-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

O silêncio

em Cássio Zanatta/News & Trends por

Escuta como pesa. Era para ser nada, resolveu ser martelo. Silêncio coisa alguma, invade o ouvido e insiste num zumbido infernal de tão inexistente.

Vou interfonar para o vizinho reclamando dessa porra de silêncio. Vou sair de pijama na rua, irromper no bar e dar um esculacho nos briacos calados. Invadir a festa que não há no 31 e dizer que assim não é possível. Pular a grade do prédio vizinho, ignorar os braços agitados do porteiro dentro da guarita, subir correndo as escadas e esmurrar delicadamente a porta do sujeito que não berrou da janela no gol do adversário.

Onde os rojões que acordam os cachorros e os fazem latir em desespero, e despertam os bebês que esperneiam de susto, por sua vez acordando os pais, assim substituindo o silêncio pela vida? Onde as sirenes que nos tranquilizam de madrugada? O bêbado que canta Lupicínio na madrugada? – não me diga que ele se reconciliou com a amada. Alguém grite alguma providência.

Ligar ao mesmo tempo televisão, computador, aspirador, o robô de pilha antigo e o rádio-relógio nos programas mais barulhentos. Que o pastor evangélico esteja particularmente irado contra os possuídos e urre com histeria. Assistir a um filme de terror e berrar de pavor. Quem sabe alguém se assuste, grite também e espalhe essa cadeia de, enfim, barulho.

Lá fora, a tempestade. Mas só o relâmpago, o trovão se quietou. Só vemos as árvores balançando quietas, como se a janela estivesse eternamente fechada. Mesmo os pingos, caem com grossura na moita. Mas as moitas, você sabe, já vêm com amortecedor de fábrica.

O baque do besouro na parede. O pouso da folha. O caminho do pente. A mudança do vento. O estalo do pensamento. O nascimento da estrela. O piscar do vagalume. Como grita o silêncio.

Nessa hora faz falta o tic-tac no relógio digital.

Enfim, ouvintes que me lêem: confesso em alto e bom som que tive a chance de quebrar o silêncio, mas nada consegui dizer. Eu devia ter soltado a voz, mas engoli quieto no meu canto. Ganhei a compreensão de todos, mas a saúde vai me cobrar caro. Ficou essa pausa, clamando para quem quiser ouvir.

A culpa é toda minha. Mas peço encarecidamente que façam silêncio sobre isso.

 

loading...
Tags:

Comentários no Facebook

Últimos de Cássio Zanatta

Pedaços colados

Dizem que para os lados de Batatais há um especialista em juntar

Estou em missão

Não se deixe enganar pelo ar avoado. Este olhar para o alto

Este seu olhar

Este seu olhar, quando encontra o meu, fala de umas coisas que

O que dizem as folhas

Um vento forte na madrugada derrubou as folhas das quatro mangueiras atrás
Voltar p/ Capa