-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

O homem vitorioso

em Cássio Zanatta/News & Trends por

O homem vitorioso chega ao evento confiante. Desce do carro guiado pelo motorista (um homem vitorioso não dirige carros) e é saudado pelos flashes. Uma multidão o cerca mas, a um sinal seu, todos abrem caminho. O pavio que faz explodir o espetáculo é aceso com sua chegada.

Todos querem estar junto a ele, sentir o brilho, pegar emprestado seu sucesso. A todos ele concede um sorriso de certezas (o homem vitorioso sabe disfarçar bem). Não são dentes de quem levou porrada nesta vida ou, se a levou, o dentista fez um bom trabalho. Parece estar sempre de perfil, oferecendo seu lado mais favorável aos fotógrafos.

Antes de entrar, ele corta uma flor do buquê que ornava a entrada e a enfia no bolso do paletó. Deixa o talo lá caído, aleijado, sem entender bulhufas. O homem vitorioso se acha no direito de fazer essas feiúras e assim mesmo é admirado por todos. Deve ser o tal magnetismo pessoal. Ou o pessoal é que é muito bocó.

De repente, há uma hesitação nos convidados. Algo desvia as atenções – uma lâmpada que estourou, um grito de mulher vindo da entrada. Por alguns segundos, o homem vitorioso entra em pânico por não ser glorificado, mas o desespero dura pouco: logo uma mulher de discutível elegância vem lhe pedir uma selfie. Décimos de segundo depois do alívio, ele reassume a expressão de quem guardou uma migalha aos mortais.

Há um microfone instalado no palco. Decerto alguém pedirá que ele diga algumas palavras, a narrativa de suas conquistas. Ele então dirá pouco, pois no caso de se estender será desmascarado, a nulidade do seu pensamento ficará evidente. Brevidade, portanto: sejamos fúteis, mas não burros.

O homem impávido hesita diante do canapé que o garçom lhe oferece. Antes de aceitar seria preciso contar as calorias e não há tempo. Recusa o espumante, é preciso estar sóbrio. A admiração de todos e a inveja de alguns é suficientemente embriagante.

Terminada a noite, o homem vitorioso deixa o evento e nem precisa chamar o carro: este já está à sua espera. Entra, senta-se, ajeita seu troféu pesado no banco de trás (sempre há um troféu) e confirma com o motorista o destino. Antes de partir, um último esforço antes de esvaziar os sorrisos e um tchauzinho para alguns conhecidos. São todos isso: conhecidos. Mesmo os mais babentos.

Pede ao motorista que desligue a música do carro, está cansado. Não fala, não olha a cidade que desfila pelo vidro. Desfaz o nó na gravata como se fosse uma libertação. Confere pelas redes sociais sua glória inquestionável.

Um suspiro.

Ninguém diria que, antes de despencar na cama, o homem vitorioso toma um Toddy batido, preparado por ele mesmo, se desespera por um segundo na banheira cheia de espuma e dorme agarrado ao seu ursinho de pelúcia, curvado feito um feto à espera da tal de vida.

loading...

Comentários no Facebook

Últimos de Cássio Zanatta

Nessa Noite

Nessa Noite, há 2018 anos, algumas cabras e burros, uma estrela particularmente

Escrevo porque

Escrevo para ver se aprendo. Para poder conversar com você, mesmo que

Lá vai Maria

Nenhum pio no elevador. Um breve comentário sem necessidade ecoa na garagem
Voltar p/ Capa