fbpx
Tuesday, August 11, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


O Espelho

O Espelho O conceito de luta determina a necessidade de um oponente. Não há oponente. Tudo que vemos no mundo…

By admin , in Coluna , at 07/01/2015

Paulo

O Espelho

O conceito de luta determina a necessidade de um oponente. Não há oponente.

Tudo que vemos no mundo é um reflexo daquilo que existe em nós mesmos. Se vemos luta no mundo, significa que temos luta em nós mesmos. E se temos luta em nós mesmos, temos um oponente.

Embora eu tenha dito que não há oponente – em termos de “externo”, porque nada existe de “externo”; de certa forma, podemos considerar que temos um “outro lado” em nós mesmos: nossa sombra, nosso lado menos luminoso, menos generoso e compassivo. Todos temos esse lado. Não é sábio negá-lo; porque aquilo que negamos está fora de nosso escopo modificar. E nada evoluiu sem ultrapassar a fase de negação.

Aprender a ser seu melhor aliado é um bom caminho. Ao ver até a si mesmo como inimigo ou oponente… cria-se obviamente uma vida de infinita resistência, remando “contra” a maré. E a maré…também é um reflexo de você mesmo.

Todos conhecemos o termo auto-sabotagem. Mais do que isso, todos sabemos como funciona, e certamente temos exemplos disso em nossas próprias vidas. E o que seria a auto-sabotagem, senão a luta consigo mesmo? A tendência de misturar “necessidades” com vontades e de responder com justificativas para tudo, absolutamente tudo que aponte para nós mesmos. Esses são alguns modos de evitar, fugir e postergar o trabalho interno. O entendimento de nós mesmos, o auto-conhecimento.

E por aí se vê que, enquanto mantém você distraído com a “necessidade de lutar”, o ego continua no comando, dirigindo sua vida sem uma consciência efetiva das suas escolhas.
Ter a si mesmo como primeiro e principal aliado começa, naturalmente, por conhecer a si mesmo. Observar-se. ouvir o que outros, que sejam amigos honestos e verdadeiros, tem a dizer sobre você. Talvez muitos deles tivessem muita coisa útil a dizer; mas apenas não disseram ainda… porque você não perguntou.

Para este momento de recomeço, sugiro um excelente exercício de reflexão: escolha alguém em quem você confie, verdadeiramente. E pergunte sobre você, sobre as suas qualidades e defeitos. Ouça. Em silencio. Não rebata. Não justifique. Apenas ouça. E depois reflita sobre tudo que pode aprender sobre você mesmo, quando efetivamente se coloca, sem reservas, em frente ao um espelho chamado “o outro”.
Feliz 2015! Gratidão!

__________________________________________________________________________________________________________
Paulo Roberto Ramos Ferreira é Diretor de Comunicação da ONG internacional New Earth Nation; Conselheiro e Representante do Nikola Tesla Institute em SP e autor do livro O Mensageiro – O Despertar para um Novo Mundo. © 2014.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *