Fim da dependência do banheiro. Dicas para controlar a incontinência urinária

Published

on

Foto: Wikimedia

Veja abaixo nove dicas sobre incontinência urinária, prevenção e os tratamentos.

Desde que foi aprovado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS – e incluído nos procedimentos aprovados pelos planos de saúde, em janeiro deste ano – uma tecnologia que controla a urina em homens com incontinência tem mudado a vida de brasileiros, que até então não podiam realizar tarefas simples, como ir ao cinema, viajar, participar de uma reunião ou qualquer atividade que não fosse próxima a um banheiro. Estudos mostram que a incontinência urinária é uma das condições mais degradantes para o homem – até mais que a disfunção erétil – já que – além de dificultar a vida sexual – também prejudica a convivência social.

A incontinência urinária em homens está relacionada à retirada da próstata após câncer – que pode afetar o funcionamento do esfíncter. “Cerca de 5 a 10% dos pacientes que retiraram totalmente a próstata sofrem com incontinência urinária após um ano de cirurgia. Sem tratamento acessível, isso significa conviver o resto da vida usando fraldas, com enormes consequências para qualidade de vida e autoestima”, explica o urologista Carlos Sacomani – da Clínica Uro Care – que ministra treinamento em São Paulo entre os dias 8 e 9 de agosto sobre a cirurgia de esfíncter urinário artificial. O tratamento é uma prótese que substitui o mecanismo natural de continência, considerado padrão ouro da medicina. Até então, para ter direito à cirurgia – única eficaz nos casos graves – era preciso recorrer à justiça.

Veja abaixo nove dicas sobre incontinência urinária em homens, prevenção e tratamento:

1 – A incontinência urinária é mais comum em mulheres. Nos homens, está relacionada à prostatectomia radical – retirada da próstata após câncer.

2
– A perda involuntária de urina se deve ao mau funcionamento do esfíncter – músculo em formato de anel que controla o ato de urinar e, por ser muito próximo da glândula – pode ser prejudicado após o procedimento.

3
– De 5 a 10% dos homens que retiraram a próstata vão apresentar incontinência urinária de forma crônica.

4
– A incontinência urinária em homens não está relacionada apenas à idade. Homens de todas as idades podem apresentar a condição após a cirurgia de retirada da próstata.

5
– Até um ano após a cirurgia, alguma perda de urina é considerada normal. Após este prazo, o paciente deve procurar ajudar médica.

6
– Estudos mostram que a incontinência urinária é uma das condições mais impactantes na qualidade de vida. Um homem que, aos 50 anos, por exemplo, ficou incontinente após câncer de próstata, pode passar grande parte da vida utilizando fraldas, situação que causa uma série de problemas e, de acordo com estudos, está associada a casos de depressão e estresse crônico.

7
– Nos casos leves e moderados, o tratamento é feito com slings – malhas cirúrgicas que funcionam como um suporte reforçando a sustentação da uretra – e injeções endoscópicas.?

8
– Nos casos graves, o tratamento recomendado é a colocada de uma prótese, chamada de esfíncter urinário artificial, incluído este ano no rol da ANS.

Advertisement

9 – O esfíncter urinário artificial é composto por um anel de silicone que envolve a uretra do homem e é acionado por uma bombinha hidráulica, localizada dentro do saco escrotal, totalmente contida no corpo e imperceptível. Quando o homem sente vontade urinar, ele aciona a bombinha. No restante do tempo, o esfíncter permanece fechado, tornando possível levar uma vida normal.

Trending

Sair da versão mobile