-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Os dias passam

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Os dias passam para o macumbeiro, como passam para os alpinistas. Para o assassino na prisão eles passam (lentos de desanimar). Mesmo os dias intermináveis no fim conhecem a noite, chega a hora de virarem ontem e a insistência em durar perde o sentido. Ou amanhecem já com a intenção de escurecer.

Nos relógios digitais, os dias ultrapassam os da folhinha com mais determinação. Um dia para a mosca é precioso, com sorte ela irá conhecer apenas 28 dos nossos. Os dias das ampulhetas nem existem mais. Já o astronauta conta o tempo por medidas que enlouqueceriam outro homem, mas que as pedras das trincheiras das velhas batalhas, cobertas pelo mato e por ele perdoadas, entenderiam perfeitamente.
Tanto que a gente ouve que só o tempo cura. Nesse caso, os dias deveriam passar mais rápido e não é o caso. As noites de insônia vão demorar imensamente. Deve-se dar tempo ao tempo, e essa é uma lei que jamais pediu nossa opinião, impõe-se e ai de quem contradizê-la, afogado que se debate na correnteza, presa que tenta socar a bochecha do tigre.
O tempo da espera passa, mais lentamente que o do reencontro.
Os dias passam menos nos cigarros e bancos de praça. Empacam num café coado na hora. Há uma grande torcida para o dia passar dos que trabalham sem esperança. Em certas filas, o dia leva 32 horas para passar e a repartição fecha às 16. Os ponteiros dos relógios acham que estão no controle, mas só recebem ordens superiores do Tempo. Se tentam alguma rebelião, perdem-se, marcam 4 quando são 6, até que seu mecanismo seja desativado e não há esmero ou feitiço que resolva.
Os dias passam, não se aflija tanto. De nada serve levantar correndo, escovar os dentes enquanto veste as meias, maldizer o farol vermelho. Não colabore com a afobação. Até para as reticências os dias passam e talvez essa seja sua única certeza. Os dias em 1988 (testemunhas podem atestar) passaram muito mais rápido que nos anos anteriores e esse virou o padrão.
Nove mil, setecentos e vinte e dois dias se passaram desde que você viu a água da primavera descer das montanhas e correr nas pedras dos Alpes. Mas aí um dia você volta e repara que o dia é o mesmo daquele, a água canta do mesmo jeito, o sol aquece pouco tal e qual, e nem parece que tudo passou tanto.
Os dias passam. Aos poucos, aos muitos. Passam nos cabelos embranquecidos e nas peles cansadas, nas lembranças esmaecidas e nos olhos que já não se espantam. Passam nos sustos que a gente leva quando vê o tamanho dos que há pouco eram crianças. Até no sorvete que derrete mais rápido do que nossa destreza em lamber.
Acontece até de alguns dias reacontecerem – se isso não acontece mais, desistem e são guardados em gavetas pesadas de um fichário numa sala escura com uma placa de “Passado”.
E quando a gente vai ver, tem mais dia ontem que dia amanhã.

loading...
Tags:

Comentários no Facebook

Últimos de Cássio Zanatta

Sem banana

– Sua salada de frutas, senhor. – Obrigado, que mara… mas péra

Por você

Por você eu largaria os vícios, deixaria essa preguiça aperfeiçoada por décadas,

Vou morar aqui

Será preciso combinar com Beatriz, claro. Pesar as coisas, contornar os contras
Voltar p/ Capa