Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Vida e letra

spacess

spacess

Dois sujeitos conversavam ao meu lado no balcão da padaria. Eu tomava meu café, pensando na vida, nem prestava atenção ao que diziam. O leitor deixe de ser futriqueiro se pensa que vou ficar xeretando e revelar o assunto da prosa.

     Sei que, às tantas, um deles bateu com a mão no balcão e disse alto (alto, para deixar claro de uma vez por todas que eu não fazia esforço para ouvir):

     – Desculpa, tenho que ir.

     – Mas já?

     – Não posso ficar.

     – Nem mais um minuto?

     – Desculpa, é que moro em Jaçanã. Se eu perder esse trem…

     E saiu esbaforido, deixando o outro com a mãozinha acenando um adeus desanimado.

     Não podia ser o trem das onze da famosa canção, eram apenas sete da matina. E eu, que nem sabia que ainda havia o trem pra Jaçanã, fiquei intrigado: quer dizer que as letras das músicas ganham vida subitamente? Acontecem na vida real? E quem nasce primeiro, o momento ou a canção?

    Assim, sucedeu assim? Ou sonhei que estava sonhando um sonho sonhado?

     A gente sabe que triste é viver na solidão, que a tristeza é senhora, o mar quando quebra na praia é bonito, que aqui na terra estão jogando futebol, somos testemunhas. Mas será mesmo que o gato preto cruzou a estrada? Que um índio descerá, impávido como Mohammed Ali? Há até quem duvide que as rosas não falam. E o medo de que a tarde caia feito um viaduto?

     Magnífica é aquela tragada puxada depois do café, cantava com gosto meu pai, que nem fumar fumava. Se nós, nas travessuras das noites eternas, já confundimos tanto as nossas pernas, cantarolou a freira ao meu lado no ônibus. Sentimental eu sou, eu sou demais, cantava no boteco às lágrimas o torturador ao fim do dia. Letra e vida, cada um para um lado.

     A vida imita a arte, diz o dito popular. Mas a arte não pode negar que a vida dá umas ideias bem bacanas. Então, quem é o compositor, e quem só plagia descaradamente? Sei lá, não sei. Nem sei se gosto mais de mim ou de você. Certeza, apenas que o tempo passou na janela e só Carolina não viu.

     Se eu tivesse o talento de um Adoniran, talvez na hora transcrevesse a conversa num guardanapo e a transformasse em canção. Mas estou mais distante disso que Jaçanã. Além disso, nesse caso a canção já existia, anterior ao momento. Paciência. Não se afobe não, que nada é pra já. O café estava bom, e isso é um consolo.

     E assim vou vivendo, escrevendo a letra de um samba vagabundo, num arranjo confuso, às vezes criando temas forçados e rimas pobres. Felizmente os mais capazes escrevem as canções que ficam e dão sentido à coisa toda.

     Pois é. Mas esse papo meu tá qualquer coisa.

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Vida e letra

Dois sujeitos conversavam ao meu lado no balcão da padaria. Eu tomava meu café, pensando na vida, nem prestava atenção ao que diziam. O leitor deixe de ser futriqueiro se pensa que vou ficar xeretando e revelar o assunto da prosa.      Sei que, às tantas, um deles bateu com

Ler mais

Copyright © 2024. Theme by Mr Da Vinci, powered by WordPress.