fbpx
Saturday, March 28, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


O que fazer para prevenir alergias alimentares em bebês?

Com as alergias alimentares em crianças em ascensão, os pais, muitas vezes, se perguntam: como posso evitar esse problema no…

By Redação , in News & Trends Saúde & Bem-estar , at 08/07/2016

Foto: DailyBaby.com.br
Foto: DailyBaby.com.br

Com as alergias alimentares em crianças em ascensão, os pais, muitas vezes, se perguntam: como posso evitar esse problema no meu bebê? Uma nova revisão sobre o tema, publicada em CMAJ (Canadian Medical Association Journal), com base nos últimos dados, interpreta novas evidências para orientar médicos e famílias sobre a introdução de alimentos e a prevenção de alergias.

“Segundo os autores, se os pais perguntarem como é possível prevenir a alergia em seus filhos, a recomendação mais atual é a de introduzir os alimentos alergênicos o mais cedo possível. Uma vez que eles são introduzidos, a exposição é importante para a manutenção da tolerância. As crianças devem comer esses alimentos regularmente”, afirma o pediatra e homeopataMoises Chencinski (CRM-SP 36.349).

As alergias alimentares têm evoluído ao longo do tempo, com um aumento de 18% entre 1997 e 2007, nos Estados Unidos. Uma pesquisa recente junto às famílias canadenses descobriu que 8% relataram pelo menos uma alergia alimentar. Os alergenos mais comuns são leite de vaca, soja, amendoim, nozes, ovos, trigo, peixe, marisco e gergelim.

Bebês com pais ou irmãos que sofrem de alergias, especialmente a amendoim, estão em maior risco de atopia. Um estudo recente sobre o amendoim – (LEAP) study  – descobriu que a introdução do alimento precocemente reduziu o risco de alergia alimentar em até 80%. No entanto, as crianças com alto risco de alergia a amendoim podem se beneficiar da avaliação de um alergista antes da introdução do alimento.

“Como resultado do (LEAP) study, entidades como a Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia, a Academia Americana de Pediatria e a Sociedade Canadense de Alergia e Imunologia Clínica, afirmam, agora, que para crianças de alto risco, há fortes evidências que apoiam a introdução de amendoim entre 4 e 11 meses”, informa o médico.

Orientações anteriores recomendavam evitar alimentos potencialmente alergênicos até 12-36 meses de idade em bebês de alto risco. Como consequência, algumas mulheres evitavam sua ingesta durante a gravidez e a amamentação para tentar impedir o desenvolvimento de alergias em seus bebês. No entanto, as diretrizes atuais não suportam dietas de eliminação.

Para introduzir novos alimentos, a Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia recomenda:

  1. Introduzir um novo alimento, a cada 3-5 dias, de uma maneira apropriada para a idade (para evitar a asfixia);
  2. Começar com grãos e legumes e frutas amarelos e laranjas;
  3. Introduzir um dos alimentos potencialmente alergênico, se bem tolerado, em pequenas quantidades (por exemplo, leite de vaca, soja, ovos);
  4. Introduzir alimentos altamente alergênicos em casa;
  5. Aumentar a quantidade de alimentos durante vários dias.

“Já é bem documentado que evitar alimentos alergênicos não é uma forma de prevenir a alergia alimentar. No (LEAP) study, há fortes evidências de que a introdução precoce de amendoim é de fato preventiva. Com isso, teremos muitas mudanças nas diretrizes atuais sobre a introdução de alimentos. Muitas serão revistas. O melhor é conversar com o pediatra e tirar todas as dúvidas, tentando manter, ainda assim o aleitamento materno exclusivo até o 6º mês e iniciando essas medidas apenas quando da introdução alimentar”, orienta o médico,          que é membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Sobre a alergia alimentar em crianças, veja:

 https://www.youtube.com/watch?v=MCYDmNHoMEA

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *