fbpx
Wednesday, July 15, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


O perigo das ideias

Melhor seria ficar quieto no canto, pitar na varanda no escuro, deitar a cabeça no cachorro, fazer palavras cruzadas enquanto…

By Cássio Zanatta , in Cássio Zanatta News & Trends , at 01/11/2016 Tags:

Melhor seria ficar quieto no canto, pitar na varanda no escuro, deitar a cabeça no cachorro, fazer palavras cruzadas enquanto a vó tricota, assistir aos três Poderoso Chefão em seguida, ler cada parágrafo do manual de instruções, praticar yoga na areia da praia. Mas não.

Você vai telefonar para ela, atravessar a rua distraído, ir ao bar, tocar a campainha, puxar prosa, sair na chuva, comer fritura, insistir no olhar, aceitar o convite, contar as estrelas, fazer a pergunta.

Ter ideia é um perigo.

Essa coisa de beber para rebater o porre de ontem é furada. Tentar subir na cachoeira para ver como é lá de cima. Abrir o carrinho de dar corda para ver como é dentro.

Nada de começar a fumar, só de curiosidade. Apaixonar-se de brincadeira, só para dar gostinho na vida, há 4.718 anos que isso não dá certo e já desorientou muita vida. Não toque nessa pele, não toque, não toque.

Para que a tatuagem com esse nome, se um dia ele pode não dizer nada? Esqueça essa história de viajar para o Amazonas de carona. Vai mesmo provocar o gato? Jogar sinuca no Centro, a essa hora? Debruçar no muro para ver melhor os ursos, sei não, hein. Defender o Governo, a religião, o time, o porteiro que dorme de madrugada, fria. Ler Poe já meio deprimido, tem certeza? Isso de misturar gim com menta, conhaque, vermute e fanta não vai dar em boa coisa.

Tentar a bicicleta redentora do time, cercado por três zagueiros mais altos que você, talvez não seja o lance. Fazer serenata debaixo da janela da filha do delegado, ah, vai. Tire os olhos desse ovo cor de rosa no balcão do boteco.

Nada de bancar o engraçadinho com o oficial da imigração. De bancar o valente com o leão-de-chácara da boate. Sem essa de mostrar sua habilidade em domar o cavalo chucro para impressionar a moça. Não tente adivinhar pelo formato da cabeça se a cobra é venenosa.

Não tente subornar o guardinha. Não dê dinheiro ao garçom na festa para ser melhor servido. Não cole na prova do amigo mais burro que você. Não ache a irmã do amigo interessante. Não ache a mãe do amigo interessante.

Nunca diga que foi, que leu, que assistiu, se você não foi, não leu, nem assistiu.

Então o sujeito resolve tirar o acento da palavra “para”, e agora a gente fica sem saber: é para ir para, ou é para parar? Para você ver que essa coisa de ter ideia é um perigo.

Sossegue nesse canto. É uma boa ideia. Mas da janela do outro lado da rua, do bom senso, do chão, do centro, da paz, chega aquela música.

 

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *