fbpx
Monday, August 10, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Em defesa das “brelfies”

Selfie você conhece, mas e brelfie? “Eu vou admitir: quando eu ouvi pela primeira vez a palavra brelfie, minha reação inicial foi de…

By Redação , in Educação e Comportamento News & Trends Saúde & Bem-estar , at 30/07/2015

Selfie você conhece, mas e brelfie?

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

“Eu vou admitir: quando eu ouvi pela primeira vez a palavra brelfie, minha reação inicial foi de estranheza. O que seria um brelfie? Eu não sou realmente um fã de selfies, então brelfie soou mal para mim. Mas, eu estou aqui para dizer que a brelfie é uma coisa boa”, afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski (CRM-SP 36.349), idealizador do Movimento #euapoioleitematerno.

Então, o que é uma brelfie? “É uma selfie de amamentação. Sim, isso mesmo, uma mãe tira uma selfie durante a amamentação e temos uma brelfie. A brelfie tem sido  assunto na mídia recentemente. Com atrizes como Alyssa Milano e supermodelos postando suas brelfies”, explica o médico.

Movimento das brelfies

Tradicionalmente, as mães que amamentam se sentem envergonhadas e perseguidas por amamentar em público. “O movimento das brelfies começou como forma de apoiar as mães que amamentam, colocando em foco a normalidade e a naturalidade desse ato. A amamentação em público é algo tão natural que a mãe, se quiser, deve ter a liberdade não só de praticar como também de fotografar esse momento e compartilhá-lo”, diz o médico, que é autor do blog #euapoioleitematerno.

Agora, estou ouvindo rumores de campanhas contra as brelfies. “Mas, eu tenho que perguntar: Por quê? Se as que fazem brelfies cederem, estaremos entregues a um mundo de fórmulas ao deixar o hospital e a amamentar apenas com uma capa de chuva cobrindo mães e bebês”, defende o pediatra.

Você acha que o médico está exagerando? Faça o teste! Sempre que uma imagem de uma mãe amamentando é postada ou um artigo sobre um incidente em relação à amamentação em público é escrito, leia os comentários sobre a postagem com atenção. Os comentários visando envergonhar e constranger as mães por alimentarem seus bebês são inúmeros. Moises Chencinski afirma que não devemos aceitar NUNCA comentários como esses:

  • “A amamentação é intimista e deve ser mantida atrás de portas fechadas…”;
  • “Não é decente amamentar e tirar brelfies…”;
  • “Pense nas pessoas ao seu redor e seja atenciosa, tampe esses peitos…”;
  • “Só porque você pode amamentar você pensa que é superior, você não precisa ostentar…”;
  • “É claro que você está fazendo isso apenas para chamar a atenção…”.

“Esses comentários são a razão exata para que as brelfies sejam necessárias. Você pode não acreditar, mas essas palavras negativas afetam as mães. E muito!”, diz Chencinski.

Pela “normalização” da amamentação

Sabemos que a amamentação é norma biológica, é recomendada por todas as associações médicas, mas a mudança social não acontece de um dia para o outro. “É muito importante mostrar para as mulheres, em todos os lugares, que a amamentação é normal, que não há nenhuma razão para se sentir envergonhada ou desconfortável em alimentar seu bebê em público. A mulher não tem que se cobrir. Neste sentido, as brelfies têm papel fundamental. Eles estabelecem que a amamentação é uma parte normal dos cuidados com o bebê. A alimentação do bebê é normal e pode ser vista”, defende o  médico, membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

E é preciso lembrar também, que uma mãe que não se sentir confortável não é obrigada a amamentar em público, expondo ou não os seios nesse momento. Ela não será “menos mãe” por conta disso.

“Já ouvi também pessoas insinuarem que as brelfies vão ser embaraçosas para a criança, mais tarde na vida, ou que há algo impróprio sobre isso. Não. Mais uma vez, não é diferente de alimentar o bebê com uma mamadeira e tirar uma foto. A mãe está alimentando o bebê. O excesso de sexualização das mamas em nossa sociedade causou outros sentimentos e pensamentos, mas eles não estão enraizados na realidade do ato de amamentar”, explica o pediatra.

Moises Chencinski defende que as mulheres precisam ver as brelfies. “Elas precisam ver o aleitamento materno para que elas saibam como fazê-lo. As crianças precisam ver isso para que elas saibam que é normal um bebê mamar. Precisamos apoiar essa iniciativa. A vergonha tem que acabar. Sabemos que o aleitamento materno está aqui para ficar e tem a brelfie como aliada. Acho melhor o público se acostumar com isso. Aproveite a Semana Mundial de Aleitamento Materno de 2015 (01 a 07 de agosto)  e faça a sua primeira brelfie”, recomenda o médico.

Santos Futebol Clube e #euapoioleitematerno

Para celebrar a Semana Mundial de Aleitamento Materno e apoiar a mãe que amamenta, o Santos Futebol Clube entrou em campo no dia 26 de julho com uma camiseta e uma faixa de apoio ao Movimento #euapoioleitematerno, à Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) e à mãe trabalhadora. No dia 08 de agosto, o time entrará em campo novamente com a camisa que presta homenagem às mulheres que amamentam no jogo contra o Coritiba. “Essa ação em conjunto com o Santos tem o mesmo objetivo que a popularização das brelfies: normalizar a amamentação. E amamentar só será ‘normal’ e aceitável quando toda a sociedade se voltar para essa questão”, diz Moises Chencinski.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *