fbpx
Tuesday, October 20, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


30,6 milhões de brasileiros estão na faixa etária de risco de desenvolvimento do câncer de próstata

Brasileiros a partir dos 50 anos devem ficar atentos à prevenção do câncer de próstata. A população masculina entre 50 e…

By Redação , in Brasil Saúde & Bem-estar , at 14/11/2014

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Brasileiros a partir dos 50 anos devem ficar atentos à prevenção do câncer de próstata. A população masculina entre 50 e 70 anos já chega a 30,6 milhões, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), e estes homens se enquadram no grupo de risco a desenvolver os 69 mil casos da doença estimados até o final de 2014 pelo último relatório do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

A pesquisa recente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), em parceria com a Bayer, mostrou que 51% dos homens não tem o hábito de consultar um urologista com regularidade e 20% afirma que, entre os problemas de saúde, o câncer é o que mais preocupa. Diferente do que acontece com as mulheres, mais assíduas no consultório médico, para eles, realizar um check up completo é uma desconstrução de um universo de mitos, medos e preconceitos que sempre tiveram como referência. O câncer de próstata é hoje o tipo de câncer mais prevalente entre os homens. Só em 2011 foram mais de 13 mil mortes registradas em virtude da doença, segundo o INCA.

O chefe da Oncologia Clínica do Centro Oncológico Antonio Ermírio de Moraes – Beneficência Portuguesa, Dr. Fernando Maluf, destaca que já houve um grande avanço sobre a conscientização, mas ainda é preciso expor o tema com naturalidade para que eles adotem uma rotina de prevenção livre de tabus. “A expressão “homem com H” é muito comum quando alguém deseja reforçar o nível máximo de masculinidade, no entanto, nos últimos anos o que representa um homem de verdade é aquele que se cuida sem preconceitos”, alerta o especialista.

Segundo o médico, o exame de toque retal é fundamental para definir se existe ou não alguma alteração na próstata e possa indicar o tratamento adequado.  O PSA (antígeno prostático específico, na sigla em inglês) é uma análise complementar e não é suficiente para um diagnóstico exato.  “Além da realização do exame, manter uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas são as melhores formas de prevenir o câncer de próstata e a prevenção é sempre o caminho recomendado”, completa Dr. Maluf.

Dos 69 mil casos estimados pelo INCA, a região Sudeste lidera com 36 mil ocorrências.  No Sul e no Nordeste estimam-se mais de 12 mil vítimas em cada região, no Centro-Oeste acima de 4 mil e no Norte  2 mil casos. Um dos principais fatores de risco é a idade e, para 2015, é esperado que o número de ocorrências aumente 60% devido ao crescimento da expectativa de vida. Os especialistas reforçam que o quanto antes o paciente for diagnosticado, maior será a chance de cura e a retomada de uma vida tranquila.

Próstata: pequena em tamanho e grande em importância

Trata-se de uma glândula exclusiva do sistema genital masculino, localizada abaixo da bexiga. Ela tem a função de produzir substâncias que vão ajudar a tornar o sêmen mais fluido, facilitando o deslocamento dos espermatozoides. Em estágio inicial do câncer, a próstata geralmente não apresenta sintomas e, em fase avançada, ela aumenta de tamanho e pode causar dificuldade ao urinar, apresentar sangue ao expelir a urina e sensação de não conseguir esvaziar totalmente a bexiga.

Diagnóstico e tratamento

Para detectar doença é necessário a realização do exame de PSA e o toque retal. A avaliação sanguínea tem a finalidade de identificar a quantidade do PSA (Antígeno prostático específico), proteína produzida pela próstata, cujo aumento indica anormalidade.  No entanto, em alguns casos é possível existir alterações sem que o exame as detecte. Por este motivo, o toque retal é fundamental para que o especialista se certifique de que a saúde da próstata está em ordem. Com duração de apenas 15 segundos, o toque ainda é temido e considerado o principal motivo pelo qual os homens não procuram o especialista.

Apesar da grande preocupação masculina em desenvolver doenças que possam afetar sua vida sexual – 28% deles consideram a impotência mais preocupante do que o desemprego (25%), segundo a pesquisa da SBU em parceria com a Bayer – a falta de conhecimento e, principalmente, o preconceito, fazem com que muitos deles negligenciem a própria saúde e não se submetam a uma rotina de consultas e exames.

Hoje, diversas terapias estão disponíveis e dentre elas destaca-se o Xofigo® (Cloreto de Rádio 223 Ra) para o tratamento de pacientes com câncer de próstata resistente à castração (CPRC), metástases ósseas sintomáticas e doenças metastáticas viscerais desconhecidas. Este é o primeiro agente terapêutico emissor de partículas radioativas alfa aprovado pela agência regulatória norte-americana Food and Drug Administration (FDA), que demonstrou aumentar a sobrevida global (SG) e postergar, ao longo do tempo, os primeiros sintomas de metástase óssea quando comparado ao placebo, conforme demonstrado no ensaio clínico principal de Fase III ALSYMPCA.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *