fbpx
Friday, June 5, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Cirurgia no quadril devolve mobilidade aos idosos

O envelhecimento da população brasileira e o crescimento das taxas de acidentes no trânsito contribuíram com o aumento do número…

By Redação , in Saúde & Bem-estar , at 15/09/2014

Foto: Repreodução
Foto: Repreodução

O envelhecimento da população brasileira e o crescimento das taxas de acidentes no trânsito contribuíram com o aumento do número de fraturas no quadril, na última década, tornando-se um problema de saúde pública, que captura uma parcela importante dos recursos gastos com saúde no país.  Estudos mostram que cerca de 20% das pessoas que sofrem fratura no quadril morrem até um ano após a lesão, em virtude de complicações.

Os idosos são os que mais sofrem com este tipo de lesão, devido à diminuição na qualidade óssea, diminuição da força muscular, perda da coordenação motora, redução dos reflexos e problemas de visão. Segundo o ortopedista Dr. Pedro Teodoro, especialista do Centro Médico São José de Cerquilho (SP), este problema também pode acontecer de forma espontânea, sem que se tenha histórico de trauma. “Nos pacientes idosos, temos um fator de risco importante: a osteoporose. Esse problema acomete a estrutura óssea do paciente, diminuindo sua concentração de cálcio, e culminando numa menor resistência do osso. Nestes indivíduos, é comum encontrarmos fraturas decorrentes de trauma de baixa energia (como queda de própria altura), ou mesmo fraturas que se desenvolvem espontaneamente, sem qualquer trauma causador, explica.

Este foi o caso da aposentada Vera Cecília Canavan, de 85 anos. Durante uma conversa com a filha, a idosa virou-se bruscamente, em direção a ela, e acabou caindo no chão. “No primeiro momento, não senti dor alguma. Levantei com a ajuda de uma cadeira e voltei a fazer meus afazeres. Logo depois do almoço, percebi que a minha perna esquerda estava dura e minha filha me levou para o hospital”, relembra Vera.

Para a surpresa de todos, a idosa havia fraturado o quadril e precisou ser internada para a cirurgia. “Não imaginava que um tombo tão bobo pudesse quebrar o meu quadril”, afirma a aposentada.

Durante o procedimento cirúrgico, Vera recebeu uma prótese de quadril e, três dias depois da cirurgia, recebeu alta do hospital. “Fiquei menos de um mês andando com a ajuda de um andador e mais 20 dias com uma bengala. Em menos de 60 dias, já estava andando normalmente, sem dores. Hoje, uso a bengala apenas como segurança e já consigo levar a minha vida normalmente”, comemora.

Segundo o ortopedista do Centro Médico São José, muitos pacientes e familiares têm medo da cirurgia, por se tratarem de pacientes idosos, com maior risco cirúrgico associado. “Quando avaliamos os riscos versus os benefícios, a balança pesa a favor da cirurgia. Não é incomum a realização de procedimentos bem-sucedidos em pacientes com mais de 90 ou 100 anos de idade”, afirma.

De acordo com o médico, as técnicas cirúrgicas dividem-se entre a fixação da fratura, com implantes ortopédicos específicos, ou a substituição da articulação fraturada por uma prótese. “Nos pacientes jovens, indica-se a fixação da fratura. Já, entre os idosos, pode-se lançar mão de ambas as técnicas, o que será definido, basicamente, pelo padrão da lesão, a idade do paciente e sua qualidade óssea”.

O tratamento cirúrgico deve ser indicado, tão logo às condições clínicas do paciente permitam a realização do procedimento. A existência deste tipo de fratura está associada a algumas complicações, como: eventos tromboembólicos, formação de escaras, infecções (pneumonia e infecção urinária), estados confusionais e necrose do osso fraturado. A realização do procedimento cirúrgico pode diminuir a ocorrência de tais eventos.

O tempo de recuperação é variável, mas, em linhas gerais, pode levar de 6 a 12 meses. Um estudo americano mostrou que, após um ano, 40% dos pacientes recuperaram a capacidade de andar prévia; 40% voltaram a andar, mas passaram a necessitar de uma bengala; 12% passaram a se locomover, com dificuldade, apenas em casa (com auxilio de bengala ou andador) e 8% não conseguiram restabelecer a capacidade de andar.

Prevenção 

Segundo enfatiza Dr. Pedro Teodoro, é muito importante nos focarmos em estratégias para prevenir este tipo de lesão. Algumas medidas são simples, e podem ser aplicadas no nosso cotidiano, como: o aumento da ingestão de cálcio, introduzindo o consumo de leite, queijo ou iogurtes na dieta, além da prática de atividade física e a exposição controlada ao Sol (30 minutos por dia, antes das 10h ou após as 16h). Ainda, são recomendados: o uso de tapetes antiderrapantes nos banheiros, a colocação de interruptores elétricos próximo das camas e de corrimão nas escadas, evitar-se uso de tapetes nos ambientes do domicílio, e diminuir o número de degraus pela casa, a fim de ajudar os idosos a evitar possíveis quedas. “Em alguns casos, é indicada terapias de reposição hormonal, suplementação de cálcio e vitamina D e o uso de bifosfonados para auxiliar na prevenção e no tratamento da osteoporose, o que deve ser prescrito por um médico”, finaliza o ortopedista do Centro Médico São José.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *