fbpx
Friday, June 5, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Líder: olhos, ouvidos e coração de uma empresa

Por Alexandre Slivnik Mês passado ocorreu um fato que não podemos deixar de debater, principalmente para quem trabalha no segmento…

By Redação , in Negócios , at 08/04/2015

Por Alexandre Slivnik

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Mês passado ocorreu um fato que não podemos deixar de debater, principalmente para quem trabalha no segmento de gestão de pessoas.  Trata-se do acidente aéreo da Germanwings. Atestados e avaliações impediriam o copiloto de voar naquele fatídico dia. Ao invés disto, escondeu da família, da empresa e dos colegas de trabalho que precisava “se cuidar”.

Nas matérias publicadas, foi divulgado também que o copiloto teria tido uma depressão ligada ao esgotamento profissional em 2009, conhecida como síndrome de Burnout ou síndrome do esgotamento profissional. A principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônicos provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. A síndrome se manifesta especialmente em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso.

Porém a ideia neste artigo não é discutir o acidente e nem se o copiloto estava saudável ou não. Afinal, não sou um especialista em aviação mas sim em gestão de pessoas. Quero chamar a atenção sobre como são conduzidas as relações de trabalho. A importância do líder de ouvir, ver e sentir a sua equipe. Motivar com altos salários já não basta, porque cada colaborador é único e necessita da atenção de seu “chefe”, independente do porte da empresa que trabalhe. Esse cuidado é fundamental, afinal no caso do acidente, um “ vamos conversar? ”, “ o que está acontecendo? ”, “ você precisa de algo? ” Mudaria a história de mais de150 pessoas.

Nem todo talento, nem todo o profissional extraordinário consegue encontrar o seu caminho na primeira tentativa. Nem sempre a organização dá as condições de que o colaborar necessita para demonstrar todo o seu talento e assim atingir o crescimento ou reconhecimento profissional que tanto almeja.

Infelizmente, boa parte das empresas estão preocupadas somente em contratar bons profissionais e retê-los. O que vemos é que ainda as organizações estão desprezando a importância da valorização de seus próprios colaboradores. Não reconhecem um bom profissional, investem pouco em seu treinamento e não pensam duas vezes antes de cortar pessoal, quando a ordem é cortar custos ou programas de carreira e pacotes de incentivos.  Esses, estão cavando a própria sepultura, porque estão na contramão do que o mercado dita. Os prejuízos e esses erros podem se tornar imensos para a organização e desestimulantes.

Um outro fato que merece destaque dentro deste tema, foi um dado curioso que descobri durantes as pesquisas que realizei para escrever meus livros. Somente 41% das pessoas afirmaram ter potencial para ser insubstituíveis e extraordinárias. Se você não acredita, não pode fazer. Entretanto, se essas pessoas se depararem com uma organização que imprima novos conceitos, e faz com que a sua equipe acredite em algo maior do que as atividades diárias, essa realidade muda! E mudará também essa autoestima.

Desta forma, os colaboradores passarão a enxergar sentido e valor do trabalho que ele desenvolve, agregando valor ao negócio e surpreendendo a cada dia com os benefícios que trará para a empresa. Se sentirá feliz, realizado, motivado…. e com seus conflitos internos resolvidos.

Outro ponto a destacar é a resolução e antecipação dos problemas. Para isso, os líderes não podem ter medo de se deparar com um problema. Ele não é uma coisa ruim, mas uma oportunidade de crescimento. Antecipar um problema é prestar atenção em tudo ao seu redor e perceber o que pode ser um transtorno e encontrar uma solução para isso, antes mesmo do pedido de ajuda .

Um líder deve estar sempre atento e disposto a ajudar, dentro e fora da organização e por fim, também deve trabalhar para criar uma conexão emocional entre a equipe e a empresa.  Não se trata apenas de ter bons produtos ou serviços e atender de forma decente. Isso é o mínimo. Se conectar emocionalmente é se comunicar intimamente é essencial.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *