Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

No Brasil, 13 milhões de pessoas têm alguma doença rara

spacess

spacess

Cerca de 13 milhões de brasileiros têm alguma das doenças classificáveis como raras – que em geral são crônicas, progressivas e afetam a qualidade e reduzem a expectativa de vida dos pacientes. Há mais de 6 mil catalogadas e, entre essas, estão, por exemplo, a amiloidose cardíaca e a doença de Fabry. E, para todas elas, o diagnóstico precoce e o tratamento personalizado são o que podem fazer a diferença, diz o diretor do Grupo de Miocardiopatias do InCor (Instituto do Coração do HCFMUSP), Dr. Fabio Fernandes.

Cardiopatias raras muitas vezes se confundem com condições cardíacas já conhecidas, o que pode dificultar e atrasar ainda mais o diagnóstico, alerta Fernandes. “O diagnóstico não é simples, e depende de um alto grau de suspeita clínica. Avançamos muito nessa área. Por exemplo, para amiloidose cardíaca se fazia o diagnóstico apenas com biópsia, que é uma forma invasiva. Mas hoje já é detectada por ecocardiograma ou ressonância”.

Na amiloidose, o acúmulo de proteínas em órgãos e tecidos afeta o sistema cardiovascular, leva a sintomas como fadiga, perda de peso, sensação de estômago cheio, formigamento, dormência nas pernas, falta de ar, ritmo cardíaco irregular e aumenta as chances de casos de insuficiência cardíaca.

Já a doença de Fabry (DF) é uma falha genética que causa deficiência parcial ou total da enzima alfa-galactosidase (importante para o metabolismo). Essa deficiência leva ao depósito e acúmulo de substâncias (chamadas “glicoesfingolipídeos”) em órgãos como rins, olhos, pele e coração, causando danos – inclusive neurológicos.

“Para o diagnóstico, enxergamos aquilo em que acreditamos. Então, se não acreditarmos que possa ser um caso de doença rara, mesmo com o paciente na nossa frente, de nada adianta”, ressalta o médico. “É preciso estar atento no dia a dia para essa possibilidade”.

De acordo com especialistas do InCor e do Hospital das Clínicas da USP que mapearam a jornada de pacientes com amiloidose cardíaca, o tempo médio entre o início dos sintomas e o diagnóstico foi de 2 anos nos pacientes com condição hereditária. Destes, antes do diagnóstico correto, quase 70% já haviam consultado dois ou três especialistas.

“Nesse estudo foi possível ver que diagnosticar e tratar a amiloidose, ou condições raras em geral, são um desafio no Brasil”, destaca Fernandes. A demora no diagnóstico compromete o tratamento. “É preciso melhorar este cenário.”

Rastreamento

No caso de pessoas com diagnóstico positivo, é comum a realização de rastreamento genético dentro da família (cerca de 80% das doenças raras são de origem genética, e são hereditárias). Esse rastreamento adianta o tratamento e melhora o prognóstico do paciente. O rastreio é feito pelo Laboratório de Genética e Cardiologia Molecular e diminui o tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento. “Esse é o objetivo da medicina personalizada”, afirma Fernandes.

O InCor é um dos centros de referência nacionais em amiloidose e doenças raras cardiológicas, com três estudos multicêntricos e internacionais em amiloidose atualmente em curso. Esses estudos buscam tratamentos que atenuem a progressão. Cerca de 300 pacientes diagnosticados são acompanhados por especialistas no instituto.

Dia Nacional das Doenças Raras foi lembrado nesta terça-feira (28); especialista do InCor alerta para necessidade de diagnóstico precoce
VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Copyright © 2024. Theme by Mr Da Vinci, powered by WordPress.