Tradição Internet

Published

on

Tradição Internet

Outro dia saí com uns amigos. Entre eles, gente nova. Uma amiga levou um novo amigo, que estava conhecendo. Perguntei de onde e, eis que a resposta veio: “não foi por meios tradicionais”. Em dúvida, indaguei: “Internet?” – Aham… com um sim feito com a cabeça confirmaram a resposta.

E afinal, a tradição muda. Poucas “coisas” culturais se mantêm tradicionais, como uma comida local, uma roupa, uma dança. Mas, os modos de se relacionar estão cada vez mais dinâmicos. Já me confunde dizer que internet não seja uma nova forma de se comunicar, mas tão habitual, que, por que não em pouco tempo se tornar ou ser reconhecida como “tradicional” também?

Esta amiga é uns oito anos mais nova do que eu. Já faz parte de uma geração que tem um novo modo de se comunicar. Teve outra forma de introdução à internet. Acredito que, se um dia pegou uma enciclopédia, foi por curiosidade para saber como é e não para fazer pesquisa para a escola. Deve ter contado o número de cartas que trocou com amigos, e se o fez, foi por puro charme, não necessidade.

Na minha adolescência, conhecia gente de outras cidades nas férias, por exemplo, e mantinha a relação desta forma, trocava cartas e fotos assim: a gente escrevia, passava a limpo. Se tinha fotos, ia revelar para colocar dentro do envelope. Passava em uma agência dos correios e enviava. Alguns dias (e não segundos depois), ela chegava ao destinatário.

Conheço um casal que se conheceu em um site de relacionamentos há uns doze anos. Ela, cantora de voz grossa e potente. Ele, advogado. Ambos com medo do que iriam encontrar à noite. Os dois se apoiaram em amigos para o primeiro encontro. Ela tinha uma que rondava o bar de carro, caso precisasse de ajuda. Ele ligou para o sócio, depois de falar com ela por telefone, por causa da voz grossa, desconfiado de que estivesse se encontrando com um travesti. Os dois contam esta história hoje, um casamento, um filho e anos de parceria depois, dando risada. E o casamento foi tradicional, na igreja, como manda o figurino.

Há séculos atrás, no Brasil, o tradicional era que as famílias “acertassem” o casamento para que pudessem manter a “casta”, como ainda acontece em várias culturas. Depois, levaram em consideração outros fatores, além dos sociais e econômicos. Deixaram que o sentimento, a empatia, a simpatia e o amor falassem mais alto. E desde então, as pessoas se conhecem e se escolhem por si sós. Aí pode ser na escola, na faculdade, no trabalho, na casa de amigos – o que, claro, ainda acontece na maior parte dos casos.

Mas hoje, negar a tradição da internet é impossível. Quem, com um smartphone na mão, não acorda e já dá uma olhadinha no Facebook, no Instagram, confere o Whatsapp e os e-mails? Impossível negar que este novo ser social, em sua nova sala de estar cibernética, não possa conhecer e convidar alguém para um café, um vinho ou um suco. E aí, da sala das redes sociais se encaminha para a vida “real”, por meios “tradicionais” e nada substituíveis por enquanto, quanto aquele papo olho no olho, o riso compartilhado, onde o toque, o cheiro e os seres humanos se conhecem e se reconhecem um no outro.

__________________________________________________________________________________________________________

Camila Linberger é relações públicas, sócia-diretora da Get News Comunicação, agência de comunicação corporativa e assessoria de imprensa sediada em São Paulo. © 2013.

Trending

Sair da versão mobile