fbpx
Friday, July 3, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Teste genético estima idade biológica X cronológica e avalia hábitos de vida e riscos de doenças

Exame permite calcular a pontuação do paciente, representada no laudo de forma gráfica. Um teste que revela a associação entre…

By Redação , in Brasil Saúde & Bem-estar The São Paulo Times , at 06/04/2014 Tags:

Exame permite calcular a pontuação do paciente, representada no laudo de forma gráfica.

Um teste que revela a associação entre o encurtamento dos telômeros (sequências repetitivas de DNA que existem nas extremidades de todos os cromossomos humanos), os hábitos de vida do paciente e o risco para várias doenças – como as cardiovasculares, diabetes e alguns tipos de câncer, já está disponível no Delboni Auriemo Medicina Diagnóstica.

Com a função de proteger e separar os cromossomos, os telômeros são semelhantes à capa plástica de cadarços de sapato, que impedem que o cadarço desfie, estrague e perca sua função. Em cada célula humana existem 23 pares de cromossomos, e, portanto, 92 telômeros (um em cada extremidade de 46 cromossomos no total).

“Cada vez que uma célula se divide, o telômero fica um pouco mais curto”, explica o Dr. Rafael Munerato, diretor clínico do Delboni. Segundo ele, o encurtamento faz parte do ciclo natural da vida e está relacionado aos hábitos adotados durante os anos. “Porém, telômeros curtos podem ser responsáveis por algumas das mudanças que associamos ao envelhecimento normal e não impedir a divisão descontrolada das células (câncer). Por isso é importante medi-los e mantê-los dentro dos níveis considerados normais”, afirma o médico.

O Teste para Medição dos Telômeros é realizado por meio de uma coleta simples de sangue, assim como um hemograma. Ele pode ser requisitado por especialistas das áreas de geriatria, nutrologia, endocrinologia, dermatologia, entre outras. “A partir do sangue, se extrai a célula (glóbulos brancos nucleados – Linfócitos T) para estudo do cromossomo e é possível analisar a extensão dos telômeros por uma metodologia de alta sensibilidade e última geração”, revela o Dr. Munerato.

Como resultado, é revelada uma pontuação ou índice do paciente. Baseado no cálculo do comprimento dos telômeros, o exame permite calcular a pontuação do paciente, representada no laudo de forma gráfica. De acordo com o especialista, no exame, o índice de telômeros de um paciente é comparado ao índice médio de telômeros de uma população da mesma faixa etária. Se a medição estiver normal ou acima da média, o médico terá uma determinada conduta. Se estiver abaixo, a orientação será outra.

Com o laudo em mãos ainda é possível verificar se o paciente, além das características genéticas, está fazendo as escolhas corretas e aconselhá-lo para uma maior prática de exercícios físicos, mudança em sua dieta e outras questões. O médico pode optar pela administração de suplementos que podem ajudar na manutenção dos telômeros ou a reversão do processo de encurtamento.

Segundo o especialista, o teste também tem função indireta para a estética, pois reflete na melhoria da qualidade de vida e pode retardar o processo de envelhecimento. “Com o auxílio do resultado, os especialistas podem sugerir medidas preventivas para ajudar as pessoas a lidarem com o estresse, por exemplo, e aumentarem sua qualidade de vida e bem estar”, finaliza.

O Teste para Medição dos Telômeros só pode ser realizado por meio de pedido médico, já que o laudo necessita da interpretação e acompanhamento de um especialista.

O que o exame pode revelar?

Bom índice de telômeros, bom estilo de vida: é a confirmação de que as ações escolhidas e hábitos de vida adotados estão funcionando;

Índice de telômeros insatisfatório, estilo de vida insatisfatório: indica a necessidade de mudanças nos hábitos de vida e evidencia o envelhecimento interno antes do surgimento de doenças externas;

Índice de telômeros insatisfatório, bom estilo de vida: neste caso, é necessário verificar com atenção o estilo de vida adotado (qualidade dos alimentos ingeridos, excesso de exercícios, estresse, entre outros) e fazer um diagnóstico mais profundo (há deficiências nutricionais subclínicas? Existe sensibilidade alimentar? É necessário iniciar algum tipo de terapia de reposição hormonal?).

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *