fbpx
Friday, September 25, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


O que é o racismo científico?

O uso de informações genéticas sobre pessoas e grupos pedirá trazer o ressurgimento do racismo científico, alertou Nina Jablonski, distinta…

By Redação , in The São Paulo Times , at 21/02/2014 Tags:

O uso de informações genéticas sobre pessoas e grupos pedirá trazer o ressurgimento do racismo científico, alertou Nina Jablonski, distinta professora de Antropologia na Universidade Penn State, na reunião anual da Associação Americana ao Avanço da Ciência, em Chicago. “Qualquer sistema de crença que busca separar as pessoas com base na herança genética ou diferentes características físicas ou intelectuais é simplesmente inadmissível na sociedade humana”, disse Jablonski .

O que preocupa Jablonski é o uso de características genéticas para descrever e desenvolver intervenções específicas para cada grupo, em especial, a eventual aplicação da genética para criar abordagens peculiares à educação. A ideia de que a composição genética determina como os indivíduos e grupos diferentes devem aprender, pode levar educadores a cometerem racismo, disse ela.

Jablonski teme o ressurgimento de ideias eugênicas (apropriado para a produção de boa prole, que visa o melhoramento da raça) que existiu no início do século 20, associada ao nazismo. Se os geneticistas não forem cuidadosos, o racismo científico pode voltar a assombrar o século 21, advertiu Jablonski em um comunicado à imprensa. “A aplicação de intervenções baseadas em genômica, potencialmente benéfica, não pode ser feito em uma base racial”, disse ela.

Dos 3,2 milhões de pares das bases do genoma (conjunto completo de cromossomos derivado de um dos genitores) de cada novo bebê, muitas mutações surgirão – geralmente o número aceito é de 100 mutações, embora algumas pesquisas recentes têm instigado um debate entre os geneticistas. Independentemente disso, porque cada geração tem sua própria combinação única de mutações de seus próprios indivíduos, eles podem servir como marcadores ou “farinha do mesmo saco”, como o Dr. Spencer Wells, Diretor do Projeto Genográfico da National Geographic, os chama.

Até o momento, mais de 650.000 pessoas em 130 países já forneceram a sua informação genética ao projeto da National Geographic. O material genético dos cotonetes de alunos foram analisados ​​por uma tecnologia chamada SNP (polimorfismo de nucleotídeo único), onde os chips do computador de sondagem identifica 150 mil mutações diferentes.

“Neste momento, nós ainda estamos no processo de coleta de dados”, disse o Dr. Wells ao Science Times. “Nós estamos tentando conseguir mais provas, e como coletar dados de mais pessoas, assim podemos colocar seus dados em nossa base de referência. Os alunos serão capazes de recolher a sua composição racial, bem como a sua herança Neanderthal. Eu não acho que a quantidade genética Neanderthal de uma pessoa não diz se ela é mais ou menos primitiva”, disse Wells. “É apenas parte do genoma humano”.

© 2014, iScience

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *