Dorival e Luxemburgo. Do desemprego e desconfiança para o aproveitamento de libertadores

Published

on

Dorival e Luxemburgo. Do desemprego e desconfiança para o aproveitamento de libertadores

Em quase todas as demissões de treinadores neste ano, os nomes de Dorival Junior e Vanderlei Luxemburgo eram ventilados, mas no fim ambos ficavam desempregados, afinal, o ano de 2013 não foi nada bom nem para Dorival e nem para Luxemburgo.

Com o campeonato em andamento, os clubes que demitiam seus treinadores buscavam nomes com bons trabalhos recentes e apostar em algum desses dois seria um tiro no pé. Dorival fez parte das péssimas campanhas de Vasco da Gama e Fluminense, quando ambos foram rebaixados para a série B, pelo menos dentro de campo. Luxemburgo no ano passado também teve passagem pelo “rebaixado” Fluminense depois de ter sido demitido pelo Grêmio. O cenário era de incerteza para a dupla.

O primeiro que ganhou a oportunidade foi Luxemburgo, com o Flamengo na lanterna do campeonato e sem perspectiva de melhora, a diretoria não queria mais Ney Franco e então, foi buscar o rubro negro de coração. A desconfiança logo foi superada graças as seis vitórias nas sete primeiras partidas com Luxemburgo no comando. Subiu da última posição na 11° rodada para a nona posição na 18° rodada e daí em diante nada de zona do rebaixamento, e atualmente, o clube passeia pelas posições intermediárias da tabela.

Dorival Junior foi contratado pelo Palmeiras na 19° rodada, começou cambaleando e chegou também a lanterna da competição. Quando tudo parecia perdido, na derrota por 6 a zero para o Goias, uma excelente sequência no campeonato deu tranquilidade momentânea para a equipe. Depois de quatro vitórias em cinco jogos, o Palmeiras já ocupa a 12° colocação no torneio, abrindo quatro pontos de vantagem para o primeiro da zona de rebaixamento.

Levando em consideração apenas as rodadas em que Luxemburgo e Dorival trabalharam, Flamengo e Palmeiras teriam aproveitamento para brigar, pelo menos, pela vaga na libertadores de 2015. Luxemburgo com 54.9% de aproveitamento estaria na briga com o quinto colocado Grêmio, que hoje tem aproveitamento de 54.9%. No Palmeiras, com o aproveitamento apenas de Dorival Junior, a situação é ainda melhor, com 56.6% dos pontos conquistados, o clube alviverde ficaria a frente do Atlético Mineiro que hoje possui 56% de aproveitamento na quarta colocação.

Alguns torcedores devem lamentar a escolha tardia dos treinadores, mas todos devem estar contentes e aliviados até aqui. Para ambos que visitaram a última colocação do campeonato, não cair já é um titulo. E considerando o futebol brasileiro, quem garante que Luxemburgo e Dorival estariam ainda empregados se estivessem no Flamengo e no Palmeiras desde o início?

__________________________________________________________________________________________________________
Allan Moran. Pós graduado em gestão e marketing em entidades esportivas. Complementou o mesmo curso na Universidad Europea de Madrid e é sócio da Trivela Sports. ©2014.

Trending

Sair da versão mobile