Poesias para sexta-feira

Published

on

Agora o The São Paulo Times conta com uma coluna dedicada a poesias chamada “Poética Urbana”.
Ela será publicada toda sexta-feira. Para colaborar envie sua poesia para poesias@saopaulotimes.com.br.

Do preconceito de Levy
(Marcelo Adifa)

Nega-se tanto aquilo
Que se deseja esconder
Esconde-se por baixo
Do pano o sentido da vida
Até o bem querer

Quem muito desdenha
Tem inveja de quem se
Revela, ciúmes da coragem
Que cala em sua própria
Existência,
nega-se para
proteger o silêncio em que
desnuda-se aquilo que quer
esconder

Advertisement

Quando porém, negação vira ódio
O preconceito é doença, o olhar
Desfocado não merece respeito

Nega-se aquilo
que teme descobrir
Ao olhar-se no espelho

—-

Menino do Panfleto
(Marcelo Adifa)

Estende a mão o menino
Panfleto, candidato sorriso
Prometendo lutar por mim
Como se eu não soubesse
O que fazer ou precisasse
De alguém

Advertisement

Pergunto se já comeu,
Diz que não, a van não
Passou, ganha uma marmita
E dez reais por dia pra carregar
quinze quilos de panfletos
e deixar nas casas,

não pode jogar no bueiro
Que tem sempre alguém de olho
Não pode descansar na praça
Pois sempre alguém o espanta
Não pode ir embora pra casa
Pois nessas horas o viaduto
É dos carros

E o candidato, do sorriso
Sindicalista, petista
ainda tem coragem
de falar que
Vai lutar por mim

—-

A reinvenção do verbo
(Marcelo Adifa)

Advertisement

Reinvento pelo verbo
O delírio, o prazer da
Carne em companhia,
Palavra que se toma
Por crível condutora
Das ações do dia-a-dia

Reconheço via vento
O seu cheiro entre as
Flores que abrem-se
Em setembro, vejo
Em seus olhos estrelas
Que se querem poesia

Reinvento a escrita
O suplicio, os caminhos
Repasso papeis e contextos
Reciclo da lua o brilho

Dou um passo
Sento e escrevo
A poesia tem início

—-

Advertisement

Estrela da noite
(Marcelo Adifa)

Deu-se que na noite
Em que você chegou
a janela estava
Fechada,

nada vale
A luz que irradia,
Se minha alma
Adormece

—-

Eclipse
(Marcelo Adifa)

Advertisement

Encontro como que por acaso
Teu sorriso cruzando a esquina
Porém, por mais que eu corra,
Sempre se distancia antes
que a abrace

distante, até que em eclipse
a face da lua se enlace
no sol que ofereço

—-

Por trás das portas
(Marcelo Adifa)

Entre portas mistérios se assentam
Finos fragmentos de memórias ou
Filamentos esparsos tapete abaixo
Para além da soleira tempo incerto

Advertisement

Os pés limpos sobre o capacho,
A alma encardida é um relicário
Onde os pecados são guardados

e o quarto véspera da consciência
ilumina-se com as vestes rasgadas,
sem máscaras o homem é sonho

Marcelo Adifa, Consultor de Empresas, Engenheiro e Poeta Paulista. 

__________________________________________________________________________________________________________
Poética Urbana. © 2014.

Advertisement

Trending

Sair da versão mobile