Connect with us

Entenda por que ratos de laboratório suprimem a dor quando são manipulados por pesquisadores

Published

on

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

Um estudo constatou que ratos de laboratório ficam estressados quando são manipulados por pesquisadores do sexo masculino, a ponto de gerar implicações para outra pesquisa científica.

Esse experimento indica que os ratos de laboratório recebem estímulos dolorosos na presença de homens, mas sentem menos dor quando uma mulher está presente.

Os roedores receberam estímulos de dor através de injeções de antiinflamatórios em dois de seus tornozelos e suas reações foram medidas na presença de homens, mulheres e também sozinhos.

Quando um homem estava sentado cerca de meio metro longe deles – enquanto a injeção era administrada –, eles demonstraram sentir 36 por cento menos dor do que quando ninguém ou uma mulher estava lá.

“A solução é marcar, no relatório, o sexo do experimentador na seção de métodos”, diz o coautor da pesquisa, Jeffrey S. Mogil, do Departamento de Psicologia da McGill University Alan Edwards, que atua no Centro de Pesquisas sobre dor. “Induzir dor nos roedores de laboratório faz parte do trabalho de investigação da dor”, explica o Dr. Jeffrey.

Advertisement

“Somos um laboratório de pesquisa da dor. Não se pode estudá-la sem causar dor. O procedimento é feito de acordo com os padrões éticos aceitos, ou seja, não fazemos nada diferente de qualquer outro laboratório no mundo. Temos que tentar ajudar as centenas de milhões de pessoas no mundo que vivem com dor crônica dia após dia, por vezes durante décadas”, conclui o Dr. Jeffrey Mogil.

Pesquisadores têm investigado o fenômeno de supressão de dor – processo conhecido como “analgesia induzida pelo estresse” – em camundongos expostos a estímulos estressantes ou dolorosos nos últimos 35 anos.

© IBTimes, 2014.

Advertisement

Continue Reading
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Copyright © 2023 The São Paulo Times