-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

O homem que anda de ponta-cabeça

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Deu no jornal (as notícias estranhas estão sempre a postos quando andamos desanimados para os assuntos): Dirar Abohou, um etíope de 32 anos, passa seis horas por dia, três de manhã, três à tarde, de cabeça pra baixo. Ou de ponta-cabeça, como diz a matéria, e eu que pensava que era um termo usado só na minha terra. Dizemos também plantar bananeira, e não me peçam para explicar o sentido da expressão, já que não parece haver algum: duvido que bananeiras sejam plantadas numa posição tão desconfortável.

Tampouco pensem que ele passa todo esse tempo parado, só espiando o mundo de seu ângulo particular. Não: o moço atravessa calçadas, ruas e pontes, sobe e desce escadas, escova os dentes, dança, se bobear até prepara o almoço, faz a barba e amor. Um espanto mesmo.

A matéria não esclarece se Dirar joga bola como qualquer pessoa ou se o faz de cabeça pra baixo, o que traria dificuldades para narrar seus lances: quando ele cabeceia, na verdade está chutando, já que usa os pés? E quando pimba na gorduchinha, chuta com as mãos, o que é falta merecedora de cartão amarelo? Não sei por que os repórteres não se preocuparam em esclarecer questões tão obviamente preocupantes.

Dirar começou a caminhar dessa maneira quando tinha 9 anos. A molecada começou a incentivá-lo, ele viu que ganhava a atenção e simpatia da escola, do bairro e das meninas (o que um homem não faz para chamar a atenção de uma mulher). Seu sonho é entrar para o Guinness Book of Records (não creio haver competidores). Só sua mãe nunca aprovou sua opção por um mundo onde céu é chão e chão, nuvem. “Tenho medo de que meu filho torça o pescoço ou caia pela montanha quando estiver sozinho”. Justa aflição de mãe que se preocupa com o filho, nisso as coisas não parecem estar de cabeça para baixo.

Para Dirar, toda conversa é ao pé do ouvido. Terra e mar vivem se misturando. Dificuldade é bater continência e a autoridade não achar que ele está faltando com o respeito. Dirar talvez se apaixone mais pelos dedos que pelos olhos e perceba mais as frieiras que as caspas. Ou seja: depois de ganhar todas as maratonas mundo afora, agora um etíope subverte também a pose dessa irrequieta raça humana. Taí um povo que é chegado em desafiar nosso tempo.

E neste mundo de muita confusão e pouco se entender, quem sabe Dirar seja o único ser humano a achar que ao menos seis horas por dia tudo está em seu devido lugar. Na sua inusitada visão, talvez veja sentido nas estranhezas todas e por isso insista em ficar cada vez mais nessa posição.

Veja o boleto do condomínio que me acaba de chegar, por exemplo: esse valor não tem o menor cabimento. Está alto feito o céu, golpe baixo como o chão. O Brasil está de pernas para o ar. De cabeça pra baixo. De ponta-cabeça. Plantando bananeira. Ah, sei lá, perguntem ao Dirar.

 

loading...

Comentários no Facebook

Últimos de Cássio Zanatta

Já sei!

Não me venham com essa história de que um sonho dura poucos

Sem banana

– Sua salada de frutas, senhor. – Obrigado, que mara… mas péra

Por você

Por você eu largaria os vícios, deixaria essa preguiça aperfeiçoada por décadas,
Voltar p/ Capa