fbpx
Thursday, August 13, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Cresce o número de brasileiros que limparam o nome no SPC

Após quatro meses em queda, regularização de dívidas volta a subir em julho, mostra indicador do SPC Brasil. Número de…

By Redação , in Brasil Educação e Comportamento The São Paulo Times , at 21/08/2014 Tags:

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Após quatro meses em queda, regularização de dívidas volta a subir em julho, mostra indicador do SPC Brasil.

Número de consumidores que ‘limparam o nome’ registra leve alta de 0,97%.

O número de dívidas regularizadas, calculado a partir das exclusões dos registros de inadimplência do banco de dados do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) interrompeu a trajetória de queda registrada entre março e junho e apresentou uma leve alta de 0,97% no mês de julho deste ano em relação a 2013. Na comparação com junho de 2014, sem ajuste sazonal, o volume de quitações de dívidas em atraso também teve um resultado positivo e subiu 2,24%. O dado é do Indicador Mensal de Recuperação de Crédito do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).

Na avaliação da economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, apesar dos números mais positivos para o último mês, ainda não é possível afirmar que os dados sinalizam uma reversão da tendência de piora no indicador de recuperação de crédito. Exemplo disso é que na comparação do dado acumulado nos sete primeiros meses de 2014 com o mesmo período do ano passado, a quantidade de pessoas que conseguiram regularizar dívidas em atraso caiu 0,97%.

Para a economista do SPC Brasil, com o atual cenário de alta da inadimplência e perda da confiança dos consumidores e dos empresários, a recuperação de crédito não deve apresentar melhoras significativas até o fim do semestre. “O enfraquecimento da atividade econômica, aliado a níveis elevados de inflação e taxas de juros, nos fazem crer, no entanto, que a melhora verificada em julho é apenas uma acomodação após pioras consecutivas nos indicadores de recuperação de crédito. Com o rendimento dos trabalhadores crescendo menos e a inflação e juros em alta, o consumidor vê a sua capacidade de pagamento se deteriorar, o que torna ainda mais difícil quitar ou renegociar as dívidas em atraso”, explica Marcela.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *