alimentos.

Além de reduzir a possibilidade de doenças, boas práticas de processamento, armazenamento e preservação também podem reduzir as perdas pós-colheita e ajudar os alimentos a reter seu valor nutricional – além de ajudar as empresas a maximizar sua participação no comércio global de alimentos de 1,6 trilhão de dólares.

4. Verifique se a comida é segura

Os consumidores têm o poder de exigir alimentos seguros e saudáveis. Dada a complexidade da inocuidade alimentar, os consumidores precisam ter acesso a informações oportunas, claras e confiáveis ​​sobre os riscos nutricionais e de doenças associados às suas escolhas alimentares.

Os investimentos em educar os consumidores sobre segurança alimentar têm o potencial de reduzir doenças transmitidas por alimentos e gerar economias de até 10 vezes cada 1 dólar investido. Os consumidores precisam ter autonomia para fazer escolhas alimentares saudáveis ​​e apoiar sistemas alimentares sustentáveis ​​para o planeta.

5. Equipe para segurança

A segurança alimentar é uma responsabilidade compartilhada. Governos, órgãos econômicos regionais, organizações das Nações Unidas, agências de desenvolvimento, organizações comerciais, grupos de consumidores e produtores, instituições acadêmicas e de pesquisa e entidades do setor privado devem trabalhar juntos em questões que nos afetam.

A colaboração é necessária globalmente, regionalmente e localmente – em todos os setores dentro de um governo – para combater epidemias de doenças transmitidas por alimentos.

Em última análise, alimentos seguros são essenciais não apenas para melhorar a saúde e a inocuidade alimentar, mas também para a subsistência, o desenvolvimento econômico, o comércio e a reputação internacional de todos os países.

As doenças transmitidas por alimentos impedem o desenvolvimento socioeconômico, sobrecarregando os sistemas de saúde e prejudicando as economias nacionais, o turismo e o comércio.

loading...

O The São Paulo Times® traz matérias e notícias, além de identificar tendências por meio de uma equipe de jornalistas e colunistas especializados em diversos assuntos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*