-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Não é possível

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Não é possível que a casa da avó seja hoje apenas uma casa a mais, igual a todas as outras da cidade. Que o quarto seja tão menor do que aquele guardado na memória (cabiam 8 crianças, um cachorro, a guerra de travesseiro e as broncas das mães).

Que no quarteirão não haja um ipê, pitangueira, moita nascida sem querer ou qualquer outro pouso para passarinho que não seja um fio. Ou que o quebra-queixo esteja em extinção. Que alguém ache arco-íris a coisa mais normal do mundo.

Acreditar que nossas urnas eletrônicas sejam confiáveis e que o Primeiro Mundo esteja muito atrasado em não adotá-las.

Entender o motivo pelo qual um ser humano decide ser bandeirinha. Que alguém esteja vivo e não saiba quem foi Cafuringa ou Tia Harriot. Que os fósforos, óculos e guarda-chuvas tenham basicamente mantido o mesmo formato há séculos e que toda tentativa de mudá-los resultou em sonoro fracasso.

Achar que uma criança esteja entusiasmadíssima com uma aula que comece às 7 da manhã. Que alguém já tenha dado ao filho o nome de Risoleto. Que tão raras pessoas saiam de casa esquecidas de se vestir. Que exista um losango amarelo na bandeira e que o Hino Nacional não seja Tico-tico no Fubá.

Aceitar que ela não caia de amores por um sujeito sensacional como você. Que um torcedor fanático ache todas as torcidas contrárias um bandos de idiotas e que por isso merecem porrada. Sufocar os rios com lixo, os mares com lixo, computadores e despensas com lixo, não é possível.

Ver tantos pais deixarem as babás empurrarem o carrinho do bebê e assim perderem o Momento Supremo da Existência Humana. Supor que nosso Brasil se afirme sem um descomunal esforço em educação (como não é possível que você escute isso desde que nasceu e nada se resolva).

Que um homem não veja que em toda mulher mora uma divindade. Que exista pizza de carpaccio, feijoada em lata, praias particulares com guarita e quem acredite que as geladeiras sempre existiram. Que se exija o uso de gravata em Palmas do Tocantins.

Supor que o homem seja mais sábio que um gato. Que edifícios de alto padrão pulem do 12° para o 14° andar, eliminando o do meio para evitar azar. Entender como se ia para São José com pista simples e carros mequetrefes em duas horas e quarenta, e hoje, com estrada duplicada e carros potentes, continua levando duas horas e quarenta.

Que o mundo não tenha se curvado à superioridade brasileira pelo fato de aqui haver sagu, cuíca e paçoca. Que numa cidade com mais de 5 mil habitantes não haja ao menos uma, umazinha livraria. Que alguma autoridade não tenha se disposto a unificar de norte a sul as regras das peladas de rua. Que o Halley não nos apareça de 12 em 12 anos.

Que alguém com quem você falou a vida toda tenha se calado para sempre, não ligue uma vezinha só no celular, não mande um postal de três linhas, um emissário qualquer para contar, afinal, como é do outro lado e se andar em nuvens faz cócegas.

Não é possível, enfim, que alguém pense tanta bobagem. Depois quer ser levado a sério. Não é possível.

loading...
Tags:

Comentários no Facebook

Últimos de Cássio Zanatta

Escrevo porque

Escrevo para ver se aprendo. Para poder conversar com você, mesmo que

Lá vai Maria

Nenhum pio no elevador. Um breve comentário sem necessidade ecoa na garagem

Passaredo

Bem-te-vi usa máscara para cortejar no anonimato. Tucano só voa com aquele

Eis o problema

O problema não é ficar sabendo que o mundo é milhares de
Voltar p/ Capa