fbpx
Thursday, October 29, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


EUA: negociações de paz voltam a trazer conflitos

Como as negociações de paz apoiadas pelos EUA quase entraram em colapso, os sucessores dos atuais líderes em Ramallah e…

By Redação , in Mundo News & Trends , at 03/06/2014 Tags:

Como as negociações de paz apoiadas pelos EUA quase entraram em colapso, os sucessores dos atuais líderes em Ramallah e Jerusalém brigam por posição. Mais cedo ou mais tarde, uma nova liderança palestina e israelense vão surgir, mas será isso o suficiente para reanimar o processo de paz perenemente moribundo?

Do lado israelense, o primeiro ataque verbal político surgiu ainda que o Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, estivesse ocupado inventando uma fórmula para reviver um negócio complicado que iria libertar prisioneiros palestinos e estender as negociações por até um ano.

EUAflag

O Ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, disse em Nova York que prefere concorrer nas novas eleições em Israel, e previu que em breve iria substituir seu líder do partido, Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel.

E há vários meses, Mohammed Dahlan, um ex-fiel exilado do partido no poder palestino, o Fatah, tem trocado farpas publicamente com o seu ex-chefe, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, durante a coleta de apoio financeiro no exterior para se preparar para um retorno.

Diversos outros candidatos de ambos os lados são cotados como candidatos plausíveis para a liderança. Kerry, porém, bem consciente de sua própria perda de prestígio em casa, caso as negociações falhem, ele já está se esforçando para que Abbas e Netanyahu – ainda no comando – voltem à mesa de negociações.

As coisas pareciam sombrias no início de abril, quando Lieberman subiu ao palco em uma manhã de domingo, em Manhattan, onde o The Jerusalem Post estava apresentando sua conferência anual. Estamos “em um momento crucial”, Lieberman disse à multidão.

Há três maneiras de fazer, disse ele. “Uma opção é voltar para o pacote”, que iria libertar dezenas de prisioneiros palestinos, como foi planejado antes que Abbas fizesse sua ação na ONU.

Outra, promovida por “alguns analistas “, acrescentou ele, é a remodelação da coalizão governista de Israel para torná-la mais adequada para concessões aos palestinos .

“E a terceira opção é uma nova eleição. Nós preferimos uma nova eleição e não um pacote ou uma nova coalizão. “Mais tarde, dirigindo-se aos apoiadores judeus de origem russa do bairro Brighton Beach, em Nova York, Lieberman previu que o próximo primeiro-ministro de Israel seria um orador russo.

Nascido na Moldávia, quando fazia parte da União Soviética, Lieberman, de 55 anos, conhecido em Israel pelo seu primeiro nome russo, Evet, subiu a escada política desde que entrou no Knesset – o parlamento de Israel – em 1999 como um direitista do Partido Likud.

Mais tarde, ele deixou o Likud para formar o Israel Beyteinu (que significa “Israel é nosso lar “), um partido apoiado em grande parte por judeus de origem russa. Na última eleição israelense, em janeiro de 2013, o partido comandado por Lieberman se uniu com o Partido Likud, liderado por Netanyahu. Sua manobra rendeu a Lieberman uma boa reputação como um operador político astuto.

Alguns defensores de uma paz negociada com Israel esperam que “sangue novo” pode reacender o processo. A má notícia é que a rixa entre os povos parece ser muito mais profunda que as diferenças entre seus líderes

© 2014, IBTimes.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *