fbpx
Wednesday, August 5, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


A questão dos Refugiados – Dia Mundial do Refugiado

No dia 26/06 é celebrado em todo mundo o dia mundial do refugiado, sendo um momento oportuno para refletir sobre…

By Redação , in Brasil Mundo News & Trends The São Paulo Times , at 20/06/2016

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

No dia 26/06 é celebrado em todo mundo o dia mundial do refugiado, sendo um momento oportuno para refletir sobre essa questão humanitária que aflige milhões de pessoas. Um refugiado, de acordo com os organismos da ONU, é qualquer pessoa que foi obrigada a deixar o seu país por termo a perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, por suas opiniões políticas ou por pertencer a um determinado grupo social. No mundo todo, cerca de 20 milhões são refugiados que cruzaram uma fronteira internacional em busca de proteção e há, ainda, 40 milhões de deslocados em seus países buscando refúgio.

O Brasil sempre acolheu refugiados com o amparo da Constituição Brasileira que tem dispositivo que trata da concessão de asilo. Nos últimos anos tem aumentado a vinda de refugiados. Dados do Comitê Nacional de Refugiados (CONARE) indicam que a solicitação de asilo passou de 996 em 2010 para 28.670 em 2015. É um processo burocrático, moroso, e trata-se de um número baixo de perseguidos que poderíamos acolher.
Para o professor de gestão ambiental e política e planejamento governamentais da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas, Reinaldo Dias, “temos, com urgência, de adotar uma postura mais proativa na crise de refugiados sírios que estão sendo impedidos de entrar na Europa em decorrência do aumento da xenofobia doentia que lembra as políticas fascistas de exclusão social e que tem encontrado eco no crescimento dos partidos de extrema direita nos países europeus”, afirma o especialista.
O princípio básico de acolhimento de refugiados é a solidariedade humanitária. Trata-se de receber seres humanos, muitas mulheres e crianças, sem lugar para viver, sem perspectiva de vida. “Não basta se sensibilizar com as imagens na televisão vendo crianças sendo tratadas de forma desumana. Há necessidade de ação. Pressionar o governo brasileiro para que acelere o processo de recolhimento de refugiados e amplie o número dos que podem ser recebidos, particularmente, no atual momento de sírios, já é uma atitude que pode resultar no salvamento de milhares de vidas”, conclui o docente.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *