Connect with us

Vagas temporárias são bom negócio para levantar dinheiro extra

Published

on

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O fim de ano é a temporada que mais aquece o mercado brasileiro. Com o descimento da demanda, o comércio já começa a selecionar profissionais para reforçar sua equipe para as vendas do Natal. Os trabalhadores que querem garantir um dinheiro extra no fim do ano, já se preparam para preencher as vagas, mas há também aqueles que se preocupam em relação a um contrato por curto período na carteira de trabalho.

Para o advogado especialista em Direito do Trabalho, Ricardo Russo Jr, as vagas temporárias são boas opções para quem quer fazer um extra e entrar em 2015 com a conta no azul. “Além do trabalhador não ficar ‘queimado’ com um contrato de curto período – já que se trata efetivamente de um contrato cumprido – ele ainda garante emprego e remuneração numa época importante do ano”, afirma Russo Jr.

Para se ter uma ideia de como as vagas temporárias movimentam alguns setores da economia, a estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens e Serviços, a CNC,é de que serão oferecidas cerca de 138,7 mil vagas temporárias no fim deste ano. As contratações começaram no mês de setembro e entre os segmentos que mais contratam, estão os de perfumarias e artigos de uso pessoal e doméstico.

O setor de prestação de serviços está entre os mais aquecidos com as compras de Natal e Ano Novo. Segundo a Associação Paulista de Supermercados (APAS), serão criados mais de 6 mil novos postos de trabalho  para atender a demanda no período. As contratações já estão sendo feitas já que as expectativas são de aumento nas vendas a partir da segunda quinzena de novembro.

E, para quem tem medo ou acha que o trabalho temporário não é um bom negócio, o especialista tranquiliza. “A lei 6019/74 determina a forma específica para a celebração desse contrato. Deve ser reduzido a termo, registrado na CTPS com a informação de que se trata de um contrato temporário, com a data para término devidamente estipulada, tanto no contrato como na carteira profissional”, completa o advogado.

Advertisement

Continue Reading
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Copyright © 2023 The São Paulo Times