fbpx
Tuesday, October 27, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Como prevenir afogamentos em piscinas?

As férias estão chegando e junto com ela sua série de risco que na maioria das vezes podem ser evitados….

By Redação , in Educação e Comportamento The São Paulo Times , at 30/11/2015

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

As férias estão chegando e junto com ela sua série de risco que na maioria das vezes podem ser evitados. Para quem acha que afogamento ocorre apenas nas praias, está muito enganado.  No Brasil No Brasil aproximadamente quatro crianças com menos de 10 anos morrem por afogamento, com maior prevalência em água doce, como exemplo de piscinas, rios, lagos e entre outros. Mais de 65% dos afogamentos ocorrem em água doce, mesmo em cidades praianas. O afogamento é considerado como a segunda causa geral de óbito entre a faixa etária de 1 e 9 anos de idade e a terceira causa entre 10 a 19 anos. As piscinas são responsáveis por 1,6% de todos os casos de morte por afogamento

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 0,7% de todos os óbitos no mundo ocorrem por afogamento não intencional, sendo mais de 500.000 óbitos anuais, que poderiam ser evitados através da prevenção. Referências mundiais destacam que os homens se afogam e morrem em média cinco vezes mais que as mulheres e que a faixa etária de óbito em homens é de 5 a 14 anos.
Acredita-se que mais de 85% dos afogamentos no mundo podem ser evitados, através da prevenção. A prevenção e adoção de comportamentos de segurança é a principal intervenção para que o processo de afogamento não se instale. Aqui vão algumas dicas:
A supervisão constante de um adulto responsável nunca deve ser substituída por qualquer outro recurso ou equipamento;
Proíba o acesso à piscina para crianças menores de 9 anos desacompanhadas;
Boias de braços ou outros recursos de flutuação (por exemplo: pranchas, pneus, bolas, garrafas plásticas, entre outros), transmitem falsa sensação de segurança, cuidado!
Incentive o uso de coletes salva-vidas para crianças menores de 5 anos ou pessoas sem conhecimento de natação, os demais objetos não são tão confiáveis como os coletes;
Nunca deixe seu filho sozinho na piscina ainda que saiba nadar, mantenha supervisão constante. Lembre-se que aproximadamente 89% dos afogamentos ocorrem por falta de supervisão dos pais, principalmente em horários de refeições;
Caso realize festas ou eventos em locais com piscinas e grande volume de pessoas, contrate guarda-vidas;
Evite brinquedos próximos ou dentro da piscina, isto atrai as crianças;
Não permita a apneia (prender o fôlego) ou travessias submersas sem supervisão confiável;
Evite mergulhos de cabeça em locais com profundidade inferior a 1,8m;
Não ingerir bebidas alcoólicas e alimentos pesados, antes do banho de piscina;
Saia imediatamente da piscina se houver raios ou relâmpagos.
Aprenda os primeiros socorros, pois a grande maioria da população não sabe como proceder diante de uma emergência de afogamento;
Mantenha isolamento ao redor da piscina impedindo o acesso de crianças, use de preferência muro ou grades com altura de 1,50m, com portão de fechamento automático. Evite lonas ou cercas vivas, não são confiáveis;
Nunca deixe a válvula da tomada de aspiração ou vácuo aberta;
Coloque placas de advertência e sinalização próximo a piscina;
Tenha sempre junto da piscina uma vara com gancho salva-vidas, corda, boia ou outro flutuador.
Por Prof. Ms. Ednei Fernando dos Santos
Professor de Pós-Graduação da Faculdade Metropolitana Unidas – FMU

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *