Connect with us

Inovação pode promover mudanças para crianças menos favorecidas

Published

on

Foto: UNICEF/UNI161865/HOLT

Foto: UNICEF/UNI161865/HOLT

Medidas urgentes são necessárias para evitar que milhões de crianças sejam privadas dos benefícios gerados por inovações, afirma o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em relatório global lançado no 25oaniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança. De acordo com a agência da ONU, conectividade e colaboração podem impulsionar novas redes globais, com o objetivo de alavancar inovações para alcançar todas as crianças.

O relatório “Situação Mundial da Infância 2015 – Reimagine o futuro: Inovação para cada criança” conclama governos, profissionais do desenvolvimento, empresas, ativistas e comunidades a trabalhar em conjunto para estimular novas ideias que possam solucionar alguns dos problemas mais prementes enfrentados pelas crianças – e encontrar novas formas de dimensionar as melhores inovações, e as mais promissoras em termos locais.

O relatório “Situação Mundial da Infância 2015”, totalmente digital, inclui conteúdo interativo multimídia que convida os leitores a compartilhar suas próprias ideias e inovações, destacando inovações notáveis que já vêm melhorando a vida das pessoas em grande número de países.

“A desigualdade é tão antiga quanto a humanidade, mas a inovação também é – e é a inovação que vem sempre impulsionando os progressos da humanidade”, afirma Anthony Lake, diretor executivo do UNICEF. “Em nosso mundo cada vez mais conectado, soluções locais podem causar impacto global – beneficiando crianças em todos os países que ainda enfrentam diariamente desigualdade e injustiça.”

“Para que inovações beneficiem todas as crianças, precisamos ser mais inovadores – repensando como fomentar e estimular novas ideias para solucionar nossos problemas mais antigos”, diz Lake. “As melhores soluções para nossos desafios mais difíceis não virão exclusivamente de cima para baixo. Virão de novas redes de resolução de problemas e de comunidades de inovação, atravessando fronteiras e setores para chegar aos mais difíceis de alcançar – e virão de jovens, de adolescentes e das próprias crianças.”

Advertisement

Em 1989, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a Convenção sobre os Direitos da Criança. Desde então, grandes progressos têm sido realizados na promoção dos direitos da criança – reduzindo drasticamente o número de crianças que morrem antes de completar 5 anos de idade e ampliando o acesso a educação e a água limpa.

Direitos de milhões de crianças são violados todos os dias

Segundo alertou o UNICEF, as crianças pertencentes à parcela dos 20% mais pobres do mundo têm probabilidade duas vezes maior de morrer antes de seu quinto aniversário do que as crianças que fazem parte dos 20% mais ricos.

Nos países menos desenvolvidos, cerca de uma em cada quatro crianças está engajada em trabalho infantil. Milhões de crianças sofrem regularmente discriminação, violência física e sexual, assim como abusos e negligência.

Esta edição do principal relatório do UNICEF argumenta que inovações – como sais de reidratação oral ou alimentos terapêuticos prontos para consumo – ajudaram a impulsionar mudanças radicais na vida de milhões de crianças ao longo dos últimos 25 anos, e que outros produtos, processos e parcerias inovadores são essenciais para a concretização dos direitos das crianças mais difíceis de alcançar.

Advertisement

Exemplos brasileiros

O UNICEF vem priorizando inovações por meio de sua rede composta por mais de 190 países, criando centros de interesse em todas as partes do mundo, incluindo Afeganistão, Chile, Kosovo, Uganda e Zâmbia, para fomentar novas formas de pensar, trabalhar e colaborar com parceiros e para estimulando talentos locais.

Em seu artigo no relatório “Situação Mundial da Infância”, a vice-diretora executiva do UNICEF, Yoka Brandt, cita o aplicativo para smartphones e tablets “Proteja Brasil” como um bom exemplo das inovações que vêm aumentando a conscientização da sociedade em relação ao enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes.

Outra inovação do Brasil apresentada no relatório do UNICEF é o trabalho com a plataforma Vojo, que vem beneficiando comunidades mais vulneráveis, como os quilombolas da Ilha da Maré, na Bahia.

O cofundador do Instituto Mídia Étnica, Paulo Rogério Nunes, explica em seu artigo como essa plataforma de código aberto está ajudando muito adolescentes e jovens que não têm acesso a computadores, smartphones ou tablets a atuar como jornalistas cidadãos, aumentando sua visibilidade e ampliando sua voz.

Advertisement

Além do aplicativo Proteja Brasil e da plataforma Vojo – apresentados no relatório Situação Mundial da Infância 2015 –, outras iniciativas inovadoras vêm ajudando a transformar a vida de crianças e adolescentes no País.

Desde 2011, o Mapeamento Digital de Riscos Socioambientais Liderado por Adolescentes e Jovens oferece uma oportunidade para que meninas e meninos conheçam melhor o ambiente em que vivem.

A tecnologia, desenvolvida pelo PublicLab em parceria com o UNICEF, consiste em utilizar um aplicativo de celular que permite registrar fotos georreferenciadas. Para registrar fotos aéreas do bairro, os adolescentes e jovens usam câmeras fotográficas acopladas em uma pipa criada para essa finalidade.

Thainara Ribeiro, de 15 anos, participou da oficina do Mapeamento Digital em Manaus, em outubro deste ano, e se empolgou com a ideia de poder mudar muitas coisas em sua comunidade. “Aprendi que, sim, nós os adolescentes podemos ser a grande diferença na nossa sociedade com ideias inovadoras podemos construir um mundo melhor”, disse a jovem.

O resumo executivo do relatório Situação Mundial da Infância 2015 está disponível em português na biblioteca virtual do UNICEF no Brasil.

Advertisement

Para acessar o relatório na íntegra (disponível em inglês): http://sowc2015.unicef.org

Fonte: onu.org.br

Continue Reading
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Copyright © 2023 The São Paulo Times