-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

Author

Redação - page 648

Redação has 7811 articles published.

Bicicletas elétricas são regulamentadas pelo CONTRAN

em Brasil/Negócios por

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou, na última sexta-feira (13/12), no Diário Oficial da União (DOU), a Resolução nº 465, respectiva à categorização das bicicletas elétricas como simples bicicletas, assunto bastante polêmico e que vem rondado o mercado brasileiro há algum tempo.

A nova resolução, datada de 27 de novembro de 2013, considera a necessidade de apoio às políticas de mobilidade sustentável e a crescente demanda por opções de transporte que priorizem a preservação do meio ambiente. Desta forma, as bicicletas dotadas originalmente de motor elétrico auxiliar com potência máxima de até 350 Watts e velocidade de até 25 km/h tem liberdade de circular em ciclovias e ciclo faixas desde que garantam o funcionamento do motor somente quando o ciclista pedalar.

Segundo Caio Ribeiro, executivo de vendas da Sense Electric Bike, única empresa brasileira a se enquadrar completamente à nova legislação sem precisar alterar em nada seu produto, essa publicação traz um novo gás ao mercado. “Essa resolução chega como um marco para o Brasil, colocando nosso país no mesmo patamar legislativo dos mais avançados países europeus”, conta.

Fundada em 2009, a empresa Sense Bike está programada para inaugurar seu parque fabril no Pólo Industrial de Manaus no início de 2014 trazendo mais facilidade e um novo impulso ao setor. “Acreditamos que com as leis mais específicas será ainda mais fácil de fazer com que a cultura do ciclismo seja popularizada”, finaliza.

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO

RESOLUÇÃO No- 465, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2013

Dá nova redação ao Art. 1º da Resolução nº 315, de 08 de maio de 2009, do CONTRAN, que estabelece a equiparação dos veículos ciclo-elétrico, aos ciclomotores e os equipamentos obrigatórios para condução nas vias públicas abertas à circulação e dá outras providências.

O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO – CONTRAN, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 12 da lei nº 9.503, de 25 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro – CTB e conforme o Decreto nº 4.711, de 29 de maio de 2003, que dispõe sobre a coordenação do Sistema Nacional de Trânsito;

Considerando a necessidade de apoio às políticas de mobilidade sustentável e a crescente demanda por opções de transporte que priorizem a preservação do meio ambiente;

Considerando os permanentes e sucessivos avanços tecnológicos empregados na construção de veículos, bem como a utilização de novas fontes de energia e novas unidades motoras aplicadas de forma acessória em bicicletas, e em evolução ao conceito inicial de ciclomotor;

Considerando o crescente uso de ciclo motorizado elétrico em condições que comprometem a segurança do trânsito;

Considerando o que consta no processo administrativo nº 80001.003430/2008-78, resolve:

Art. 1º O parágrafo único do artigo 1º da Resolução CONTRAN Nº 315/2009 fica renumerado para § 1º.

Art. 2º Ficam incluídos os parágrafos 2º, 3º e 4º, no art. 1º da Resolução CONTRAN Nº 315/2009, com a seguinte redação:

Art 1º…

§ 1º ….

§ 2º Fica excepcionalizado da equiparação prevista no caput deste artigo os equipamentos de mobilidade individual autopropelidos, sendo permitida sua circulação somente em áreas de circulação de pedestres, ciclovias e ciclo faixas, atendidas as seguintes condições:

I – velocidade máxima de 6 km/h em áreas de circulação de pedestres;

II – velocidade máxima de 20 km/h em ciclovias e ciclo faixas;

III – uso de indicador de velocidade, campainha e sinalização noturna, dianteira, traseira e lateral, incorporados ao equipamento;

IV – dimensões de largura e comprimento iguais ou inferiores às de uma cadeira de rodas, especificadas pela Norma Brasileira NBR 9050/2004.

§ 3º Fica excepcionalizada da equiparação prevista no capítulo deste artigo a bicicleta dotada originalmente de motor elétrico auxiliar, bem como aquela que tiver o dispositivo motriz agregado posteriormente à sua estrutura, sendo permitida a sua circulação em ciclovias e ciclo faixas, atendidas as seguintes condições:

I – com potência nominal máxima de até 350 Watts;

II – velocidade máxima de 25 km/h;

III – serem dotadas de sistema que garanta o funcionamento do motor somente quando o condutor pedalar;

IV – não dispor de acelerador ou de qualquer outro dispositivo de variação manual de potência;

V – estarem dotadas de:

a) indicador de velocidade;

b) campainha;

c) sinalização noturna dianteira, traseira e lateral;

d) espelhos retrovisores em ambos os lados;

e) pneus em condições mínimas de segurança.

VI – uso obrigatório de capacete de ciclista.

§ 4º Caberá aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos municípios e do Distrito Federal, no âmbito de suas circunscrições, regulamentar a circulação dos equipamentos de mobilidade individual autopropelidos e da bicicleta elétrica de que tratam os parágrafos 2º e 3º do presente artigo.

Art. 3º Fica revogada a Resolução CONTRAN Nº 375/11, de 18 de março de 2011.

Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Stand Up Crônicas: Ano novo, velhos hábitos

em Coluna por

ze

Stand Up Crônicas: Ano novo, velhos hábitos

O ano está acabando e a maioria das pessoas que conheço gosta de passar o ano novo comendo castanhas. Mas também há quem prefira as loiras, morenas e ruivas.

Mas o que não consigo acreditar é que dependendo do que você comer, seu ano vai ser bom ou ruim. Por exemplo, dizem que se você comer frango ou peru, sua vida vai andar para trás. E por um simples motivo: esse animais ciscam para trás. Seguindo esse raciocínio, presumo que também não se pode comer veado.

Dizem também que comer lentilha dá sorte. Sorte eu não sei, mas dá gases.

Entre as superstições, uma das mais famosas é aquela que diz que pular 7 ondinhas ajuda a ter um bom ano. Está explicado então porque o Atlético Mineiro não foi pra final do mundial. E, por via das dúvidas, o Aécio deveria passar o Reveillon em Copacabana.

Na festa de Reveillon, quase todo mundo veste roupa branca – a cor da paz. Só que se alguém passar mal, vai ser difícil saber quem é o médico para pedir ajuda. E a festa vai ter de tudo, menos paz.

As mulheres acreditam que vestir roupa vermelha ou rosa traz felicidade no amor. Funciona. Principalmente se for justa e decotada.

Dizem também que roupa amarela traz dinheiro. Sei não, se isso fosse verdade, os fiscais da CET não precisariam mais trabalhar.

E quem nunca fez promessa para o ano que chega? A mais famosa é prometer parar de fumar. Infelizmente, estatísticas comprovam que apenas 10% dos fumantes cumprem a promessa: os que morrem.

Uma variante é a promessa de parar de beber. Essa, eu faço em todo Reveillon. Mas sabe como é, né? Na hora da virada, todo mundo faz um brinde e bebe uma taça de champagne num só gole. E minha promessa já vai para o saco logo nos primeiros segundos do ano.

Outra bastante popular é a promessa de emagrecer. Essa já tem um índice de sucesso maior: a maior parte dos que não cumpriram a promessa de parar de fumar emagrecem. Tem também a promessa de finalmente juntar dinheiro – essa só costuma ser cumprida lá para os lados de Brasília.

Mas estou decidido, já fiz minha promessa para 2014. E vou documentar aqui, para garantir que vou cumprir. Eu prometo passar o próximo ano inteirinho sem ouvir nenhum pagode, sertanejo, funk carioca ou axé. Podem me cobrar.

_______________________________________________________________________________________
 
José Luiz Martins. Humorista, publicitário e roteirista. Sócio da empresa Pé da Letra, de criação e produção de conteúdo. © 2013.

Dependentes químicos devem ter cuidados redobrados no final de ano

em Educação e Comportamento/Geral por

Final de ano, festas, confraternizações, comilança e muitas bebidas. Essa época do ano é agitada e repleta de comemorações, mas também pode ser bastante difícil para algumas pessoas, principalmente para os dependentes químicos em recuperação. Afinal, muitos estão na fase de tratamento ainda e precisam resistir para continuarem ‘limpos’.

A psicóloga e coordenadora terapêutica da Clínica Maia Prime, Ana Cristina Fraia explica que ‘os dependentes químicos ficam inseguros com a alta neste período e muitos chegam a pedir para permanecerem internados para que o tratamento não seja afetado, pois nessa época do ano as festas se tornam rotineiras e as bebidas alcoólicas estão, na maioria das vezes, presentes, além de, dependendo do tipo de festa e companhia, as drogas acabarem surgindo.”

A especialista reforça que quando o paciente recebe alta no final de ano, sai preparado para retornar ao convívio em sociedade. “A orientação é para que ele siga a programação recebida na internação e sempre peça ajuda se precisar”. Ana Cristina afirma que assim que o paciente sai, ele é orientado a ainda não administrar seu próprio dinheiro, a manter-se próximo da família e de pessoas de confiança e seguir o tratamento, geralmente em regime aberto em um hospital dia. “O tratamento não acaba com a internação. Ele apenas começou, o mais difícil é permanecer limpo no seu cotidiano.”

Embora as altas possam acontecer, a psicóloga comenta que não são recomendadas, pois há riscos de recaída. “Não é comum acontecer, pois o risco de não aguentar dizer não, de manter comportamentos que levam o paciente a pensar na droga é grande. Quando existe a possibilidade de alta, o paciente que sai, deve sair muito bem preparado e ter o apoio da família que é essencial nesse processo, inclusive, os familiares também recebem orientações para saberem lidar com a situação.”

Ana Cristina Fraia – psicóloga e coordenadora terapêutica da Clínica Maia Prime

 

Qualidade de vida na terceira idade

em Educação e Comportamento/Geral por

Manter uma alimentação saudável e fazer exercícios físicos com frequência são hábitos de grande importância para manter a qualidade de vida na terceira idade. Mas os cuidados com a saúde física não são suficientes para cultivar uma vida equilibrada, pois é importante também dar atenção à saúde mental.

Há de se considerar que uma dieta balanceada e um corpo ativo contribuem significativamente para que o nosso cérebro se mantenha saudável, porém ele precisa de cuidados especiais.

O que o idoso pode fazer para melhorar sua saúde mental? Deve estimular o cérebro para que se mantenha ativo.

Mas para entender melhor isso, vamos pensar primeiro no nosso corpo. Com o passar dos anos, ele passa por mudanças: a força muscular, por exemplo, diminui a medida que envelhecemos. Entretanto, as perdas podem ser prevenidas e até restauradas por meio do exercício físico. Porém, para alcançar os benefícios das atividades físicas, elas não podem ser esporádicas, precisam fazer parte do estilo de vida do idoso.

As funções cerebrais também diminuem com o tempo e, assim como ocorre com o corpo, elas podem ser preservadas e recompostas por meio da ginástica cerebral.

O cérebro aprende durante toda a vida, com capacidade de se reorganizar e estabelecer novas conexões através de estímulos. Assim, habilidades como a memória, o pensamento lateral, o raciocínio lógico e outras são potencializadas em qualquer idade, desde que não haja uma complicação clínica.

A ginástica cerebral propõe o estímulo cognitivo através de desafios e atividades que visam tirar o cérebro da zona de conforto. Retomando a comparação com o corpo, imaginemos agora uma pessoa que começa a praticar musculação. Se sua intenção é ganhar massa muscular, precisará de exercícios que lhe proporcionem variedade, novidade e um grau de dificuldade crescente.

Caso contrário, seu corpo se acostumará com os exercícios, com a quantidade de peso utilizada e a evolução pretendida não será alcançada.

O cérebro também precisa de exercícios que considerem estes três aspectos – novidade, variedade e grau de dificuldade crescente – para não ficar estagnado na zona de conforto sem qualquer fortalecimento.

Esta é a base do método Supera, uma academia para o cérebro que, por meio de ferramentas pedagógicas, propõe potencializar as capacidades cognitivas de pessoas de diversas idades e, de modo inclusivo, os idosos.

2014 será um ano de cautela para a indústria de defensivos agrícolas

em Brasil/Negócios por

Depois de mais um ano de grande crescimento, o agronegócio brasileiro tem visto 2014 como um período que pede cautela. É o que o afirma Eduardo Daher, diretor executivo da Andef – Associação Nacional de Defesa Vegetal.

Ele destaca que será um ano movido por grandes desafios e expectativas e aponta que, mesmo com alguns cenários negativos percebidos recentemente na área agrícola, como no caso do algodão, ainda há muita confiança em outras commodities, como a soja, que continuará indo muito bem. “O agro deve, mais uma vez, garantir o saldo balança comercial do país”, acredita.

Daher reforça que as pragas que ameaçam as lavouras brasileiras continuam sendo ponto de preocupação para o setor produtivo. “Saímos de 2013 e entramos em 2014 acelerados pelas pragas exóticas e quarentenárias e, por isso, a palavra cautela resume o próximo ano”, enfatiza o executivo. Para ele, é fundamental que esse tema seja tratado com a seriedade necessária e que sejam oferecidas soluções aos produtores rurais para que garantam sua produtividade na próxima safra. “As ameaças fitossanitárias continuam rondando nossa produção e somente com agilidade do governo, com Ciência e com Educação, é que poderemos combate-las”.

Sobre o que poderia ser um dos grandes desafios para o próximo ano, Daher aponta a formatação e a coalisão de um marco regulatório mais eficiente e mais ágil. “A burocracia dos órgãos regulatórios no Brasil para aprovar novas tecnologias tem sido muito mais lenta do que as pragas que se multiplicam nas lavouras”, destaca.

Mesmo com as grandes dificuldades que cercam o desenvolvimento da produção rural brasileira, o executivo reforça o excelente resultado que o setor vem apresentando ano a ano. Ele lembra que, apesar da retração de 3,5% no PIB do terceiro trimestre deste ano, o agronegócio deve fechar 2013 com alta de 6,5%, demonstrando que o setor continua sendo o grande carro-chefe da economia do Brasil. “Mas, sem estímulo à pesquisa e à inovação, a falta de novas tecnologias que protejam as nossas lavouras – e evitem as perdas na produção – pode continuar sendo um entrave ao desenvolvimento da atividade mais importante para o país”, aponta Daher. Ele enfatiza que há alguns anos o agronegócio tem garantido o crescimento da economia e completa: “Está evidente que cuidar e investir na produção rural brasileira é defender a soberania nacional”.

Fim de ano: o que você precisa saber antes de colocar as rodas na estrada

em Brasil/Educação e Comportamento por

Chegou o fim do ano e também as tradicionais festas. Hora de arrumar as malas e seguir em direção ao encontro com a família, onde quer que ela esteja. Mas antes de carregar o porta-malas do carro com as malas, leia algumas dicas do diretor da área de Sinistros da Allianz Seguros, Laur Diuri, e evite chegar atrasado à comemoração:

FAÇA A REVISÃO

Checar as condições de itens como pneus, rodas, triângulo, macaco,chave de roda, suspensão, nível do óleo e fluidos, sistema elétrico e sistema de limpeza dos vidros é fundamental. Contudo, atente ao tempo: a revisão não deve ser feita na véspera, já que se houver necessidade de substituição de alguma peça, muitas vezes é impossível fazer isso de um dia para o outro.

CHEQUE A PREVISÃO DO TEMPO

De acordo com a Administração de Segurança do Tráfego Rodoviário dos EUA, quase 20% dos acidentes de carro fatais ocorrem em condições meteorológicas desfavoráveis. Não importa qual o clima, é mais seguro estar preparado. Mudanças repentinas aumentam o risco de acidentes. Se informe sobre o tempo antes de sair de casa.

MANTENHA OS VIDROS LIMPOS

Não é preciso ser paranoico com limpeza e manter o carro absolutamente impecável, mas é preciso se certificar que o para-brisas está sempre limpo. Afinal, um para-brisa sujo, além de nojento, é inseguro. Limpe os seus toda vez que parar no posto de gasolina para evitar insetos e o acumulo de poeira de estrada. De vez em quando, faça uma limpeza mais completa, usando produtos especialmente elaborados para para-brisas, que não só limpam, mas também desengorduram o vidro.

CUIDADO COM O PÔR, OU NASCER, DO SOL

Dirigir durante a mudança do dia para a noite, ou vice-versa, é um grande desafio. Muitos acidentes acontecem quando o sol nasce ou se põe, culpa, ao menos em parte, da má visibilidade. Até o sol nascente/poente atrás de você pode afetar os motoristas que vêm em sua direção. Para evitar acidentes, mantenha o para-brisa limpo por dentro e por fora, use óculos escuros e os para-sóis baixos.

OLHOS NA ESTRADA, MÃOS NO VOLANTE

Esta postura não só ajuda a detectar eventuais obstáculos e perigos rapidamente, como também estabiliza a direção. Manter os olhos focados em um ponto distante na estrada com olhares regulares nas laterais e espelhos retrovisores proporciona melhor visão geral da situação do tráfego e coloca o motorista numa posição de prevenção, podendo reagir mais cedo a ameaças de segurança.

Vai beber? Saiba o que fazer para que a ressaca não prejudique na festa de fim de ano

em Educação e Comportamento por

Está aberta a temporada das festas e encontros: visita de familiares e amigo-secreto, são algumas das comemorações típicas de fim de ano. No entanto, algo a mais pode acompanhar estes compromissos: a ressaca. Para quem costuma ingerir bebidas alcoólicas, principalmente nesta época do ano, o excesso pode ser o inimigo do bem-estar e da saúde.

Segundo Sofia Sesti, nutricionista da Clínica Plena, a ressaca é um conjunto de sintomas da intoxicação ocasionada pelo álcool. “O organismo acaba sobrecarregando diversos órgãos, principalmente o fígado, na tentativa de absorver o álcool ingerido”, explica. A nutricionista complementa que o fígado continua produzindo enzimas para processar o álcool, mesmo que o consumo já tenha sessado. “Essa ação causa um desequilíbrio no metabolismo e até mesmo o sistema nervoso – que já havia se habituado com o excesso, pode sofrer com a ‘abstinência’ do álcool”, complementa Sofia.

“Síndrome do dia seguinte”
Os sintomas da ressaca podem contemplar: enjoo e diarreia, dores no corpo, dor de cabeça acentuada, desidratação do organismo com a sede excessiva e fotossensibilidade, caracterizada pela irritação dos olhos no contato com a luz. “Além disso, as mulheres estão mais propensas a sofrer com a ressaca, devido as taxas de hormônio feminino, que são menos tolerantes ao álcool do que nos homens”, ressalta.

O que fazer?
Para não acabar com a noite de festas e acordar com uma ressaca no dia seguinte, é essencial hidratar o corpo antes de beber e, claro, não abusar do álcool. “A dica é ingerir água ou um copo de suco natural antes de aderir as bebidas alcoólicas. Entre um copo ou outro de vinho, por exemplo, tomar água faz com que os efeitos da bebida não tenham tanta intensidade e a ressaca pode ser evitada”, detalha. Uma refeição leve antes de beber também cria uma camada protetora no estômago.

Já para quem abusou do álcool e acordou com “direito” aos sintomas citados, a nutricionista explica que o consumo de líquidos auxilia na recuperação do corpo. “O consumo de água, água de côco, isotônicos e sucos naturais ajudam o organismo a expelir o álcool”, orienta. Frutas e legumes de cor verde escuro também são indicados, pois fornecem as substâncias ideias na desintoxicação do fígado. A nutricionista finaliza com uma dica de suco, que pode ser feito em casa e ajuda no reestabelecimento do organismo: uma fatia de melão, meio pepino japonês com casca e 300 a 500 mililitros de água, conforme preferência de quantidade. Bater todos os ingredientes no liquidificador, coar e beber. “Na ressaca, a quantidade de água diária que é de 35 mililitros por quilo do peso total da pessoa, passa para 45 mililitros”, finaliza.

Sexo e Muitas Risadas são dicas para começar o Ano Novo com o Pé Direito

em Educação e Comportamento por

Ano Novo, Vida Nova! É o que as pessoas almejam e para isso partem em busca de novas metas no ano que se inicia. Além do trabalho, é importante manter uma vida social ativa, como viagens, passeios, divertimentos, para uma melhor qualidade de vida, além da prática de exercícios físicos e uma alimentação balanceada. Tudo para entrar com o pé direito em 2014!

Segundo a Dra. Edith Horibe, cirurgiã plástica, PhD pela Faculdade de Medicina da USP, expoente em Estética Médica e Gestão da Idadedar muitas risadas, estar de bom humor é um aliado e tanto para um Ano Novo cheio de conquistas. Praticar sexo e dar boas risadas ajuda a retardar o envelhecimento. “Quando você ri, está alegrando seus órgãos. A risada rejuvenesce, assim como uma boa alimentação e a prática sexual, que são importantes para o processo de envelhecer bem”, afirma.

Conforme pesquisa da Universidade de Louisville, nos Estados Unidos, o sexo pode ser um ótimo exercício desde as preliminares. O beijo na boca requisita 34 músculos da face e consome 2 calorias por minuto (120 por hora!), Na soma final, a relação sexual consome cerca de 250 calorias em meia hora.  

Para a médica, quanto mais cedo a pessoa se voltar a longevidade produtiva melhor. “Quando nascemos já estamos envelhecendo. É uma questão cultural. Fazer as pessoas entenderem que tudo é um aprendizado. Tudo começa com a consciência. Se você pensa que é jovem, você é jovem. Se você pensa que é acabado, você estará acabado. Não importa se tem 25 ou 50 anos”, diz.

Além do sexo e de boas risadas, a Meditação é excelente para conter o nível de estresse e começar o ano mais leve, com uma nova energia. Com 20 minutos de manhã e à noite, a pessoa lida melhor com o estresse do cotidiano. “A pressão e os batimentos cardíacos melhoram quando a pessoa entra em um estado de relaxamento. Fisicamente, a pessoa também fica mais saudável”, relata a Dra. Edith.

Dra. Edith Horibe enfatiza que dar risada é importante. Viver alegre faz parte do ato de pensar positivamente, o que afeta a mente. É muito fácil atingir um bem-estar a partir da prática de exercícios sexuais.

A médica lembra que o sexo não é privilégio dos jovens, a Terceira Idade também deve praticá-lo. A diferença é que em idades mais jovens existe a preocupação com a “quantidade” de atividades sexuais, já em idades mais avançadas essa ideia é substituída por “qualidade”.

Portrait: Que moedas de ouro você quer no seu Natal?

em Coluna por

Camila

Que moedas de ouro você quer no seu Natal?

Hoje é Natal. E quem não pensa no bom velhinho neste dia? Segundo algumas pesquisas que fiz para escrever esta crônica, Papai Noel existiu, foi arcebispo turco no século IV, mais tarde conhecido como São Nicolau Taumaturgo. Nesta época do ano, ele costumava colocar moedas de ouro nas chaminés das casas mais humildes da cidade de Mira, onde morava. Mais tarde, ao ter alguns milagres atribuídos ao seu nome, foi considerado santo, São Nicolau. Sua imagem tornou-se um símbolo natalino na Alemanha, e de lá se espalhou para o mundo inteiro. Não importa onde more, no Polo Norte segundo os americanos, ou nas montanhas de Korvatunturi na Lapônia, Finlândia, conforme os britânicos, muito antes da famosa globalização tomar forma, Santa Klaus já era um mito universal, muito cultuado no ocidente.

Conversei com algumas pessoas para saber como foi a sua descoberta de que Papai Noel não existia. E para a minha surpresa, 80% delas não se lembravam, independente de sua classe social. Então veio a reflexão: será que o ser humano não quer se desfazer de boas lembranças? Será que quer manter dentro de si este encantamento de alguma forma? Qual o motivo de tantas pessoas não se lembrarem disso? Ele não é realmente importante, embora seja um ícone desta data, ou será que é melhor, mesmo sabendo da verdade, manter o mito?

Por que mesmo depois de saber da verdade, ainda nos encantamos com as histórias de Natal e seu entorno? São Paulo fica intransitável nas redondezas do Parque do Ibirapuera e da Avenida Paulista nesta época do ano, justamente porque as pessoas querem ver sua decoração, as comemorações que marcam a cidade. E então, manter o mito ainda é a melhor forma de se viver, de se acreditar em um mundo melhor?

Se no lugar de presentes materiais, Papai Noel pudesse trazer outros presentes, aqueles que não se compram, quais você desejaria para si, para sua família, seus amigos, para a sociedade? Será que também é mítico o desejo de uma sociedade onde não haja corrupção, onde os políticos cumpram suas funções sem quererem receber mais por isso, onde as pessoas saudáveis e jovens não estacionem nas vagas reservadas para deficientes e idosos, onde a lei de Gerson não prevaleça?

Será que é mítico fazer o bem sem se esperar o reconhecimento, um mundo com menos fome e mais alimento, com mais trabalho e trabalhadores, com mais sorrisos sinceros e não oportunistas, um trânsito com mais solidariedade e menos impaciência?

Será que é mítico o desejo de um relacionamento em que a lealdade e a fidelidade sejam intrínsecas à escolha que se fez quando se optou por assumir o outro como namorado ou marido, namorada ou esposa? Será que é mítica uma amizade sincera, sem se olhar para o que o outro possa te dar, mas para o que você pode oferecer a ele?

Será mítico um sistema público de saúde que funcione e realmente cuide de sua população? Uma escola pública que ensine e não dê ao aluno o ano sem repetência, mas com formação? Será mítico um inverno sem pessoas morrendo de frio, com crianças cobertas e dentro de um abrigo em noites gélidas?

Será que conseguiremos um dia transformar as tais moedas de ouro que aquele São Nicolau Taumaturgo, arcebispo turco, depositava nas chaminés, em valores palpáveis para uma sociedade melhor? E não estou falando de se subsidiar a pobreza e nem os pobres, mas de dar a toda população condições de saúde, trabalho e educação de forma real e semelhante.

São Nicolau se tornou um mito universal de amor, paz e alegria. Será que um dia, ao contrário do arcebispo turco, estes valores deixarão de ser mito e se tornarão realidade?

Enquanto me indago, a sociedade continua sendo a mesma. Um ou outro fazem a diferença. É hora de pararmos apenas de refletir e pegarmos nas mãos nossas moedas de ouro: transformá-las em sorrisos e vidas de ouro, a começar por nós mesmos. Sem a pretensão de nos tornarmos santos, mas com o desejo natalino – e que este perdure pelo ano inteiro – de realmente transformarmos e vivermos em um mundo melhor.

© 2013, The São Paulo Times.

Pesquisa revela que loja física ainda é a preferência do consumidor para as compras do Natal

em Educação e Comportamento por
A Pesquisejá, empresa especializada em monitoramento, gestão de informações e pesquisas customizadas, realizou, entre os dias 02 e 03 de dezembro, levantamento sobre a intenção de compra do consumidor para o Natal. A pesquisa, apurada em 22 estados incluindo o Distrito Federal, contempla 3.654 entrevistas. De acordo com o levantamento, as lojas físicas ainda são a grande preferência do consumidor, chegando 100% da intenção de compra em alguns dos estados pesquisados (Distrito Federal e Rondônia). As compras unicamente pela Internet ganham destaque apenas na Bahia e no Pará, onde percentuais chegam a 23% e 29%, respectivamente.

Nas regiões Sul e Sudeste, a preferência é pela compra em lojas físicas. Em São Paulo, o percentual de compra na loja física é de 86% e, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, de 88%. No Paraná, o percentual sobe para 97% e, em Santa Catarina, 95%. Considerando a região, somente no Espírito Santo e no Rio Grande do Sul, os percentuais de intenção de compra tanto na Internet como na loja física chegam a 35%.

Segundo o levantamento, apenas em quatro estados pesquisados, mais de 10% dos entrevistados disseram não ter a intenção de comprar presentes neste final do ano. São eles: Acre (27%), Amazonas (26%), Rondônia (20%) e Santa Catarina (11%). Em 16 estados, a maioria dos entrevistados pretende presentear entre uma e três pessoas.  No Ceará e no Mato Grosso do Sul, 87% dos entrevistados pretende presentear até três pessoas.

A categoria brinquedos lidera as intenções de compra, chegando a 47% no Mato Grosso, 40% no Mato Grosso do Sul, 38% no Rio de Janeiro e em Santa Catarina.

Considerando o gasto médio previsto, as intenções de maiores gastos estão  no Distrito Federal, onde 85% dos entrevistados pretende gastar mais de R$ 300,00 com presentes. Nas regiões Sudeste e Sul, a maioria pretende gastar entre R$ 10,00 e R$ 300,00. Em Santa Catarina, apenas 3% dos entrevistados pretende gastar mais que R$ 300,00 em compras.

Wappa desenvolve ferramenta para usuário corporativo dividir a corrida de táxi

em Educação e Comportamento/Negócios por

Economizar tempo, dinheiro e ainda poluir menos o meio ambiente. Estes são alguns dos benefícios que a Wappa – plataforma de gestão e meio de pagamento mobile direcionado para o mercado corporativo – oferece aos seus usuários, que agora podem, também, compartilhar a mesma corrida. “Estamos agregando ao Wappa Táxi, que permite às empresas o pagamento das corridas via celular, a possibilidade de compartilhar corridas. Ou seja, executivos e funcionários da mesma empresa que vão para os mesmos lugares ou locais próximos podem usar o mesmo táxi, gerando economia”, explica o CEO da Wappa, Armindo Mota Jr.

Compartilhar carros em outros países é algo trivial para driblar o trânsito nas grandes cidades. Na Europa, o chamado carsharing é uma solução consolidada para cidadãos comuns. Na América do Sul, alguns países já fazem a tentativa com muito sucesso: Em Santiago, capital do Chile, por exemplo, os chamados “táxis coletivos”, carros com rotas já traçadas, levam passageiros desconhecidos a um destino semelhante.

“No Brasil, já há na web algumas tentativas como alternativa de transporte para que as pessoas físicas dividam o carro, mas esta ainda não é uma realidade. Acreditamos que, iniciar uma ação como esta com o público corporativo, pode ajudar a criar a cultura do compartilhamento”, diz o CEO.

O carona Wappa funciona da seguinte forma: o colaborador da empresa cadastra seu destino no sistema e dispara um alerta para seus colegas. Se algum deles for fazer um percurso próximo, basta aceitar a solicitação e dividir o mesmo veículo no dia da corrida. “Essa nova ferramenta significa mais uma economia no centro de custo, maior mobilidade urbana, aumento de networking e ajuda a preservar o meio ambiente, reduzindo a emissão de CO2”, diz Armindo Mota Jr.

“Idealizamos a ferramenta a partir da análise do fluxo de viagens de táxi de grandes clientes. Percebemos que, muitos funcionários se deslocavam de um mesmo prédio para um destino muito próximo em um curto prazo de tempo”, explica Armindo. “É uma alternativa viável, principalmente nas grandes cidades brasileiras, onde há uma deficiência de infraestrutura na mobilidade”.

A Wappa garante um serviço com grande capilaridade aos seus mais de 600 clientes, pois tem cobertura em todos os estados brasileiros e mais de 25 mil taxistas fazem parte da rede credenciada, cujos serviços garantem economia de cerca de 40% nos gastos corporativos com táxi. Em 2012, a companhia obteve um faturamento de R$ 50 milhões e a expectativa é chegar a R$ 80 milhões em 2013.

Consumidor deve estar atento à origem dos alimentos usados nas ceias de fim de ano

em Educação e Comportamento/Geral por

Os Fiscais Federais Agropecuários, responsáveis por zelar pela qualidade dos alimentos de origem animal e vegetal consumidos pelos brasileiros, alertam para alguns cuidados que os consumidores devem ter para garantir a segurança alimentar de sua família na hora de comemorar o Natal e o Ano Novo. Na hora de comprar os ingredientes para preparar a ceia, é importante ficar atento à origem dos produtos.

O padrão de qualidade exigido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e fiscalizado pelos Fiscais Federais Agropecuários é indicado pelo selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF), que deve estar em todo produto de origem animal: peru, chester, tender, carnes, presunto, salsicha, manteiga, leite e derivados, mel, peixes e enlatados. O SIF é a garantia de que na produção do alimento todas as normas estabelecidas pelo governo foram cumpridas, como o tipo de ração dado aos animais, vacinas, instalações das granjas e frigoríficos e condições sanitárias.

Além do SIF, outros cuidados também devem ser observados pelo consumidor. As carnes de frango e aves precisam ser de cor amarelo-parda, com musculatura firme, aderente ao osso, pele íntegra e sem apresentar manchas de sangue ou áreas arrocheadas. E devem ser mantidas sob refrigeração ou congelamento.

bacalhau deve ser armazenado entre 0 e 5ºC, apesar de ter a comercialização permitida à temperatura ambiente, por períodos não prolongados. Uma característica visível que demonstra problemas de conservação é o aparecimento de manchas avermelhadas. A proliferação de bactérias pode também ser percebida pelo tato – com a apresentação de limo superficial e amolecimento da carne – e pelo olfato, com forte odor de podridão.

As carnes suínas tais como a leitoa e o lombo também são muito utilizadas nas receitas de fim de ano. Os fiscais federais agropecuários orientam que os suínos devem apresentar cor rósea ou avermelhado-pálida. Não deve ser comprada caso apresente textura úmida, cor escura ou esverdeada, com consistência mole, saltando da parte óssea, pegajosa ou exalando mal cheiro. Também não deve ser adquirida quando notar pequenas bolinhas brancas, duras e cheias de líquidos, conhecidas em algumas regiões como “canjica”. Esses focos denunciam a presença de parasita conhecida “solitária”. Para evitar transtornos, o sindicato recomenda que não sejam consumidas carnes de origem desconhecida.

Dentre os vegetais, a lentilha é a escolhida para dar sorte no ano que vai chegar. Os fiscais federais agropecuários orientam para, na hora de comprar, observar no espaço transparente das embalagens as condições dos grãos, se são da mesma cor e se não apresentam nenhum mais escuro que outro. Deve-se observar também se eles estão inteiros. Quanto mais quebrados, pior é a qualidade do grão.

Castanhas, nozes, amêndoas, além de frutas secas e cristalizadas, também precisam de cuidados especiais. A dica é comprar já empacotados, para garantir a procedência e armazenamento. Esses produtos podem conter a substância aflatoxina, que é produzida por um fungo e nociva à saúde, que surge quando o produto é armazenado em local úmido ou não foi bem secado. O recomendado é comprá-las já embaladas, pois há maior segurança que o processo de armazenamento foi fiscalizado.

Outros produtos que merecem atenção especial do consumidor são os adquiridos nas ruas e semáforos das grandes cidades, vendidos por ambulantes. Uvas, romãs e ameixas são as mais comuns. “A aquisição de frutas na rua não é aconselhável, principalmente porque não sabemos onde estes produtos ficam armazenados durante a noite. Roedores, baratas e outros insetos podem passear por cima delas. O ideal é comprar esses produtos embalados e em estabelecimentos com boas práticas de higiene”, afirma Wilson Roberto de Sá. Mas é importante sempre tomar cuidados com a higiene antes de ingeri-las, deixando-as de molho e lavando-as bem.

Os vinhos, espumantes, sucos e refrigerantes que são produzidos no Brasil também passam por fiscalização do MAPA. O consumidor deve observar no rótulo o registro do produto: a sigla do estado de origem seguida de 11 números. O consumidor também deve observar os dados do fabricante, que são obrigatórios. As bebidas importadas têm que possuir o registro no MAPA, pois só podem ser comercializadas após a autorização do ministério.

Algumas dicas importantes para segurança e conservação de alimentos:

·   Produtos de origem animal: carnes, presunto, salsicha, manteiga, leite e derivados, mel, peixes e enlatados precisam ter na embalagem o selo do Serviço de Inspeção (SIF);

·  Carne bovina e suína: não compre se a carne escura ou esverdeada, com cheiro desagradável e se não tiver o SIF;

·  Carnes pré-embaladas e congeladas, encontradas normalmente em supermercados, devem ser mantidas em balcão ou câmara frigorífica. Atenção: “freezer” ou balcão frigorífico fora da temperatura correta, ou quando desligados à noite, formam água no chão; sinal de que os produtos também saíram da sua temperatura ideal. Não compre produtos nessas condições;

·  Evite comprar carnes de ambulantes, pois os animais poderiam estar doentes ou terem sido abatidos em condições inadequadas de higiene. Esses comerciantes, por vezes, não observam as condições adequadas de temperatura e higiene e, sobretudo, não fornecem nota fiscal;

·  Frangos e aves: a cor da pele deve variar entre o branco ao amarelo, com superfície brilhante e firme ao tato. Verifique o carimbo do SIF e a validade;

·   Pescados embalados: precisam ter o selo do serviço de inspeção, devem ter a data em que foi embalado e o prazo de validade;

·   Pescados frescos expostos: devem estar cobertos por uma farta camada de gelo, de forma a garantir que a temperatura de segurança seja mantida (entre 0°C e 5°C). Peixes congelados precisam ser mantidos em balcões apropriados de acordo com as recomendações do fabricante, normalmente abaixo de -18ºC;

·   Carrinho de compras: o consumidor deve colocar por último no carrinho as carnes, queijos e alimentos que precisam ser mantidos gelados;

·   Automóveis: não deixe os alimentos no carro por muito tempo;

·   Refrigerador: ao chegar em casa, coloque imediatamente os alimentos no refrigerador;

·  Validade: fique atento à data de vencimento dos alimentos. Não utilize produtos vencidos;

·  Armazenamento: observe se o local está em boas condições, com prateleiras limpas, refrigeradores e freezers em temperatura adequada;

· Vinho, espumante, sucos e refrigerantes: devem apresentar no rótulo uma identificação que começa pela sigla do estado de origem seguida de 11 números. O consumidor também deve observar os dados do fabricante, que são obrigatórios;

· Nozes, amêndoas, castanhas, amendoins e pistaches, frutas secas e cristalizadas: deve-se observar a maneira como são armazenadas. Se não forem bem secas ou estiverem em local úmido pode produzir um fungo que é nocivo à saúde. Recomendado é comprá-las já embaladas.

Voltar p/ Capa