fbpx
Friday, January 22, 2021
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Gato 2021

Nem bem o ano chegou e já trouxe novidades: um gato apareceu aqui no quintal. Outros aparecem e somem; este…

By Redação , in Brasil Cássio Zanatta Mundo News & Trends , at 05/01/2021

Nem bem o ano chegou e já trouxe novidades: um gato apareceu aqui no quintal. Outros aparecem e somem; este resolveu ficar. Eu já o conhecia dos seus passeios no muro, das andanças furtivas pelo telhado e pelos galhos da jabuticabeira. Mas agora, parece que ele tomou coragem de se mostrar e se aproximar de nós. Meio veiaco, ressabiado, mas lá está ele. Talvez o movimento pela chegada do réveillon tenha atiçado sua felina curiosidade.

    Veio conhecer, afinal, que gente estranha é essa, que invadiu sua casa este mês. Sim, porque a casa é dele na maioria do ano, por direito de usucapião. Os intrusos somos nós.

    Não é um gato preto, o que poderia ser interpretado como mau augúrio. Não: é malhado, preto e branco, mais branco que preto. Tem aquela magreza dos gatos que aproveitam a noite para se exercitar, explorar as redondezas e namorar. Do seu canto no quintal, fica observando nosso vai e vem, quietinho. Desde que não nos aproximemos: neste caso, ele entra pelas folhagens e desaparece. Há limites para a intimidade.

     Numa casa com cinco pessoas, é certo que uma ou outra não goste de gatos. Beatriz tomou um pouco de bronca dele, porque o bichano caça seus passarinhos. Tentei explicar que é o instinto dos gatos, a lei da natureza é assim mesmo, levei a maior vaia. Por aqui, a torcida pelos passarinhos dá de lavada. De qualquer maneira, é bonito vê-lo em sua atitude de caçador, a se espreitar lentamente antes do bote, parece um tigre em miniatura.

     Já ganhou até nome: Praiano, em homenagem às suas cores, as mesmas do Santos. Enquanto escrevo, vejo-o pela janela a se espreguiçar no quintal, enquanto o resto da casa dorme. Está preguiçoso também, nada de caçadas por enquanto, a passarada está segura (por ora). Pensei em deixar para ele um pires com leite, mas se eu for pego em flagrante por alguém recém-acordado, levarei mais vaias, e já tenho um bom estoque delas para o ano.

     Levanto para pegar um café para mim; Praiano não se incomoda, continua espichado na grama, a aproveitar o sol da manhã, só espiando os acontecimentos. Fico feliz que ele fique: escrever é um ato solitário, e a companhia de alguém que não exige providências nem me desconcentra é bem-vinda.

     Pois o ano começa com a aparição de um gato. Deve ser um bom sinal. Estamos em janeiro, no auge da pandemia, cercados de tanta tristeza e morte, a chegada de uma vida merece ser saudada.

     Neste momento, observo Praiano às voltas com uma abelha. Tenta pegá-la com a pata – ou não tenta, apenas se distrai. Vou pegar o pires com leite.    

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *