-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Preciso

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Preciso ir a São José. O tempo aqui é muito apressado. Se eu tivesse ido mais vezes, teria agora 42 anos, no máximo. Longe de São José a vida é atropelo.

Preciso ir porque o céu daqui quase não tem estrela e, quando a Lua cheia nasce, não acorda os galos que cantam, pensando estar nascendo o dia. Porque foi aniversário da madrinha Rosa e eu não pude ir. Porque preciso deixar flores para os meus pais e contar a eles como vão os netos e que aprendi a passar café.

Também me disseram que o rio Pardo não anda mais pardo: como tem chovido pouco, o rio fica menos turvo e de manhãzinha sobe uma neblina das águas frias. Porque os paturis continuam a cruzar o céu pouco antes do pôr do sol, mas, sem meu pai, não há quem conte quantos são em cada bando.

Sentar entre a cabana do Euclides da Cunha e a margem do rio e pensar na vida, olhando aquela vista que sempre me sussurrou os bons caminhos. Ouvir o sino da Matriz de madrugada bater as horas, para depois confirmar o toque aos que duvidaram.

Porque sempre se encontra um conhecido caminhando na rua. Verdade que isso já foi mais verdade, mas a vida insiste nas coincidências, não encontrar ninguém na rua é um erro da civilização. Porque é preciso caminhar na madrugada, chutando a lata que batuca nos paralelepípedos. Também porque os cachorros de lá são mais civilizados, convivem bem com carros, missas e solenidades, e faz muita falta a festa de um cachorro de rua.

Certos fantasmas queridos me visitam de noite. E de dia, se a gente fizer silêncio, escuta até os bordões do seu Paulo sorveteiro, que tinha razão: checolate é mais gostoso que chocolate. Se a gente fica muito tempo sem ir, começa a acreditar que minhoca só tem em desenho animado e que leite nasce da caixinha de papel.

Porque meu irmão Paulo está lá, minhas tias e tios estão lá, meus primos, assim como meu sangue, um bom tanto das solas dos pés e as coisas que sabem melhor de mim que qualquer outro canto.

Não há mais bailes no Salão da Associação. Nem o refresco de abacaxi que era anilina só. O baleiro da dona Clarinda. Nosso Trio Elétrico já não desfila. Mas ainda há o bauru que só tem em São José. As sacadas das casas e as conversas das famílias que são o propósito das sacadas das casas. O sol atrás do Cristo cegando os olhos dos motoristas. Roscas e goiabadas. E ainda se pode bater palma para silenciar o vozerio dos pardais nas árvores.

Tenho certeza de que só o nosso Redentor trará a redenção.

Com licença, vida e urgências e distrações e violências da cidade grande. Preciso ir a São José. Preciso. Porque saudade não se mata só de lembrar, por mais agradecida que seja.

 

loading...

Comentários no Facebook

Últimos de Cássio Zanatta

Escrevo porque

Escrevo para ver se aprendo. Para poder conversar com você, mesmo que

Lá vai Maria

Nenhum pio no elevador. Um breve comentário sem necessidade ecoa na garagem

Passaredo

Bem-te-vi usa máscara para cortejar no anonimato. Tucano só voa com aquele

Eis o problema

O problema não é ficar sabendo que o mundo é milhares de
Voltar p/ Capa