Animais de pasto melhoram a biodiversidade

em News & Trends por

A área verde ocupa mais de um quarto da área terrestre do planeta, espalhado ao longo de seis continentes. Como os ecossistemas biodiversos, eles suportam o crescimento de várias plantas e animais indígenas. Mas, infelizmente, o uso excessivo de fertilizantes nas últimas décadas têm acelerado o declínio ecológico ao longo das paisagens únicas. Agora, uma equipe de cientistas apareceu com uma solução para conservar e proteger a biodiversidade dos campos: permitir que os animais que ficam pastando comam o mato.

Mais de 50 cientistas que estudam pastagens em todo o mundo, conhecido como a Rede de nutrientes ( NutNet ) realizou um estudo comparativo de cinco anos sobre as pastagens, e veio com a solução. O estudo, que será publicado na revista Nature, foi realizado em 40 locais diferentes ao redor do mundo. “Este estudo tem enorme importância porque as atividades humanas estão mudando as pastagens em todos os lugares”, disse o co-autor Daniel S. Gruner, professor de entomologia da Universidade de Maryland, em um comunicado. “Temos uma experiência para passar ao mundo, mas é completamente descontrolada”.

Os campos são pontilhados com um número de plantas nativas, no entanto, as atividades humanas, como a queima de combustíveis fósseis, acrescentando fertilizantes, e estrume adicionando nitrogênio extra e outros nutrientes no solo das pastagens. Este excesso de nutrientes levou certas gramíneas a crescerem mais rápidas do que outras. Além desses fatores, os pastos ao redor do mundo também estão sendo convertidos em pastagens para animais domésticos, que começaram a superar outros herbívoros selvagens, como alces e antílopes.

Permitir que os herbívoros comam a grama, revertendo, assim, os efeitos do excesso de adubação, já havia sido teorizado, mas nunca colocado em prática. Para testar a teoria, os cientistas da NutNet criaram quatro parcelas de ensaio em cada um dos 40 locais. O primeiro lote de teste foi cercado, para evitar os animais de pastoreio. O segundo foi pulverizado com fertilizantes para replicar práticas agrícolas atual – uso de fertilizantes – com animais que estão sendo autorizados a pastar. A terceira parcela foi cercada e fertilizada  e o último foi isolado.

Os pesquisadores descobriram que as parcelas adubadas que não têm animais de pasto tinham uma menor diversidade de plantas, enquanto parcelas adubadas com animais de pasto mostraram um aumento na diversidade de plantas. A melhoria foi observada em parcelas onde os animais de grande porte, silvestres e domésticos foram autorizados a pastar, como gados, alces, cavalos, ovelhas e cabras. Já em locais onde apenas pequenos animais pastaram como coelhos e ratazanas não melhoram muito.

Com estes resultados, os pesquisadores comprovaram que os animais de pastagem melhoram a biodiversidade, aumentando a quantidade de luz que chega ao solo. “Onde nós vemos uma mudança na luz, vemos uma mudança na diversidade”, disse a principal autora do estudo Elizabeth Borer, da Universidade de Minnesota, em um comunicado. “Nosso trabalho sugere dois fatores para os seres humanos mudaram globalmente, pastagem e adubação podem controlar a luz do nível do solo. Luz parece ser muito importante na manutenção ou perda de biodiversidade em pastagens” .

© 2014, Newsweek

loading...

O The São Paulo Times® traz matérias e notícias, além de identificar tendências por meio de uma equipe de jornalistas e colunistas especializados em diversos assuntos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*