fbpx
Wednesday, July 15, 2020
-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-


Um remédio para cada doença

Se houvesse menos diagnósticos psiquiátricos, as pessoas se considerariam menos doentes? Um número crescente de especialistas em saúde suspeitam que…

By Redação , in Educação e Comportamento Mundo News & Trends Saúde & Bem-estar , at 11/08/2014 Tags:, ,

Se houvesse menos diagnósticos psiquiátricos, as pessoas se considerariam menos doentes? Um número crescente de especialistas em saúde suspeitam que a assistência psiquiátrica está à deriva em direção a “inflação do diagnóstico”, em que a taxa de transtornos mentais resulta de novos diagnósticos – e não devido a um aumento real de uma população cada vez mais conturbada. O pior é que esse processo pode ser alimentado pelo próprio documento que é designado para controlá-lo.

remedio

O Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM- 5), um gigante de mil páginas, que já está em sua quinta edição, dá aos pesquisadores e médicos em todo o país uma linguagem comum para discutir os prós e contras de uma mente que não está bem, permitindo que todos concordem em dizer quem está e quem não está doente. Este manual é produzido pela Associação Psiquiátrica Americana (APA).

Embora a APA insista que o documento não deve ser lido como um livro de regras, com definições imutáveis, uma publicação desse porte e calibre inevitavelmente molda o campo. Se o DSM- 5 diz que a sua dor não está de acordo com a sua definição de dor, você pode estar certo de que, aos olhos da maioria dos psiquiatras, advogados e os formuladores de políticas, você não está com dor.

Agora, considere o contrário: e se a definição do DSM- 5 de dor traz à tona um problema que você não sabia que você tinha – uma dor que não sabia e nem sequer foi considerada um problema real?

Quando a APA lançou a quinta edição do seu manual em maio de 2013, ele foi imediatamente criticado por vários pesquisadores e clínicos, os quais alegaram que algumas das revisões e modificações refletiram a agenda de um painel editorial que não tinha o melhor dos interesses públicos em mente. Por exemplo, muitos terapeutas e pais denunciaram a decisão de definir a síndrome de Asperger como uma parte do espectro do autismo, em vez de um diagnóstico independente. Alguns disseram que iriam distorcer as estatísticas. Outros disseram que isso bagunçaria as identidades.

“Eu, pessoalmente, continuo a acreditar que ter Asperger é diferente de ser autista”, declara Andy Novis, um artista e personal trainer de 50 anos de idade, que recebeu o seu diagnóstico de Asperger pouco antes da publicação do DSM- 5. Salvo por algumas ansiedades sociais, Andy lida com o mundo com facilidade, se comunica sobre suas experiências com desenvoltura e orgulha-se de sua independência ao confessar que aguarda o momento certo para começar uma família. “Enquanto eu aceito que a síndrome de Asperger pode ser parte do espectro do autismo como um todo… Eu, pessoalmente, não me vejo como autistas de qualquer forma”, comenta.

Outros especialistas, incluindo Sheldon Krimsky, professor de Política e Planejamento Urbano e Ambiental da Universidade de Tufts, tem apontado que as alterações no DSM também podem ser um grande negócio, com muito lucro para todos os envolvidos. Se, por exemplo, o DSM -5 encontra uma nova ” indicação ” para um determinado medicamento, o desenvolvedor pode renovar sua patente e manter os concorrentes genéricos fora do mercado por mais três anos. Para a maioria das indústrias, isso teria um modesto impacto modesto sobre seus lucros reais.

“A questão que eles estão levantando é totalmente legítima e vale a pena se preocupar”, diz o Dr. Allen Frances, psiquiatra e ex-presidente do DSM. “Eu conheço  as pessoas que trabalham nas publicações do DSM- 5, e eu acho que eles tomaram decisões simplesmente terríveis, mas que fizeram isso com o coração puro”, declara o médico.

Frances acredita que, embora as empresas farmacêuticas possam realmente atacar em todas as oportunidades para impulsionar as vendas e manter a exclusividade, os próprios membros do painel também foram cegados por seu desejo de ajudar “o paciente perdido” – o indivíduo com dor que, por uma razão ou outra, desaparece através de rachaduras no sistema.

Os historiadores têm observado que quando o filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein trabalhou no hospital, encarregado de entregar a medicação psiquiátrica aos veteranos da Primeira Guerra Mundial, ele dizia aos pacientes que não tomassem os medicamentos que ele trazia- supostamente ditar que, uma vez que a doença torna-se a norma, ninguém está doente mais. Embora a estratégia seja um pouco extrema, a ideia por trás dele vai para o âmago do problema em mãos: se houver uma pílula para curar todos os males, não haverá mais uma mente saudável?

©  Newsweek, 2014.

Comments


Deixe uma resposta


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *