Connect with us

Uma loja só de amêndoas

Published

on

claudia

Uma loja só de amêndoas

Sabe aquelas balinhas de amêndoas que costumavam servir de lembrancinha em batizados, casamentos, bodas e festas de 15 anos? Pois bem. Nunca gostei delas. Também nunca entendi o significado de dar tais balinhas como registro de um momento tão especial. Elas são amargas, certo?!

amendoa2

Na casa dos meus avós, era comum encontrar dessas balinhas em potes de vidro. Sempre à vista, capturavam a minha atenção por serem coloridas, mas eram altamente traiçoeiras: tornavam-se amargas à medida que se ia chupando e terminavam em um recheio nada mastigável. Como não possuía dentes de aço para chegar até o fim, acabava descartando ainda pela metade, já arrependida de ter colocado na boca.

Dito isso, imagine a minha surpresa ao me deparar, numa rua dos Jardins, com uma loja especializada nessas balinhas? Quase caí dura. Em tempos de bem-casados, cupcakes e macarons, não imaginava que elas ainda faziam sucesso. Também não preciso falar que hesitei muito antes de entrar. A minha lembrança ainda era beeeeem amarga.

A loja é uma verdadeira armadilha. Ao entrar, você se sente compelido a girar para todos os lados, pois suas prateleiras estão forradas de potes de vidro e embalagens numa gama inimaginável de cores.

Advertisement

Passado o impacto inicial, você é surpreendido com um cardápio de sabores. Sim, são 37 sabores de amêndoas. Além das versões tradicionais, existem as versões frutais, como banana, coco, pêssego e tangerina; as florais, com essências de rosas e violetas e as mais inusitadas, como Cappuccino, Whiskey e Champagne.

amendoa1

Capturada totalmente pelo visual, acabei me deixando seduzir pelas amêndoas milanesas – sim, elas vêm direto de Milão! – e me surpreendi. Docinhas até o fim e totalmente mastigáveis, me convenceram de que podem sim, ser boas lembranças.

Conti Confetteria: Alameda Franca, 1.153 – Jardins

__________________________________________________________________________________________________________
Clarissa Sá é carioca. Chegou em São Paulo em 2012 para trampar e acabou por tomar gosto pelas preciosidades que passou a garimpar na Pauliceia. © 2014. Para conhecer suas outras garimpadas, acesse: http://garimpandonapauliceia.wordpress.com

Advertisement

Continue Reading
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Copyright © 2023 The São Paulo Times