fbpx
Saturday, August 8, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Tecnologia patenteada inibe a adesão e multiplicação de células de câncer

Pesquisadores da Unesp de Botucatu e de Araraquara desenvolveram droga que auxilia o processo de inibição celular. A heparina é…

By Redação , in Brasil Saúde & Bem-estar Tecnologia e Ciência , at 06/02/2015

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Pesquisadores da Unesp de Botucatu e de Araraquara desenvolveram droga que auxilia o processo de inibição celular. A heparina é um anticoagulante, medicamento que de maneira geral é utilizado no tratamento de doenças como embolia pulmonar, infarto do miocárdio e AVC. Seu uso normalmente não é associado ao controle do câncer. O Professor Dr. Matheus Bertanha, da Unesp de Botucatu, e sua equipe perceberam que a partir de algumas alterações nas moléculas de heparina ela poderia ser associada ao tratamento de metástases cancerígenas.

Apesar do uso de heparina não ser comum nesses casos, o Professor Bertanha explica: “Na literatura científica, há descrição de melhora no prognóstico para o tempo de vida dos pacientes portadores de câncer terminal que apresentam trombose venosa profunda e são tratados com heparina”.

Todos os estudos realizados até o momento foram experimentos in vitro, ou seja, realizados fora de sistemas vivos, e apontaram resultados satisfatórios. Esta pesquisa foi desenvolvida apenas em laboratório, por docentes da Unesp e está vinculada à disciplina de Cirurgia Vascular da Faculdade de Medicina (FM) da Unesp, ao Hemocentro da Faculdade de Medicina (FM) da Unesp de Botucatu , ao Instituto de Biociências (IB) de Botucatu – Unesp e à Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) de Araraquara – Unesp.

Além do professor Dr. Matheus Bertanha, estão envolvidos na pesquisa os professores Dr. Marcone Lima Sobreira da Disciplina de Cirurgia Vascular da Faculdade de Medicina (FM) – Câmpus Botucatu; a professora Dra. Elenice Deffune, do departamento de Urologia e Hemocentro da FM da Unesp – Câmpus Botucatu; o professor Dr. Sérgio Luis Felisbino do Instituto de Biociências (IB) da Unesp – Câmpus Botucatu e o professor Dr. Andrei Moroz do Departamento de Bioprocessos e Biotecnologia da FCF.

“Inúmeros outros testes devem ser realizados para sabermos qual será o potencial de uso clínico desse medicamento”, explica o Professor Bertanha. A pesquisa ainda está em fase inicial e o pedido de patente foi realizado pela Agência Unesp de Inovação. “Precisamos conseguir recursos e/ou parcerias para realizarmos todas as padronizações necessárias e assim, obtermos mais respostas quanto ao seu uso futuro”, completa Bertanha a respeito de suas expectativas e de sua equipe para o invento.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *