fbpx

-Smart Writers & Smart Content & Smart Readers-

WhatsApp é meio preferido dos solteiros para paquerar

em Educação e Comportamento/News & Trends/Tecnologia e Ciência por

A tecnologia conecta pessoas e essa conexão pode construir relacionamentos longos e duradouros. Sem dúvida, hoje em dia é muito mais fácil conhecer melhor uma pessoa por diversos meios e redes sociais. Assim, o ParPerfeito (www.parperfeito.com.br), maior site de relacionamento do Brasil, realizou uma pesquisa com 1,8 mil pessoas para identificar como a tecnologia auxilia os solteiros e quais são as redes sociais preferidas deles para ter mais informações sobre os pretendentes que conhecem no site.

Para 40% dos homens, vale já na primeira conversa com uma pretendente buscar outro meio para conhecê-la melhor. E para 76% deles o primeiro passo é adicionar o contato em seu WhatsApp, já 25% preferem adicionar no Facebook. E para investir mesmo em alguém, o melhor recurso é uma boa conversa pelo WhatsApp, segundo 65% dos respondentes da pesquisa do ParPerfeito.

Agora, e como demonstrar que aquela pessoa é alguém especial em sua rede social? 42% dos homens afirmaram que para mostrar que está a fim de alguém curtem todas as fotos dela nas redes sociais, 31% começam a chamá-la para conversar por inbox e 27% curtem e comentam todas as fotos em todas as redes sociais.  E quando eles percebem pelo comportamento nas redes sociais que ela também está a fim? 58% afirmam ter certeza disso quando conversam apenas por mensagens privadas e 25% quando vê que ela curte e comenta tudo.

E no perfil de um solteiro, o que não pode faltar? Ter muitos amigos novos é essencial para 35% deles, 27% acham imprescindível ter muitas selfies e 20% acham que o mais importante é parecer popular, com muitas curtidas e comentários nas fotos. Aliás, eles até confessaram que às vezes pedem ajuda aos amigos para isso. E o que mais os irrita  nas redes sociais? Para 27% deles o pior é receber comentários com muita intimidade quando a pessoa não é tão próxima, 23% odeiam ser marcados em fotos e 19% acham um absurdo que alguém comece a adicionar e conversar com seus amigos e familiares.

“A facilidade das redes sociais realmente pode ajudar muito na aproximação das pessoas e isso pode virar um grande amor ou apenas uma experiência afetiva positiva, mas é preciso cuidar para que essa mesma facilidade não se torne uma via de invasão de privacidade ou confusão sobre o que realmente está acontecendo entre duas pessoas”, comenta Rosana Braga, consultora de relacionamento do ParPerfeito. “Amor, intimidade e confiança são sentimentos construídos com tempo e muito diálogo. Mas o fato é que homens e mulheres sentem esse tempo e as conversas de modos diferentes. Se os dois conseguirem se abrir para uma conquista leve e saudável, só terão a ganhar, nem que seja no nascimento de uma ótima e sincera amizade”, explica.

Já as mulheres demoram mais para querer ter o paquera nas redes sociais e 32% delas adicionam alguém apenas depois que já conheceu o pretendente pessoalmente. E quando chega essa hora, onde preferem conversar com ele? O WhatsApp foi escolhido por 73% delas. Aliás, a maioria 74% elegeu o WhatsApp como meio oficial de paquera, enquanto o Facebook foi escolhido por apenas 24% delas.

“A pesquisa revela ainda quais são os sinais que elas dão quando estão a fim de alguém: 59% preferem apostar em conversas por inbox, 30% curtem todas as fotos deles nas redes sociais e 11% não só curtem, como também comentam tudo o que ele posta”, conta Clarissa Assumpção, diretora de marketing do Match Group LatAm, empresa detentora da marca ParPerfeito. “Outra revelação é sobre o momento que elas percebem que ele está a fim. 62% afirmam ser quando ele passa a enviar mensagens inbox, 22% quando vê que ele curte e comenta todas as fotos dela”, completa.

loading...

O The São Paulo Times® traz matérias e notícias, além de identificar tendências por meio de uma equipe de jornalistas e colunistas especializados em diversos assuntos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*

Últimos de Educação e Comportamento

Voltar p/ Capa