-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Tattoo do errado

em Coluna/Portrait por

Ela é divorciada, bem resolvida, moderna. Mãe que tem que dar conta sozinha, há quase dois anos, de tudo o que envolve a criação da filha (dia a dia, escola, casa, compras, educação, finanças). Sofia está prestes a completar quatro anos. O pai, seu ex-marido, além de não dar assistência alguma, mora há centenas de quilômetros e vê a menina de 15 em 15 dias. Tão ausente para a menina, mas distante o suficiente para Teresa, que não faz a menor questão da presença dele e que, se pudesse, não o veria mais nem pintado de ouro na frente.

Um dia desses, Tê conseguiu uma horinha pela manhã e saiu para retocar a tatuagem que fez com o nome da filha de quase quatro anos, na época em que a criança ainda era um bebê. Papo vem, papo vai com o tatuador, mostrou o primeiro desenho que Sofia fez da mãe: um boneco daqueles de pernas e braços de pauzinho e corpinho em uma bola, mas que parecia o “Senhor Batata” segundo ela.

“Que tal tatuarmos este desenho embaixo do nome da Sofia”, sugeriu o tatuador. Como toda mãe babona, Teresa topou na hora. Voltou para casa toda orgulhosa e feliz. Pegou a filha na escola e disse que queria mostrar uma surpresa.

“Olha, Sô, a mamãe tatuou o primeiro desenho que você fez de mim embaixo do seu nome. A menina, sendo o mais natural possível, como toda criança de sua idade, e sem perceber o estrago que causaria, replicou: “Mamãe, mas esta não é você, é o papai”!

Os olhos de Teresa se arregalaram. “Oi??? Não filha, é a mamãe! Lembra que você comentou em fevereiro, quando desenhou”?

Sofia insistiu: “Mamãe, este cabelo assim não é seu”. E finalizou o papo ali.

A partir de agora, Teresa tinha o Senhor Batata tatuado no braço para sempre. Para ela, o melhor era acreditar na versão que tinha como certa: que aquela era ela retratada pela filha pela primeira vez. Essa era a melhor forma de levar adiante aquela gravura, que ainda estava embalada em plástico, Nebacetin e microporo.

E o que o tal Senhor Batata pode nos levar a pensar?

Talvez a sermos menos impulsivos na hora de agir. Ou, sendo assim mesmo, a ressignificar as atitudes, os conceitos e os valores em nossas vidas. Não importa o que vai ou o que fica, o importante é o que isso representa para a gente.

Se a Teresa colocar na cabeça a última palavra da Sofia, terá que levar o peso da tatuagem para o resto da vida. Mas se quiser levar a brincadeira e a alegria da primeira lembrança que ela tem, que delícia. Basta olhar para o braço e verá para sempre o primeiro olhar da filha sobre ela, tão leve como uma brincadeira de criança.

Não importa ali o traçado, o comprimento do cabelo, se tem laço na gravata ou na cabeça. A mesma gravura terá para aquela mulher o valor que ela der. E isso, vem de dentro para fora. Depende só dela, de como anda sua autoestima, sua capacidade diária de ver aquilo como puder.

Certamente haverá dias em que ela se verá ali, e diante da tatoo, terá toda a ternura que encontrou no desenho da filha aos três anos de idade. Mas em dias de TPM, pode ser que o Senhor Batata cresça e apareça, dê voz masculina e distante ao desenho. Daquelas que ela gostaria de esquecer, mas não pode, por motivos óbvios. Batata ou não, ele é o progenitor.

Aí cabe a ela lembrar que este período passa, que os hormônios se acalmam e que ela é maior, muito maior do que está representado ali: ela é Teresa,  uma mulher divorciada, bem resolvida e moderna.

loading...

Camila Linberger é colunista e cronista do The São Paulo Times. Comunicadora inata e observadora do comportamento humano, se algo que passar por seus olhos afetar sua mente de forma crônica, o resultado estará aqui para você ler.

Comentários no Facebook

Últimos de Coluna

Vou morar aqui

Será preciso combinar com Beatriz, claro. Pesar as coisas, contornar os contras

Os dias passam

Os dias passam para o macumbeiro, como passam para os alpinistas. Para
Voltar p/ Capa