fbpx
Friday, September 25, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Índia: Mulheres exigem maior participação na política

Mulheres de todo o mundo fizeram rápidos avanços na política nos últimos vinte anos, ganhando a eleição como primeira-ministra, presidente,…

By Redação , in News & Trends Política , at 14/04/2014 Tags:,

Mulheres de todo o mundo fizeram rápidos avanços na política nos últimos vinte anos, ganhando a eleição como primeira-ministra, presidente, chanceler, deputada e outros altos cargos. Embora a Índia tenha um primeiro-ministro do sexo feminino, Indira Gandhi, algumas outras mulheres fizeram incursões nos corredores do poder.

Uma famosa atriz de uma novela indiana anunciou sua candidatura para um assento parlamentar no estado de Uttar Pradesh, como membro da oposição Bharatiya Janata Party de direita (BJP), onde vai desafiar diretamente o herdeiro do Partido do Congresso, Rahul Gandhi.

Mas Smriti Irani, 38, uma ex-modelo e produtora de televisão, talvez mais conhecida como estrela da telenovela “Kyunki Saas Bhi Kabhi Bahu Thi” (“Porque uma mãe de lei, já foi uma filha em lei também”, em português), enfrenta uma difícil luta para ganhar – não só contra a poderosa dinastia política Nehru-Gandhi do Congresso, mas também uma outra realidade política da Índia: altos cargos governamentais são quase inteiramente dominado por homens.

De fato, a Índia tem poucas mulheres em posições de poder político. Consequentemente, vários grupos de direitos das mulheres no país estão exigindo que as próximas eleições parlamentares servirão como uma plataforma de lançamento para atualizar o status das mulheres e, mais especificamente, que as leis em Nova Déli facilitem a entrada de mais mulheres na política.

Na atual Lok Sabha (Câmara do Parlamento), as mulheres detêm apenas 11,4 por cento de todos os assentos, enquanto a Rajya Sabha (Câmara Alta) tem 11,4 por cento de representação feminina estranhamente similar.

Para colocar esses números em perspectiva, considere que em nações islâmicas conservadoras vizinhas como Afeganistão, Paquistão e Bangladesh – que são consideradas estados menos democráticos – as mulheres são responsáveis por 28, 21 e 20 por cento dos Parlamentos, respectivamente, de acordo com a União Inter-Parlamentar (UIP), uma organização internacional com sede em Genebra, que defende um maior acesso ao poder político para as mulheres.

Ao todo, dos 790 parlamentares em ambas as casas do Parlamento na Índia, apenas 90 são mulheres. Desde janeiro deste ano, cerca de 21,8 por cento de todos os assentos parlamentares no planeta são ocupados por mulheres.

“É chocante que nós, na Índia, ficamos para trás dos nossos vizinhos como o Afeganistão, Paquistão e Bangladesh na representação das mulheres no parlamento”, diz Radha Kumar, diretor-geral do Grupo de Política Déli.

“O preconceito de gênero ainda está profundamente enraizado na nossa mentalidade. As mulheres na Índia têm que seguir em frente, já que a supremacia masculina continua a existir em todos os campos da vida”, comenta Radha Kumar.

De fato, nos mais altos níveis de poder de Nova Déli, as mulheres representam apenas 1 por cento dos ministérios de gabinete. Em sua história de 67 anos, a Índia moderna só teve um primeiro-ministro do sexo feminino, Indira Gandhi.

Khabar observou que, durante as últimas eleições gerais, em 2009, as mulheres representavam apenas sete por cento de todos os candidatos parlamentares, enquanto eles foram responsáveis ​​por quase metade de todos os eleitores. Desde a pesquisa, a participação feminina no voto continuou a crescer, mas os avanços na candidatura política feminina permanecem lentos.

A Comissão Eleitoral da Índia observou que nas eleições da assembléia estadual, realizadas desde 2010, as mulheres eleitoras superaram os homens em eleitores em 16 de 20 pesquisas.

Não está claro quantas mulheres estão concorrendo a um cargo nas eleições de 2014, mas relatos da mídia sugerem que o número total é novamente muito pequeno, talvez até mais baixo que em 2009.

“Eu sei que o meu voto tem um poder tremendo e pode fazer uma grande mudança na construção de meu futuro, mas, infelizmente, há poucos candidatos parlamentares do sexo feminino. Os parlamentares homens são incapazes de compreender os nossos problemas.”, declara Sachika Pathak, graduada na Universidade Déli.

Na verdade, com uma escassez de mulheres candidatas, algumas se preocupam dizendo que o voto não importa, embora elas ainda queiram promover a mudança social. Outra jovem, Komal Bajwa, uma estudante de psicologia na Mata Sundri College for Women, em Nova Déli, queixou-se de que as mulheres são discriminadas em todos os níveis da sociedade indiana.

“Mesmo quando se trata de votar, somos convidadas a seguir os ditames de nossos anciãos, e o voto torna-se sem sentido para nós”, diz Komal Bajwa. Outras mulheres explicam que a questão da Índia só pode ser resolvida quando mais mulheres ocuparem cargos de grande importância governo.

“O mundo da política indiana é muito confuso, e poucas mulheres querem entrar na briga”, disse Sumit Ganguly, professor de Ciência Política e diretor do Centro Global de Segurança Norte-Americano na Escola de Estudos Internacionais e Globais da Universidade de Indiana, em Bloomington. “Além disso, a Índia continua a ser uma sociedade bastante machista que não valoriza adequadamente as mulheres”.

A participação feminina do governo nas sociedades extremamente conservadoras, como o Afeganistão, é em grande parte devido a uma cota, um mecanismo de reserva, o que garante que as mulheres ocupem um número mínimo fixo de assentos no parlamento.

“A representação adequada das mulheres só é possível através de um regime de cotas, e este por sua vez, trará mais transparência, eficiência e até mesmo decência no funcionamento do Parlamento”, diz Patel Vibhuti, economista e presidente da Women Power Connect, uma ONG que luta pelos direitos das mulheres. Mas a aprovação do projeto significaria que cerca de 180 assentos na câmara baixa do parlamento teriam que ser reservados para as mulheres – uma perda drástica e repentina de poder e prestígio político para os homens indianos.

O Dr. Michael Kugelman, especialista em assuntos da Ásia do Sul, no Centro Internacional de Acadêmicos Woodrow Wilson, mantém a esperança de que, à medida que as mulheres na Índia se tornarem a maioria dos eleitores, cada vez mais elas crescerão nos cargos corporativos no setor privado e na política também. “As novas gerações de jovens indianas estão vindo com atitudes que começam a mudar o cenário atual, embora lentamente”, diz Michael Kugelman. “Isto sugere que, no futuro próximo, podemos começar a ver mais mulheres deputadas”.

© 2014, IBTimes

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *