-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Tag archive

sedentarismo

47% dos brasileiros são sedentários: falta de tempo ainda é o principal motivo

em News & Trends/Saúde & Bem-estar/Tecnologia e Ciência por

falta de tempo ainda é o principal motivo para o sedentarismo no Brasil. E esse número só cresce.  Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) 47% da população brasileira acima dos 18 anos é sedentária, mesmo tempo, por ano, 300 mil pessoas morrem no Brasil por doenças associadas à inatividade física. E isso traz más consequências tanto para a saúde, com a probabilidade de desenvolver enfermidades como diabetes, doenças do coração e câncer; como para a qualidade de vida, refletindo em menos disposição para realizar tarefas simples, por exemplo. Tudo isso sem esquecer de como o sedentarismo pode afetar o rendimento no trabalho.

Para mudar esse padrão, não há necessidade de começar a correr de um dia para o outro, ou se matricular em uma academia. Estudos mostram que mudanças simples de hábito podem trazer grandes benefícios à saúde, se feitas com regularidade.

“A gente sabe que incorporar novos hábitos leva tempo, mas a pessoa precisa, em primeiro lugar, estar disposta à mudança. Depois ela deve estar consciente de que essa atitude não deve ser pontual, por um período determinado, mas esta deve ser uma mudança para toda a vida”, afirma Ana Claudia Pinto, médica endocrinologista e diretora de Desenvolvimento de Produtos, da Sharecare, empresa líder na combinação de saúde digital com gestão de saúde integrada.

Continue lendo

O Sedentarismo é responsável por cerca de 13% das mortes no Brasil

em Educação e Comportamento/Saúde & Bem-estar por

Dr. Rodrigo Peres dá dicas de como não fazer parte da estatística alarmante.

Atire a primeira pedra a pessoa que nunca teve preguiça por um dia, ou principalmente depois do almoço. Mas, fique atento para isso não se tornar um hábito e a partir disso ser uma pessoa sedentária. Segundo a última pesquisa feita pelo IBGE, 80% dos brasileiros são sedentários e isso é alarmante, visto que a saúde acaba sendo prejudicada.

No País, a inatividade é a causa de 8,2% dos casos de doenças cardíacas, 10,1% dos casos de diabetes tipo 2, 13,4% dos casos de câncer de mama e 14,6% dos casos de câncer de cólon. O número é um dos maiores da América Latina, onde 11,4% das mortes são causadas pelo sedentarismo.

Para o fisioterapeuta coordenador da Central da Fisioterapia, Rodrigo Peres a atual situação da população brasileira se dá por conta da evolução tecnológica. “Atualmente, os jovens são os mais afetados pelo sedentarismo, pois estão mais envolvidos com a tecnologia”.

Conforme aponta o Ministério da Saúde, 64% da população estão com excesso de peso e um grupo que também merece uma atenção especial são as mulheres, que por conta das vidas agitadas devido às jornadas de trabalho dentro e fora de casa, apareceram na pesquisa como sendo mais sedentárias que os homens.

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS) uma solução para diminuir e até mesmo acabar com o sedentarismo é a prática de pelo menos 30 minutos de exercícios físicos por dia, já que a inatividade é o quarto principal fator de risco de mortalidade em todo o mundo, perdendo apenas para diabetes, tabagismo e hipertensão.

Pensando nisso, o Dr. Rodrigo sugere que o primeiro passo para a mudança tem que ser na alimentação, com a diminuição de refeições gordurosas e o aumento de ingestão de proteínas e fibras. “Os exercícios mais indicados para se livrar da inatividade são caminhadas, ciclismo, natação, alongamentos e hidroginástica por não causarem problemas às articulações”, indica o fisioterapeuta.

Os especialistas da Central da Fisioterapia ainda alertam sobre a diferença entre a atividade física do exercício físico, isso porque, a atividade é qualquer movimento que fazemos no decorrer do dia e o exercício é basicamente quando fazemos uma ação coordenada.

“As atividades cotidianas podem, quando feitas de forma coordenada, contribuir de uma forma muito significativa para sair do sedentarismo”, finaliza o doutor.

Voltar p/ Capa