Apneia do Sono: 30% da população adulta tem e não sabe

em Brasil/News & Trends/Saúde & Bem-estar por

Cerca de 4,9% das queixas de insônia tem como principal causa, a má
qualidade do sono, que está diretamente ligada a acidentes de trânsito
e do trabalho

De acordo com dados do Ministério da Saúde, 50% da população
brasileira reclama de má qualidade do sono e 30% da população adulta
sofre de apneia do sono, um distúrbio, potencialmente sério, quando
uma pessoa deixa de respirar, por alguns segundos, no decorrer da noite.

Muitos desconhecem ter o problema, que pode se tornar sério e que,
portanto, não deve ser negligenciado. Segundo o Dr. Sylvio Vivone,
especialista em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial, quem sofre de
apneia tem a sensação de não ter um sono reparador. “Acordam cansadas
e costumam ter dor de cabeça pela manhã, baixo rendimento, boca seca,
perda de concentração e memória, se irritam facilmente, além de
sentirem mais sono, ao longo do dia” explica.

“O ronco é um sinal habitual das pessoas que sofrem desse distúrbio
mas, nem todo mundo que ronca tem apneia”, diz o especialista.

DIAGNÓSTICO DE APNEIA
O distúrbio é identificado por meio da polissonografia, exame que
registra o fluxo aéreo nasal e oral, o esforço respiratório, a
saturação de oxigênio, entre outros. A SAOS (síndrome apneia
obstrutiva do sono), que pode ser tratada com algumas mudanças de
hábitos do paciente, como a perda de peso, alimentação e prática de
exercícios físicos, também pode ser resolvida com cirurgia
ortognática, em casos onde a diminuição de espaço para passagem de
ar é causada por uma deformidade dento facial, na qual o paciente
apresenta retrognatismo.(quando a mandíbula está atrás em relação
à maxila, e esteticamente deixa o paciente com a impressão de possuir
queixo menor).

A apneia durante o sono pode reduzir drasticamente o nível de oxigênio
no sangue ocasionando acidentes vasculares cerebrais, sendo desta forma
que, o cérebro reconhece a mensagem de que algo está errado.

O perigo aumenta em pessoas com sobrepeso significativo e nos casos mais
graves, aumenta a possibilidade do paciente desenvolver doenças
potencialmente fatais como hipertensão arterial, – cerca de 40% dos
pacientes com apneia sofrem com cardiopatias como angina de peito e
infartos.

De acordo com o Dr. Sylvio Vivone. “O problema pode ser resolvido, com
alterações de hábitos diários e, nos casos mais graves, com cirurgia
quando o formato da cabeça e pescoço resulta em menor espaço para
passagem de ar na boca e garganta.

“A chamada cirurgia ortognática, só é recomendada quando não existe
adaptação ao uso dos aparelhos (intraorais, CPAP ou BI-PAP) ou quando
há deformidade dentofacial´´, explica o Dr.Sylvio Vivone.

A cirurgia é feita com anestesia geral, e a correção cirúrgica é
realizada na mandíbula, no maxila ou nos dois, conforme o paciente. Ao
corrigir a posição dos ossos os dentes são alinhados. Os cortes são
realizados internamente, pela gengiva, sem deixar cicatrizes visíveis.

“Além dos benefícios estéticos, garante não só uma melhora das
funções respiratória e articular, como um  rosto mais harmonioso”,
diz o especialista.

QUEM É SYLVIO VIVONE
Cirurgião do Instituto Vivone. Possui residência em cirurgia e
traumatologia bucomaxilofacial pelo Hospital das Clínicas da USP
(HCFMUSP)  feita em ambiente ambulatorial e hospitalar, por isso, tem
amplo conhecimento sobre patologias maxilofaciais, traumas de face,
cirurgias necessárias para as correções das deformidades faciais ou
distúrbios da articulação têmporo-mandibular entre outras
atuações.

loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*