fbpx
Saturday, September 26, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Poesias para sexta-feira

Agora o The São Paulo Times conta com uma coluna dedicada a poesias chamada “Poética Urbana”. Ela será publicada toda…

By Redação , in Coluna , at 23/01/2015

poetica

Agora o The São Paulo Times conta com uma coluna dedicada a poesias chamada “Poética Urbana”.
Ela será publicada toda sexta-feira. Para colaborar envie sua poesia para [email protected]

Quem te abriga
(Marcelo Adifa)

Chama
de Pátria
quem te abriga

Não ao corpo
mas a ferida
de tua saudade

—-

Verde, teus olhos
(Marcelo Adifa)

Verde, teus olhos morena
verde, encanto que há
verde que explode, incendeia
a pele de quem quer estar

Verdes caminhos teus olhos
vida que não quer calar
verde, um instante menina
verdes, pra sempre mulher

Verde, teus olhos morena
vida, encanto que há
vida que explode em teus olhos
vida de quem sabe amar

Um sorriso de quem vive a vida
acima de tudo o que há

—-

Se eu prometo
(Marcelo Adifa)

Se eu prometo
eu cumpro

Se eu falo
assumo
e se sumo
a culpa
é de todos
minha, tua
do mundo

Se eu me calo
respeite
Se eu gritar
aguente
Meu canto
profundo
é mais denso
que a dor
que agora levo

É o fundo
do poço
do mundo
da terra
futuro

É ser mais que
um sonho
é buscar o agora
meu mundo

Eu me faço num beijo
se arrisco, desejo
ser a luz que ilumina
teus caminhos
a sina…

—-

Vertigem
(Marcelo Adifa)

Dá-me da boca consolo
No descanso que seus
Olhos oferecem,

Beijo, assim que
de seus lábios tomo
o centro do mundo
o inicio de tudo

esqueço do tempo
que corre, minutos
futuro que cinge
os ponteiros da vida
ao seu lado

—-

O Beijo
(Marcelo Adifa)

O beijo
tem gosto de muito,
de quase um tudo
que se queira tão bem

Por seu beijo
me faço de mudo
transformo o mundo;
o seu, mais ninguém…

Teu beijo é o doce no escuro,
o gosto mais puro de bem querer

beijo que,
se numa hora lhe roubo
agora devolvo,
com o meu pra você

—-

Do pobre a miséria
(Marcelo Adifa)

Ri do pobre a miséria
do pecado a singela
Virgem de todo milagre

Ri um riso forjado
num canto ou altar

Ri de quem acha
ser maior do que Cristo
ter a chave do início
de quem de Deus quer
o lugar

__________________________________________________________________________________________________________
Poética Urbana. © 2014.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *