fbpx
Friday, May 29, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


8 histórias ao redor do mundo que reforçam a presença feminina na área de tecnologia

Em um mundo em que, frequentemente, homens dominam áreas como ciência, tecnologia, engenharia e matemática, a presença de mulheres ainda…

By Redação , in Negócios News & Trends Tecnologia e Ciência , at 08/03/2017 Tags:

Em um mundo em que, frequentemente, homens dominam áreas como ciência, tecnologia, engenharia e matemática, a presença de mulheres ainda causa um certo “espanto”. Por isso, a Mozilla, desenvolvedora do navegador Firefox, traz, no Dia Internacional das Mulheres, um breve resumo das histórias de mulheres ao redor do mundo que fazem a diferença no campo da tecnologia e que mostram que essas áreas podem ser muito bem dividias entre homens e mulheres. Confira:

Andressa Martins, Narrira Lemos e Luciana Silva
o    Fundadoras da ONG Mulheres na Tecnologia, organização brasileira sem fins lucrativos que visa aumentar a participação feminina na área de Tecnologia da informação.  Realizam encontros nacionais a fim de colaborar para o reconhecimento do potencial feminino na área.

Camila Achutti
o    A paulistana de apenas 22 anos foi a única mulher a se formar na sua turma de Ciência de Computação da USP. Ao perceber a pouca presença das mulheres na área, resolveu criar o blog Mulheres na Computação para compartilhar suas dificuldades, que virou referência para dezenas de meninas. Camila foi escolhida para participar de um estágio de três meses na sede do Google, na Califórnia, e hoje é diretora do Technovation Challenge Brasil, um programa global de incentivo à participação feminina na área de tecnologia e ao empreendedorismo das mulheres.

Ann Hardy 
o    Conhecida como inovadora no campo da computação compartilhada, baseada em rede, que mais tarde se tornou a base para a Internet. Seu início na área não foi fácil, uma vez que os pais a viam como um “fracasso” e na faculdade sofreu preconceito por ser mulher e querer ter aulas de Química.

Kim Wilkens 
o    Fundadora da Tech-Girls, uma organização sem fins lucrativos que incentiva o interesse das meninas em campos STEM. É apaixonada por transformar usuários em criadores de tecnologia, colaboradores e ativistas, por isso, é presença garantida no Mozfest, evento organizado pela Mozilla que tem como objetivo promover a livre circulação de conhecimento.

Janet Shufor Fofang 
o    Janet ensina engenharia elétrica por mais de 15 anos na Faculdade D’enseignement Technique Industriel et Commercial. Ela estabeleceu uma escola privada K-12, um modelo educacional que oferece educação de qualidade através do uso da tecnologia. Em 2007, ajudou a fundar a Girls in Tech (GIT), uma organização global sem fins lucrativos focada no envolvimento, educação e capacitação de meninas e mulheres que são apaixonadas por tecnologia. Em 2014, ela iniciou projetos “STEM box” e “STEM Your School” para aumentar o número de mulheres em tecnologia em Camarões.

Kiran Mazumdar Shaw
o    Kiran Mazumdar-Shaw é uma empresária indiana que, atualmente, é Diretora geral e Presidente da Biocon, a maior empresa de Biotecnologia da Índia. A Fundação Biocon é uma organização filantrópica que realiza programas ambientais e de saúde para ajudar as partes mais fracas da sociedade. Em 2007, ela também criou um centro de tratamento do câncer em Bangalore.

Sisi Wei 
o    Pesquisadora e desenvolvedora de jogos para jornalismo. É jornalista investigativa, designer e desenvolvedora da ProPublica, onde cria histórias interativas que servem ao interesse público. Ela atuou como professora adjunta na New York University, The New School e CUNY, e também é co-fundadora da Code with me, uma oficina de alto impacto, sem fins lucrativos, que ensina aos jornalistas a codificar.

Tara Chklovski 
o    Tara fundou Iridescent em 2006 para criar e entregar uma poderosa ciência, engenharia e educação tecnológica que capacite os jovens pouco representados. Iridescent cresceu desde então para uma comunidade de mais de 3.500 mentores e mais de 63.000 participantes em todo o mundo através de seus programas emblemáticos Technovation e Curiosity Machine. Forbes destacou Tara em 2016 como “a pioneira na capacitação de meninas para a tecnologia do futuro” e ela foi destaque no documentário premiado Codegirl.

Atualmente, a presença feminina nessas áreas têm ganhado força à medida que, cada vez mais cedo, crianças têm se sentido à vontade para mexerem e estarem conectados na Internet. O Internet Health Report, iniciativa da Mozilla que tem como objetivo explicar o que está acontecendo com a internet e inspirar ações mundiais para uma internet mais saudável, traz a história de Lauren (11 anos), que lançou recentemente sua própria empresa de robótica, e Latasia (12 anos), que criou uma página na web a fim de reduzir a violência contra as mulheres indígenas no Canadá. Além disso, ambas são alunas da Ladies Learning Code, uma organização canadense que visa aumentar e encorajar a presença das mulheres no campo da Internet.

Para a Mozilla, a inspiração não vem só de fora, como também de dentro da empresa. Mitchell Baker, Executive Chairwoman da Mozilla Foundation e da Mozilla Corporation, coordena o desenvolvimento de aplicativos de código aberto da Mozilla para a Internet, incluindo o navegador Mozilla Firefox. Em 2012, Baker foi colocada no Internet Hall of Fame pela Internet Society, prêmio que reconhece as pessoas que fizeram contribuições significativas para o desenvolvimento e avanço da Internet. “Estou particularmente focada no papel que a Internet pode desempenhar na melhoria das vidas e oportunidades das mulheres, meninas e das suas famílias. Na Mozilla, temos uma série de iniciativas que estão ajudando na capacitação de mulheres, tanto na América Latina, Estados Unidos, e em todo o mundo. Uma dessas iniciativas, chamada WoMoz, busca unir mulheres com interesse em projetos de código aberto, e tem uma forte presença latino-americana. Estamos orgulhosos de apoiar iniciativas como esta e pensamos que elas são essenciais se realmente queremos ajudar as mulheres a atingirem todo o seu potencial.”

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *