fbpx
Saturday, August 8, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Máfia italiana transforma zona rural em depósito de lixo

A Zona Rural ao redor de Nápoles era conhecida como “felix”, ou seja, abundante e feliz. É considerada uma das…

By Redação , in Mundo News & Trends Política , at 11/09/2014 Tags:, ,

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Zona Rural ao redor de Nápoles era conhecida como “felix”, ou seja, abundante e feliz. É considerada uma das áreas mais férteis da Itália. Mas esse cenário está prestes a mudar. A máfia local, conhecida como Camorra, transformou os campos de alta produtividade verdejante em depósito de lixo do país. Devido ao excesso de lixo queimado, a área começou a ser chamada de “a terra do fogo”. As chamas emitem um cheiro desagradável e tóxico. Essa queima de lixos ilegais é letal para o meio ambiente e seres humanos. A fumaça pode ser vista em todos os momentos, especialmente à noite, quando os criminosos que acendem as fogueiras podem escapar despercebidos.

As fogueiras no final das estradas rurais dificultam o acesso nos arredores de aproximadamente 50 cidades espalhadas entre Nápoles e Caserta, onde os lixos ficam amontoados nas ruas por causa da disputa de gestão dos resíduos e do trabalho escravo.

A máfia se infiltrou nos consórcios que lidam com a remoção de resíduos em quase todas as cidades. Impondo preços elevados para a remoção de lixo e até mesmo empregando trabalhadores fáceis de controlar. Fazendo isso, a Camorra ganha em dois sentidos: garante o negócio legal de lixo e mantém os italianos frustrados nas mãos, eliminando os negócios ilegais controlados pela Camorra.

O lixo já foi encontrado enterrado em estradas, lagoas, e em poços de 100 metros de profundidade, contaminando os campos e envenenando os produtos agrícolas.

O inferno administrado pela Camorra e outros grupos criminosos já contam com mais de 220 hectares, transformando a coleta de lixo ilegal em um das suas maiores fontes de renda. “Monnezza (lixo) é ouro” – disse Nunzio Perrell , um famoso informante da máfia, aos juízes em 1992.

Este novo movimento foi apelidado de “eco-máfia”, porque estão saqueando o meio ambiente para ganhar muito dinheiro: US$ 1.4 bilhões em 2012, de acordo com a Itália lobby ambientalista Legambiente.

A disposição legal de resíduos perigosos é mais caro do que o de lixo normal e pode custar até US$ 826 por tonelada. A Máfia oferece baixo custo, serviços de eliminação de resíduos por meio de trabalhadores ilegais e evita os impostos através da lavagem de dinheiro.

A devastação, que já se arrasta há anos, recentemente se espalhou para mais aldeias, provocando protestos em massa, a indignação pública, provoca dúvidas sobre os produtos premium da Itália – incluindo queijo mussarela e tomates San Marzano – se estão contaminados.

Os produtores de mussarela registraram uma queda de 30 por cento nas vendas em novembro, totalizando uma perda de  27.500 mil dólares .

“Isso tudo é uma má publicidade para produtos da Itália”, disse Raffaele Lettieri, prefeito de Acerra . “A reputação dos nossos legumes é um golpe não só na economia local, mas também na imagem global da Itália”.

“Meus amigos que vivem no exterior já pararam de comprar produtos made ​​in Italy. Mais de 1.500 famílias de agricultores vivem nesta terra e todos os dias saem às ruas para protestar”. Lettieri conseguiu reduzir a metade do número de incêndios, apertando os controles e aumentando as patrulhas policiais.

Em Acerra, existe uma força-tarefa abrindo os sacos de lixo abandonados em busca de  evidências para rastear os criminosos. Um site publica fotos de transgressores apresentados pelos habitantes locais e alerta sobre os novos incêndios, enquanto um aplicativo direciona as autoridades para o local que o lixo foi abandonado.

Até agora foram identificados três grupos de culpados: empresas especializadas que queimam borracha para extrair o fio de cobre; pequenas empresas e artesãos que violam normas de produção, empregam trabalhadores ilegais e descartam ilegalmente seus subprodutos tóxicos, e os indivíduos autodestrutivos que queimam o lixo para chamar a atenção.

As queimas de lixo estão deixando os italianos doentes.

“Muitos dos meus amigos jovens morreram, e o número de pessoas doentes aumentou drasticamente”, disse Vincenzo Cenname, prefeito de Camigliano. Não há dados precisos, mas as autoridades de saúde italianas calcularam que as cidades com a maior concentração de depósitos ilegais têm as maiores taxas de mortalidade infantil,  aumentando os tipos de malformações no nascimento, e fazendo as taxas de câncer crescer em até 20 por cento.

Nos últimos 22 anos, mais de 10 milhões de toneladas de lixo foram jogados e incendiados nos campos. Um total de 82 investigações foram conduzidas em 443 empresas e mais de 900 mafiosos foram presos, disse Legambiente.

Em 1997, o informante Carmine Schiavone testemunhou que a máfia Camorra despeja va 800.000 toneladas de resíduos em todo o reduto da máfia Casal di Principe. “Em 20 anos, todos podem correr o risco de morrer de câncer”, disse ele .

Um ação tardia está sendo tomada. Em 3 de dezembro, o governo italiano aprovou o decreto Terra de Incêndios, introduzindo penas mais severas – de até oito anos de prisão – para aqueles que atearem fogo ilegalmente nas terras.

Haverá um mapeamento completo nos campos para identificar os que foram contaminados pelos incêndios. Esses campos serão isolados dos mais saudáveis. O decreto também aloca US$ 826.000.000 para limpar aterros ilegais e propõe a implantação de uma base militar para acabar com as queimas ilegais.

“Nós não podemos esperar para impor sanções mais rigidas”, disse Lettieri . “Queima de resíduos é um crime contra a humanidade. É mortal”.

“A eco-máfia não são bandidos que andam por aí armados, mas eles querem ganhar dinheiro fácil à custa do meio ambiente e da saúde das pessoas”, disse Cenname. “Muitos cidadãos ainda não têm uma consciência civil e, desde que o bem comum não faz parte do seu DNA , as coisas nunca vão mudar”.

(c) 2014, Newsweek. All rights reserved

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *